Processo de Mediação

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

O PROCESSO DE MEDIAÇÃO:

O PROCESSO DE MEDIAÇÃO

1- INTRODUÇÃO:

1- INTRODUÇÃO A tentativa das pessoas em negociarem diretamente a solução de um conflito muitas vezes fracassa e ocasiona a perda total da comunicação, em razão da tendência dos envolvidos à adversariedade . Nestes casos, a mediação recebe o conflito quando as partes já se encontram desgastadas e a comunicação entre elas já está interrompida.

Processo:

Processo O início da mediação ocorre quando as partes buscam informações de como se dá o processo e quais os reais resultados que dele se pode obter. Christopher W. Moore, autor do livro “O Processo de Mediação”, divide a mediação em doze estágios, sendo que os cinco primeiros se referem às atividades preparatórias e à criação de um ambiente adequado para a mediação. Os sete últimos estágios dizem respeito à mediação propriamente dita.

Processo:

Processo O mediador deve adotar uma estratégia para cada estágio da mediação, por meio do emprego de atividades específicas e seqüenciais, devendo também fazer uso da escuta dinâmica nos momentos pertinentes.

2- Estágios do Processo de Mediação:

2- Estágios do Processo de Mediação A- Estágio I: Introdução: O mediador deverá: a) Promover o “rapport”: isto é, estabelecer um bom relacionamento com as partes. b) Construir a credibilidade do processo: estabelecer regras e diretrizes básicas de comportamento; informar o papel do mediador e das partes; apresentar as informações fundamentais; reunir as pessoas em separado (cáucus), quando necessário; ter sigilo; fazer anotações importantes em um bloco de notas; fazer com que as partes alcancem opções de solução para a controvérsia; intermediar o acordo final, se necessário; encerrar a mediação; esclarecer sobre o regulamento do acordo e seus efeitos, fazer assessoria geral.

Realizar um Compromisso quanto ao processo de Mediação::

O “ rapport ” transforma o clima tenso estabelecido entre as partes em um ambiente ameno ou civilizado, fazendo com que o mediador ganhe confiança e empatia dos envolvidos. Após o “ rapport ”, o mediador deve controlar a situação para que os ânimos não se elevem, escutando os relatos e todos os desabafos das partes, que são necessários para o deslinde da questão, mas sempre tentando manter a cordialidade dos envolvidos e não permitindo qualquer interrupção ao relato da parte. O mediador também possui o papel de informar as partes sobre a possibilidade de uso do cáucus, que o processo de mediação é confidencial, de boa-fé e que as partes podem se comunicar de modo livre, já que seus relatos só serão usados em contribuição ao próprio processo, na identificação de interesses comuns e dos pontos de divergência. Realizar um Compromisso quanto ao processo de Mediação:

Termo de Acordo:

Termo de Acordo O mediador também deverá falar sobre a necessidade de se firmar um termo de compromisso entre ele e as partes, de modo a estabelecer parâmetros e condições importantes para a segurança das informações prestadas e a responsabilidade dos envolvidos. O termo de acordo deverá conter: Ciência de que a mediação é voluntária e que poderá ser encerrada pelas partes, a qualquer tempo; A submissão do processo de mediação;

Termo de Acordo:

Termo de Acordo A declaração de que as partes não poderão convocar o mediador para comparecer em juízo e de que este não poderá testemunhar em favor de qualquer dos envolvidos, caso o conflito seja objeto de ação judicial; A declaração de que o processo e as reuniões são confidenciais; O dever das partes em revelar todas as informações que sejam fundamentais à composição do conflito; A possibilidade das partes solicitarem documentos relevantes; A informação às partes de que o mediador não será advogado ou defensor de qualquer uma delas; A informação de que o mediador poderá interromper a mediação se entender que o processo é inapropriado ao caso e se as discussões se tornarem ineficazes.

B- Estágio II: Escolha de uma estratégia para orientar a mediação (relato das partes):

B- Estágio II: Escolha de uma estratégia para orientar a mediação (relato das partes) O mediador deverá auxiliar as partes a explicarem o caso do seu ponto de vista; escutar as partes e ajudar para que uma escute à outra; fazer um resumo dos pontos controvertidos. O momento dos relatos é de muita importância para o processo de mediação, pois é nele que as partes informam o objeto do conflito e todas as peculiaridades do caso.

O mediador deverá solicitar à parte que não interrompa o relato da outra, bem como que escute e compreenda o que está sendo dito.:

O mediador deverá solicitar à parte que não interrompa o relato da outra, bem como que escute e compreenda o que está sendo dito . Incumbe também ao mediador escutar com atenção os relatos e compreender a linguagem não verbal das partes, já que esta revela o estado emocional das mesmas. Importante!

C- Estágio III: Coleta e análise de informações básicas::

C- Estágio III: Coleta e análise de informações básicas: O mediador deverá coletar e analisar as informações relevantes sobre as pessoas, os relatos e a essência do conflito; apurar a veracidade dos dados; minimizar os efeitos dos fatos inexatos ou indisponíveis. Além disso, caberá ao mediador reconhecer as posições de cada uma das partes e tentar esclarecer alguns pontos, a fim de coletar dados importantes para o esclarecimento do caso.

