O FILME COMO RECURSO PEDAG�GICO

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

Slide 1:

Cinema Filme Vídeo

Slide 2:

Nos últimos anos, finalmente vemos o vídeo chegar à sala de aula e aos demais espaços escolares, trazendo uma expectativa positiva em relação à sua utilização como subsídio pedagógico.

Slide 3:

Por isso, precisamos aproveitar essa expectativa positiva para atrair o aluno para os assuntos do nosso planejamento pedagógico.

Slide 4:

Salientando que o uso do vídeo possui grande potencial educativo e, que portanto, configura-se como um importante instrumento de trabalho para o professor.

Slide 5:

O filme educativo, como qualquer outro elemento audiovisual, não deve, pois, ser encarado como algo raro, uma atividade extra-classe com um “sabor de festa”. É instrumento, é ferramenta de trabalho e só deve ser usado se, de fato, trouxer uma contribuição efetiva à aula.

Slide 6:

Portanto, o educador precisa estimular a leitura crítica dos meios de comunicação audiovisual em crianças e adolescentes, por meio do desenvolvimento da percepção para as diferentes linguagens que dão suporte a este tipo de produção, contribuindo, assim, para a formação de cidadão conscientes, críticos e livres.

Slide 7:

O interessante é que o vídeo parte do concreto, do visível, do imediato, próximo, que toca todos os sentidos.

Slide 8:

Pelo vídeo sentimos, experimentamos sensorialmente o outro, o mundo e a nós mesmos. Suas imagens e sons mexem com o corpo, com a pele, nos toca e nos permite tocar nos outros, que estão ao nosso alcance através do visual, do close, do som envolvente.

Slide 9:

Além de usar sua fala, o educador tem a possibilidade de mostrar imagens, sons, movimentos, cores, inserir comentários, voltar a pontos anteriores, enfim, tem a oportunidade de desenvolver a clássica dinâmica de uma aula presencial de boa qualidade.

Slide 10:

Se, na escolha “do que” for passar no vídeo, forem considerados os interesses e necessidades dos educandos, ele poderá aproximar o conteúdo didático do cotidiano dos alunos, pois o vídeo pode atrair os alunos quando possui uma narrativa significativa para eles.

Slide 11:

O vídeo é apenas um recurso, mas um recurso muito especial! Ele parte do visível, do que toca vários sentidos. As músicas e os efeitos sonoros evocam lembranças e criam expectativas, antecipando reações e informações.

Slide 12:

Blu-ray

Slide 13:

Blu-ray, também conhecido como BD (de Blu-ray Disc ) é um formato de disco óptico da nova geração de 12 cm de diâmetro (igual ao CD e ao DVD) para vídeo de alta definição e armazenamento de dados de alta densidade. É o sucessor do DVD e capaz de armazenar até 4 horas sem perdas. Requer uma TV full HD de LCD ou plasma para exibir todo seu potencial e justificar a troca do DVD. Vídeo

Slide 14:

Sites que falam sobre Cinema: www.portacurtas.com.br www.cineduc.org.br/ http://www.adorocinema.com http://filmehistorico.blogspot.com/

Slide 15:

Cinema na sala de aula Não use:

Slide 16:

Vídeo-tapa buraco: Colocar vídeo quando há um problema inesperado, como ausência do professor. Usar este expediente eventualmente pode ser útil, mas se for feito com frequência, desvaloriza o uso do vídeo e a associação (na cabeça do aluno) a de não ter aula.

Slide 17:

Vídeo-enrolação: Exibir um vídeo sem muita ligação com a matéria. O aluno percebe que o vídeo é usado como forma de camuflar a aula. Pode concordar na hora, mas discorda do seu mau uso.

Slide 18:

Vídeo-deslumbramento : O professor que acaba de descobrir o uso do vídeo costuma empolgar-se e passa vídeo em todas as aulas, esquecendo outras dinâmicas mais pertinentes. O uso exagerado do vídeo diminui a sua eficácia e empobrece as aulas.

