Mudanças Climaticas

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

By: lengruberlobosco (36 month(s) ago)

Para mudar o mundo de fora parece que precisamos antes mudar o mundo que mora dentro de nós. O tempo de reduzir, reutilizar e reciclar é o mesmo tempo de estudar, criar e inovar!

Presentation Transcript

Mudanças Climáticas : 

Mudanças Climáticas Paulo E. Cruvinel Embrapa Instrumentação Agropecuária cruvinel@cnpdia.embrapa.br Semana do Meio AmbienteSENAC, São Carlos 7/6/2010

Apresentação : 

Apresentação Nova sociedade, tendências e incertezas; O efeito estufa e o protocolo de Kyoto; Cenários de mudanças climáticas; Variabilidade e eventos extremos; Mudanças climáticas e agricultura; Cop 15, desafios gerais e compromissos do Brasil; Conclusões.

NOVA SOCIEDADE,TENDÊNCIAS E INCERTEZAS : 

NOVA SOCIEDADE,TENDÊNCIAS E INCERTEZAS

Slide 4: 

O novo perfil da sociedade Qualidade Protocolo de Kyoto Visão Ecológica Otimização de risco Terceiro Setor Geração de riqueza Redes de Cooperação

Slide 5: 

Crescente interesse por alimentos funcionais, produtos diferenciados, minimamente processados e semiprontos

EXPANSÃO DA DEMANDA MUNDIAL POR AGROENERGIA : 

Evolução da Matriz Energética Mundial (Shell 2050) Fonte: Shell Energy Scenarios 2050 (2001) ! EXPANSÃO DA DEMANDA MUNDIAL POR AGROENERGIA

Slide 7: 

Milhões toneladas Milhões toneladas Demanda pela água Desigualdade geográfica na distribuição dos recursos hídricos, já provoca grave problema de escassez de água em várias partes do mundo

Demanda por Recursos hídricos e sustentabilidade : 

Fonte: Anuário Exame – Infra-estrutura 2005-2006 Fonte: IBGE apud MMA – Panorama e estado dos recursos hídricos no Brasil Assoreamento e poluição Poluição Assoreamento Nenhum Excelente Confortável Preocupante Crítica Muito crítica Relação entre demanda e disponibilidade Demanda por Recursos hídricos e sustentabilidade

CENÁRIO - EQUAÇÃO COMPLEXA Desenvolvimento Sustentável : 

CENÁRIO - EQUAÇÃO COMPLEXA Desenvolvimento Sustentável Econômico Social Ambiental Redução das desigualdades regionais Inserção efetiva na sociedade globalizada

Desmatamento no mundo e % de florestas remanescentes : 

Desmatamento no mundo e % de florestas remanescentes

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA E DAS ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO TERRITÓRIO BRASILEIRO : 

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA E DAS ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO TERRITÓRIO BRASILEIRO Áreas preservadas em lei 67,0% Fonte:MAPA

Tendências do Macroambiente : 

Tendências do Macroambiente Maior consciência dos temas ligados ao meio ambiente e ao desenvolvimento social, incluindo a crescente preocupação com os efeitos negativos dos impactos ambientais e o adensamento dos mecanismos de regulação e gestão dos recursos hídricos Expansão e mudança do perfil da demanda mundial por alimentos, implicando maiores exigências do mercado consumidor e a ampliação do mercado de produtos alimentícios certificados segundo critérios de rastreabilidade e segurança Expansão da demanda mundial por agroenergia, impulsionando o crescimento do mercado de energia renovável no Brasil Aumento da demanda por fontes alternativas de insumos agroindustriais, implicando o crescente aproveitamento de resíduos sólidos, agroindustriais e urbanos, a utilização de plantas mais eficientes e o aproveitamento de co-produtos Continuada importância da agricultura para o desenvolvimento econômico e social do país Elevação do nível educacional da população Disseminação de sistemas integrados e rotacionados

Incertezas do Macroambiente : 

Incertezas do Macroambiente Intensidade e forma de regulação do comércio internacional Evolução da curva de preços das commodities Crescimento da economia global Demanda mundial por produtos agropecuários Demanda mundial por tecnologias Sustentabilidade no uso dos recursos naturais Impactos trazidos pelas mudanças climáticas sobre a produção agrícola mundial Inserção externa da economia brasileira

O EFEITO ESTUFA E O PROTOCOLO DE KYOTO : 

O EFEITO ESTUFA E O PROTOCOLO DE KYOTO

Slide 17: 

~ 5800 K ~290 K A atmosfera terrestre é transparente à radiação solar A atmosfera terrestre não é transparente à radiação terrestre, causando o aquecimento da atmosfera (efeito estufa)

O atual balanço global de energia : 

O atual balanço global de energia A atmosfera terrestre é quase transparente à radiação solar A atmosfera terrestre não é transparente à radiação terrestre, causando o aquecimento da atmosfera (efeito estufa) Fonte: LBA Project

Efeito Estufa Natural : 