D- Estágio IV: Projeção de uma plano detalhado para a mediação:

D- Estágio IV: Projeção de uma plano detalhado para a mediação É neste estágio que o mediador deverá identificar as estratégias e os movimentos que não sejam convergentes para que os envolvidos possam chegar a um acordo e identificar os movimentos que sejam contingentes, de modo a responder a situações específicas ao conflito. Este estágio prepara a construção de um ambiente pautado em cooperação. E- Estágio V: Construção da confiança e cooperação O mediador deverá preparar as partes para que se envolvam com as questões essenciais do conflito; deverá lidar com os sentimentos dos envolvidos; constatar as percepções e diminuir os efeitos dos estereótipos; construir o reconhecimento da legitimidade das partes e das questões; construir a confiança das partes e esclarecer a comunicação.

Construção da confiança e cooperação :

Construção da confiança e cooperação É neste estágio que o mediador deverá separar as divergências das pessoas e chamá-las para trabalharem em conjunto na composição do conflito. O mediador deverá separar os pontos de interesse comum dos pontos de interesses divergentes, iniciando sempre o processo pelos pontos em comum entre as partes

F- Estágio VI: Início da sessão de mediação:

F- Estágio VI: Início da sessão de mediação O mediador deverá: Iniciar a negociação entre os envolvidos; Fazer uso de um tom aberto e positivo; Auxiliar as partes a expressar seus sentimentos; Selecionar as áreas e questões que serão objeto de discussão; Auxiliar as partes na exploração de compromissos, de pontos que são relevantes e de influências;

G- Estágio VII: Definição das questões e estabelecimento de uma agenda:

G- Estágio VII: Definição das questões e estabelecimento de uma agenda Aqui, o mediador deverá: identificar as áreas amplas de interesse para as partes; obter concordância sobre o que será discutido; determinar a seqüência em que as questões serão tratadas; fomentar a comunicação das partes para identificar as questões a serem discutidas e elaborar uma agenda de negociação.

H- Estágio VIII: Revelação dos interesses ocultos das partes:

H- Estágio VIII: Revelação dos interesses ocultos das partes Neste estágio, o mediador deverá identificar os interesses essenciais das partes e instruí-las sobre os interesses uma da outra. A identificação dos interesses ocultos é tarefa difícil para o mediador e ocorre quando este passa confiança às partes sobre o processo. Os interesses ocultos existem em razão das próprias partes não conhecê-los ou de escondê-los por acharem mais conveniente que a outra parte não os conheçam. Se as partes, ao invés de tentarem solucionar o problema, caírem em um círculo vicioso, o mediador poderá formular perguntas para explorar novos focos da questão. O mediador também poderá se reunir com cada parte, em separado, para que obtenha informações ocultadas na sessão de mediação.( cáucus )

I- Estágio IX: Gerando opções de acordo::

I- Estágio IX: Gerando opções de acordo: O mediador deverá informar as partes sobre a necessidade de gerar várias opções; reduzir os compromissos com alternativas que sejam isoladas; gerar opções fazendo uso da negociação com base nos interesses das partes.

J- Estágio X: Avaliação das opções para o acordo:

J- Estágio X: Avaliação das opções para o acordo C aberá ao mediador rever os interesses das partes; avaliar quais opões disponíveis atenderão os interesses; avaliar as opções de acordo com critérios estabelecidos previamente; avaliar os custos e benefícios das opções antes das partes escolhê-las.

L- Estágio XI: Parte Final:

L- Estágio XI: Parte Final O mediador deverá estimular a discussão entre as partes a respeito das opções restantes até chegarem a uma pacificação, sempre analisando as vantagens e desvantagens das opções, fatores que eventualmente podem prejudicar uma possível ação e meios de superá-los. O acordo deverá ser obtido mediante a máxima convergência dos interesses das partes.

M) Estágio XII: Atingindo o acordo final:

M) Estágio XII: Atingindo o acordo final Incumbe ao mediador visualizar o relacionamento futuro das partes; analisar se o acordo é viável; preparar as partes para explicar o acordo a terceiros, caso seja necessário; formalizar o acordo e criar um método de imposição e compromisso. O acordo deverá ser escrito, específico, positivo, exigível, assinado e testado, na hipótese do compromisso ser provisório. O acordo também deverá responder as seguintes questões: quem vai fazer; o que vai fazer; quanto vai fazer; como vai fazer; por quê vai fazer; quando vai acontecer; onde e em que local vai acontecer.

3- Considerações Finais:

3- Considerações Finais No transcorrer do processo de mediação, o mediador deverá ficar atento ao equilíbrio de poder entre as partes e saber que não poderá fazer qualquer juízo de valor a respeito do objeto da negociação. No juízo de valor do mediador, a solução encontrada pelas partes poderá ser desequilibrada mas, para os próprios envolvidos, poderá ser a solução mais adequada e que melhor satisfaça seus interesses e necessidades. Em virtude do acordo ser de inteira responsabilidade das partes, o mediador não poderá interferir ou manifestar sua discordância caso entenda que os termos do acordo são injustos, sob pena de se tornar parcial.

authorStream Live Help