Slide 19:

Procedimentos para se trabalhar com filmes:

Slide 20:

Antes da exibição: Informar somente aspectos gerais do vídeo (autor, duração, prêmios,...). Não interpretar antes da exibição, não pré-julgar (para que cada um possa fazer a sua leitura). Checar o vídeo antes. Conhecê-lo. Checar o som (volume), o canal de exibição, o data-show.

Slide 21:

b) Durante a exibição: Solicitar aos alunos que anotem as cenas mais importantes. Se for necessário, parar para fazer um comentário breve, sem demorar muito nele.

Slide 22:

c) Depois da exibição: Reflexão e debate sobre o filme; Questionário sobre o filme; Redação sobre a história vista; Outras adequações à Disciplina trabalhada.

Slide 23:

Sites para assistir filmes online: www.armagedomfilmes.net/ www.filmesonlinegratis.net/ http://www.assistirfilmes.net www.verfilmesonline.com/ www.easyfilmes.com/ www.xnoveblog.com/

Slide 24:

Proposta metodológica para a análise de filmes.

Slide 25:

Leitura situacional (Informações a serem dadas): Título da obra, ano em que foi realizada, país no qual foi produzida... Época em que transcorre a ação. Gênero ao qual pertence: se provoca riso, se faz chorar, se provoca medo, se é de aventuras... Explicar, se for o caso, alguma situação ou fato interessante da produção ou filmagem.

Slide 26:

Leitura concreta (Questões gerais): Gostaram da obra? Por quê? Do que mais gostaram? Por quê? E do que menos gostaram? Por quê? Entenderam a história? Há alguma coisa que não ficou clara? O quê?

Slide 27:

Leitura narrativa (Questões a serem apresentadas): Reconstruir a história por meio de técnicas diferentes; O professor inicia a história e os alunos continuam. Cada aluno faz um resumo individual. Cada aluno explica um fragmento da história.

Slide 28:

Edição de vídeos Programa Movie Maker

Slide 29:

Sugestões de atividades pedagógicas com o uso do Vídeo:

Slide 30:

Vídeo como SENSIBILIZAÇÃO: Um bom vídeo é interessantíssimo para introduzir um novo assunto, para despertar a curiosidade, a motivação para novos temas. Isso facilitará o desejo de pesquisa nos alunos para aprofundar o assunto do vídeo e da matéria.

Slide 31:

b) Vídeo como ILUSTRAÇÃO : O vídeo muitas vezes ajuda a mostrar o que se fala em aula, a compor cenários desconhecidos dos alunos. Um vídeo traz para a sala de aula realidades distantes dos alunos. A vida se aproxima da escola através do vídeo.

Slide 32:

c) Vídeo como SIMULAÇÃO : É uma ilustração mais sofisticada. O vídeo pode simular experiências de química que seriam perigosas em laboratório ou que exigiriam muito tempo e recursos. Um vídeo pode mostrar o crescimento acelerado de uma planta, de uma árvore – da semente até a maturidade – em poucos segundos.

Slide 33:

d) Vídeo como CONTEÚDO DE ENSINO : Vídeo que mostra determinado assunto, de forma direta ou indireta. De forma direta, quando informa sobre um tema específico orientando a sua interpretação. De forma indireta, quando mostra um tema, permitindo abordagens múltiplas, interdisciplinares.

Slide 34:

e) Vídeo como PRODUÇÃO : Como documentação, registro de eventos, de aulas, de estudos do meio, de experiências, de entrevistas, depoimentos. Isto facilita o trabalho do professor, dos alunos e dos futuros alunos.

Slide 35:

Programas para baixar vídeos do youtube: aTube Real Player www.baixaki.com.br

Slide 36:

Produzindo vídeo na escola

Slide 37:

Câmera filmadora Sinopse Roteiro Preparação dos personagens Preparação dos cenários Gravação