Efeito Estufa Natural A TERRA SERIA 33,0 GRAUS MAIS FRIA SE NÃO EXISTISSEM NA SUA ATMOSFERA OS GASES DO EFEITO ESTUFA

Slide 21: 

O Protocolo de Kyoto é consequência de uma série de eventos iniciada com a Toronto Conference on the Changing Atmosphere, no Canadá (outubro de 1988), seguida pelo IPCC's First Assessment Report em Sundsvall, Suécia (agosto de 1990) e que culminou com a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC) na ECO-92 no Rio de Janeiro, Brasil (junho de 1992). Constitui-se no protocolo de um tratado internacional com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que agravam o efeito estufa, considerados, de acordo com a maioria das investigações científicas, como causa antropogênicas do aquecimento global. Discutido e negociado em Kyoto no Japão em 1997, foi aberto para assinaturas em 11 de Dezembro de 1997 e ratificado em 15 de março de 1999. Sendo que para entrar em vigor precisou que 55% dos países, que juntos, produzem 55% das emissões, o ratificassem, assim entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou em Novembro de 2004. Protocolo de Kyoto

Slide 22: 

Reformar os setores de energia e transportes; Promover o uso de fontes energéticas renováveis; Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados; Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; Proteger florestas e outros sumidouros de carbono. Protocolo de Kyoto (ações básicas)

Slide 23: 

Mapa do Protocolo de Kyoto em 2009 Verde: Países que ratificaram o protocolo. Amarelo: Países que ratificaram, mas ainda não cumpriram o protocolo. Vermelho: Países que não ratificaram o protocolo. Cinzento: Países que não assumiram nenhuma posição no protocolo.

CENÁRIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS : 

CENÁRIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Slide 26: 

Grande quantidade de novas observações; Especial atenção sobre Paleoclima: entender o passado para prever o futuro; Consideração das partículas e aerossóis presente na atmosfera; Consideração da Biogeoquímica e ciclagem de carbono em todas as etapas dos modelos; Criteriosa avaliação das incertezas e utilização de informações que apresentem 95% de confiabilidade; Modelos climáticos complexos e completos; Projeções feitas com uma grande variedade de modelos aprimorados; Projeções climáticas regionais. Principais características da modelagem AR4 do IPCC

Slide 29: 

Ozônio troposférico e vapor d'água não incluídos Metano 24% Dióxido de carbono 63% Óxido nitroso 10% Outros 3% Fonte: IPCC % DE IMPORTÂNCIA DOS GASES DE EFEITO ESTUFA (assumindo emissões correntes, ao longo dos próximos 100 anos)

Slide 30: 

Annual mean temperature change (2071-2200) minus (1961-1990), °C

Slide 31: 

Annual mean rainfall rate change (2071-2200) minus (1961-1990), mm/day

Monitoramento agro-meteorológico : 

Monitoramento agro-meteorológico

Zoneamento de risco agro-climático : 

Zoneamento de risco agro-climático

Geomática aplicada : 

Geomática aplicada

Infra-estrutura de dados espaciais : 

Infra-estrutura de dados espaciais

VARIABILIDADE E EVENTOS EXTREMOS : 

VARIABILIDADE E EVENTOS EXTREMOS

Slide 43: 

EVENTOS EXTREMOS EFEITOS GLOBAIS DO EL NIÑO

Slide 44: 

EFEITOS GLOBAIS DA LA NIÑA EVENTOS EXTREMOS

Slide 45: 

Padrão observado Setembro 2005 Bacia Norte do Oceano Atlântico: presença de água Oceânica mais quente Amazônia EVENTO SEVERO: SECA NA AMAZÔNIA Região Amazônica: presença de ar descendente (de cima para baixo) inibindo a formação de nuvens e chuva

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AGRICULTURA : 

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AGRICULTURA

Slide 47: 

Atmosfera Temperatura Precipitação solo Causa e conseqüências H20 CO2 CH4 N02 Agricultura H20 CO2 CH4 N02

Slide 48: 

I - Agricultura e carbono Influência da agricultura no clima Inventários – padronização de metodologia de monitoramento (carbono no solo), Uso de fertilizantes (menor necessidade de terras com fertilizantes ?) II - Vulnerabilidade Efeitos das mudanças do clima na agricultura Estudos de cenários, manejo do solo e da água, zoneamento, e programas de melhoramento e introdução de novas espécies III - Mitigação Redução das emissões e a retirada de CO2 da atmosfera (seqüestro); agroenergia, variedades resistentes aos novos estresses térmicos e hídricos, REDD / LULUCF (Desmatamento) IV - Uso sustentável de recursos renováveis Segurança alimentar / Geração de emprego / bem estar / emissões

Slide 49: 

O desafio para o entendimento de problemas complexos TRANSDISCIPLINARIDADE e uso de ferramentas de ANALISE SISTÊMICA http://www.soilandhealth.org Teixeira W. Manaus, RIPA 2009.

