A_velha_mal-humorada

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

Slide 1:

Quando uma velha senhora morreu na seção para o tratamento de doenças da velhice em uma pequena clínica perto de Dundee, na Escócia, todos estavam convencidos de que ela não havia deixado nada de valor.

Slide 2:

Então, quando as enfermeiras verificaram seus poucos pertences, eles encontraram um poema. Sua qualidade e conteúdo impressionaram todas as pessoas, e todas as enfermeiras queriam uma cópia da mesma.

Slide 3:

Uma delas levou uma cópia para a Irlanda. A única herança que a velha deixou a seus sucessores foi publicado na edição de Natal da notícia da União para a Saúde Mental na Irlanda do Norte. Este poema, simples mas eloquente, também foi apresentado com slides.

Slide 4:

Portanto, esta velha senhora da Escócia, sem posses materiais para deixar o mundo, é a autora deste poema "anônimo" que circula na Internet.

¸1:

¸1 A Velha Rabugenta

Slide 6:

Que veem amigas? Que veem? Que pensam quando me olham?

Slide 7:

Uma velha rabugenta, não muito inteligente, de hábitos incertos, com seus olhos sonhadores fixos ao longe?

Slide 8:

A velha que cospe comida que não responde ao tentar ser convencida... “De, fazer um pequeno esforço?"

Slide 9:

A velha, que vocês acreditam que não se dá conta das coisas que vocês fazem e que continuamente perde a sua escova ou o sapato ?

Slide 10:

A velha, que contra sua vontade, mas humildemente lhes permite a fazer o que queiram, que me banhem e me alimentem só para o dia passar mais depressa...

Slide 11:

É isso que vocês acham? É isso que vocês vêem? Se assim for, abram os olhos, amigas, porque isso que vocês veem não sou eu!

Slide 12:

Vou lhes dizer quem sou, quando estou sentada aqui, tão tranquila como me ordenaram...

Slide 13:

Sou uma menina de 10 anos, que tem pai e mãe, irmãos e irmãs que se amam.

Slide 14:

Sou uma jovenzinha de 16 anos. Com asas nos pés, e que sonha encontrar seu amado.

Slide 15:

Sou uma noiva aos 20, Que o coração salta nas lembranças, Quando fiz a promessa Que me uniu até o fim de meus dias com o AMOR de minha vida.

Slide 16:

Sou ainda uma moça com 25 anos, Que tem seus filhos, Que precisam que eu os guie... Tenho um lugar seguro e feliz!

Slide 17:

Sou a mulher com 30 anos. Onde os filhos crescem rápido, E estamos unidos com laços que deveriam durar para sempre...

Slide 18:

Quando tenho 40 anos Meus filhos já cresceram E não estão em casa... Mas ao meu lado está meu marido Que me acalenta quando estou triste.

Slide 19:

Aos cinquenta, mais uma vez, comigo deixam os bebês, meus netos, e de novo tenho a alegria das crianças, meus entes queridos junto a mim

Slide 20:

Aos 60 anos, sobre mim nuvens escuras aparecem, meu marido está morto; e quando olho meu futuro me arrepio toda de terror.

Slide 21:

Os meus filhos se foram, e agora tem os seus próprios filhos... Então penso em tudo o que aconteceu e no amor que conheci.

Slide 22:

Agora sou uma velha. Que cruel é a natureza... A velhice é uma piada Que transforma um ser humano Em um alienado.

Slide 23:

O corpo murcha Os atrativos e a força desaparecem Ali, onde uma vez teve um coração Agora há uma pedra.

Slide 24:

No entanto, nestas ruínas, a menina de 16 anos ainda está viva. E o meu coração cansado, ainda está repleto de sentimentos vivos e conhecidos.

Slide 25:

Recordo os dias felizes e tristes. Em meus pensamentos volto a amar e a viver o meu passado.

Slide 26:

Penso em todos esses anos que se foram, ao mesmo tempo poucos, mas que passaram muito rápido, E aceito o inevitável... Que nada pode durar para sempre...

Slide 27:

por isso, abram seus olhos e vejam: diante de vocês não está uma velha mal-humorada... Diante de vocês estou apenas “EU...” Uma menina, mulher e senhora, viva!... E com todos os sentimentos de uma vida...

Slide 28:

Lembrem-se deste poema da próxima vez que se encontrarem com uma pessoa idosa mal-humorada e não a rejeitem, sem olhar primero a sua Alma Jovem… Você, algum dia, vai estar no lugar dela…

Slide 29:

Comentando Estou repassando esse texto como o recebi, sem os créditos. Seu tema é a velhice, uma coisa vai acometendo o nosso corpo enquanto nosso espírito só faz crescer. O texto comprova o que acabo de dizer, não é? E fico me perguntando se a morte não é apenas o momento em que nosso espírito realmente se maximiza e se liberta. Que acham? Outra pergunta que o texto me despertou foi esta: se essa “velha rabugenta” realmente amou marido, filhos e netos, por que acabou abandonada? Geralmente isso não acontece quando amamos de verdade. Ou será que existem mesmo filhos assim ingratos?

Slide 30:

Certamente, todos nos preocupamos com a velhice, mas somente chegamos lá quando a vida nos é favorável, concordam? Outra coisa também inegável é esta: os idosos (não velhos) — quando realmente amados e consequente-mente cuidados — costumam ser felizes, saudáveis e uma benfazeja fonte de sabedoria. Sim, idosos podem viver e morrer sem adoecer! De que morrem, então? Ora, eles não morrem, simplesmente se apagam, como uma vela que se transformou em calor e luz antes de deixar de nos iluminar. Sim, amigos, porque a energia que dá vida a nossos corpos não fenece, mas se transmuta e passa a outro nível. Ou não é assim que “Neste mundo nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”? Reflitam nessa verdade da Ciência. Luigi Contato: [email protected]