Previsão de expansão de oleaginosas para produção de biodiesel : 

Previsão de expansão de oleaginosas para produção de biodiesel Fonte: Plano Nacional de Agroenergia, MAPA, 2005

Efeitos térmicos no zoneamento agroclimático da soja : 

Efeitos térmicos no zoneamento agroclimático da soja Fonte: Hilton Pinto e Eduardo Assad, UNICAMP/EMBRAPA (Assad et al., 2004)

Impactos Potenciais do Aquecimento Global na Agricultura : 

Impactos Potenciais do Aquecimento Global na Agricultura Extensão das áreas agricultáveis Mudança climática: padrões de precipitação Efeitos térmicos na produtividade Efeitos fisiológicos do enriquecimento do CO2 Efeitos nas plantas daninhas, pragas e doenças de plantas

Uso de áreas alteradas : 

Uso de áreas alteradas Integração lavoura–pecuária–silvicultura Perin, R. Florestas energéticas

Slide 54: 

Controle de erosão Programas de conservação do solo e da água Steiner, 2009

USO DE RESIDUOS ORGANICOS: AGRICOLAS, URBANOS E INDUSTRIAIS NA RECUPERAÇÃO E CONSTRUÇÃO DA FERTILIDADE DE SOLOS TROPICAIS E REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA : 

USO DE RESIDUOS ORGANICOS: AGRICOLAS, URBANOS E INDUSTRIAIS NA RECUPERAÇÃO E CONSTRUÇÃO DA FERTILIDADE DE SOLOS TROPICAIS E REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA

Atividade Agrossilvipastoril : 

Atividade Agrossilvipastoril

Potencial do sistema : 

Potencial do sistema Conservação de solo e água. (Sanchez, 2001) Melhoria das propriedades químicas e físicas do solo. (Castro et al.,2007) Aumento da atividade microbiana do solo. (Rangel, 2005). Melhoria do valor nutricional da forragem produzida. (Paciullo et al., 2007). Maior retenção de carbono. (Tksukamoto Filho et al., 2004).

Potencial do sistema : 

Potencial do sistema Conforto térmico para os animais. (Pires et al., 2007). Suplementação alimentar com arbustivas e arbóreas/forrageiras. (Rangel, 2006). Diversificação de produtos comercializáveis e incremento da renda da propriedade. (Vale, 2004) Pagamento por serviços ambientais. (Murgueitio, 2006). Redução das emissões de GEE (gases do efeito estufa).

COP 15 DESAFIOS GERAIS E COMPROMISSOS DO BRASILFifteenth session of the Conference of Parties (COP15) to the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC) : 

COP 15 DESAFIOS GERAIS E COMPROMISSOS DO BRASILFifteenth session of the Conference of Parties (COP15) to the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC)

Slide 62: 

Definir e se responsabilizar pela escala de cortes nas emissões; Definir e praticar a nova linguagem para a sustentabilidade; Definir e executar provisão e financiamento para países pobres visando minimizar impactos devido ás mudanças climáticas e redução de suas emissões; Renovar o compromisso com o novo tratado do clima; Equacionar saúde humana, meio ambiente e economia mundial; Não exceder a dois graus no aquecimento médio mundial. Países industrializados devem reduzir suas emissões de 25 a 40% do nível apresentado em 1990 até 2020 e de 80 a 95% até 2050. Desafios Gerais

Justificativa : 

Justificativa “If fundamental climate change mitigation and adaptation goals are to be met, international climate negotiations must include agriculture.” O efeito das mudanças climáticas na agricultura será principalmente para os agricultores das regiões tropicais Colocar a agricultura na agenda de negociações das mudanças climáticas Agriculture & Rural Developmet Day

COMPROMISSO DO BRASIL PARA OS PRÓXIMOS 10 ANOS : 

COMPROMISSO DO BRASIL PARA OS PRÓXIMOS 10 ANOS Recuperação de áreas degradadas: 15 milhões de hectares. Integração lavoura,pecuária e floresta: 4 milhões de hectares. Plantio direto na palha: 8 milhões de hectares. Plantio de florestas: 3 milhões de hectares. Substituição de fertilizante químico: 5,5 milhões de hectares.

Necessidade de pesquisa, desenvolvimento e inovação... : 

CAPACIDADE PRODUTIVA DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS SEGURANÇA ALIMENTAR, NUTRIÇÃO E SAÚDE USO SUSTENTÁVEL DOS BIOMAS COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE AVANÇO DA FRONTEIRA DO CONHECIMENTO Necessidade de pesquisa, desenvolvimento e inovação...

CONCLUSÕES : 

CONCLUSÕES

Slide 67: 

Fonte: EPA Impactos potenciais das Mudanças Climáticas

Slide 68: 

A organização do futuro desejado deve ocorrer com base na transição para uma economia de baixo carbono, baixo nitrogênio, recuperação e manejo sustentável dos recursos naturais, fundamentado em práticas sistêmicas que possibilitem administrar a autotransformação e a qualidade da vida no planeta.

Slide 69: 

Muito Obrigado!