Rio Potengi

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

By: juhfelix (37 month(s) ago)

Este slide é maravilhoso.

Presentation Transcript

Potengi: do imaginário à realidade : 

Potengi: do imaginário à realidade Fragmentos da História e da Geografia potiguar, tendo como fio condutor o Rio berço da terra Natal. A constatação de que quanto mais inseridos no processo de globalização mais apartados de nossa história, nos instigou a realizar uma abordagem multidisciplinar norteado pelo pertencimento e identidade com o Rio “Potengi Amado”: visões míticas, alumbramentos de poetas e escritores, sem esquecer da brutal realidade ambiental. Profº Plínio Sanderson “Natal, não existe, o que chamamos de Natal é apenas o assoreamento da beleza do Potengi”. Oswaldo Lamartine

A essencialidade dos Rios na Humanidade : 

A essencialidade dos Rios na Humanidade A antropologia defende que haviam três espécies de primatas que poderiam evoluir para o homem, mas apenas uma evoluiu, precisamente a que desceu das árvores, liberou as mãos e seguiu o curso do rio; Todas as grandes cidades nasceram ancoradas em um rio, imagine: o Tigres e Eufrates na Mesopotâmia, o Ganges e o Hindu na Índia, o Amarelo e o Azul na China, oTâmisa para os ingleses, o Sena para os parisienses, o Tejo para portugueses, o Mississipi para os EUA, o Reno/Ruhr para a Alemanha, o Velho Chico para o Nordeste brasileiro, o Nilo para África Saariana, o Amazonas para a América do Sul e o rio da aldeia do poeta Fernando Pessoa... As regiões do planeta mais ecúmenos estão nas planícies asiáticas do Ganges e Amarelo onde vivem mais de um terço da população mundial Triste sina, a que será se destina? Os rios têm uma função vital na vida humana: matar a sede, fonte de renda, lazer (a magia dos espelhos d’água), alimentação, agricultura (irrigação), fornecimento de energia, higiene pessoal... Porém, em todos os lugares, desenvolvidos e/ou subdesenvolvidos, as lâminas de águas (fluviais ou oceânicas) têm servido somo sumidouro de lixo e dejetos... Rio Grande do Norte Rio Grande sem Sorte... Bosco Lopes

Aspectos Naturais do Potengi : 

Aspectos Naturais do Potengi Nasce na serra de Santana em altitudes de 500 metros, próximo a Cerro Corá afluentes margem esquerda: Pedra Preta, Pedra Branca e Camaragibe afluentes margem direita: Rio Grande e Jundiaí. Extensão total do curso 176 Km perfazendo uma bacia hidrográfica de 3.180 Km2. Percorre três zonas distintas no RN: formado o rio é típico de sertão corre pelo semi-árido de transição e finaliza numa zona litorânea antes de desaguar no Atlântico. Se divide em três seções distintas: Alto Potengi - das nascentes até Barcelona Médio curso - entre Barcelona até São Gonçalo do Amarante Baixo curso - em zona úmida compreende os 19 Km restantes dos quais 10 Km sujeito às marés, se constituindo estuário. Sendo represado em mais de 200 reservatórios a obra de infra-estrutura hídrica mais relevante é a barragem de Campo Grande em São Paulo do Potengi.

Bacia do rio Potengi ou Jundiaí? : 

Bacia do rio Potengi ou Jundiaí?

Quero da Serra de SantanaOlhar pra baixo cheio de mim... Jorge Fernandes : 

Quero da Serra de SantanaOlhar pra baixo cheio de mim... Jorge Fernandes Embalou seu berço a região serrana, perto de Cerro Corá. Depois chegaram os parentes pobres, os riachos Pedra Preta e Pedra Branca. E o rio Camaragibe. Afluentes do lado esquerdo. De melhor estirpe e posses o rio Jundiaí, a sua direita. Parentes pobres e ricos, mais uma família unida graças a Deus. Até que um rio intermitente, agoniando de secura, torna-se perene no baixo curso, quando se avizinha do oceano, e de peito aberto luta contra as marés. Luis Carlos Guimarães.

A gênese da cidade nos mitos: indígena e do menino anunciador : 

A gênese da cidade nos mitos: indígena e do menino anunciador Conta uma lenda, que ao escolher as margens do Rio Potengi para construir a sede da nação Potiguar, o grande pajé consultou a mãe Lua, perguntando-lhe: “Mãe de todas as noites, seria este um bom lugar para plantarmos as nossas raízes?” A Lua Mãe, naquela noite, disse: “Filho dessa terra abençoada, faça desse espaço a morada de toda essa nação guerreira. Construa a sua oca sobre esta areia branca e faça uso de tudo aquilo que a natureza colocar ao alcance de tuas mãos. Retire da floresta os frutos que matarão a sua fome e faça uso desse Rio sagrado com equilíbrio, porque ele matará a sua sede e lavará o seu corpo até o final dos tempos”. Satisfeito com a resposta, o velho pajé fez reverências aos céus e cravou sobre a areia o marco daquela aldeia que receberia o nome de Igapó (Aldeia Velha). Natal, já é eterna hoje e será eterna sempre, porque nasceu envolta numa lenda. Rezam velhas crônicas que, quando Jerônimo de Albuquerque, no intuito de fundar uma cidade, aproou para estas bandas, apareceu-lhe no convés uma criança divinamente bela que lhe apontou o rumo do porto seguro e do seguro abrigo. Havia a tradição de ser ali o paraíso escolhido pelo senhor para lhe prestarem culto na terra. Manoel Dantas Foto: Geovanni Sérgio

E, ante a ofensa azul do mar, esconde-se no Refoles, refugio de piratas e dragas sonolentas. Jarbas Martins : 

E, ante a ofensa azul do mar, esconde-se no Refoles, refugio de piratas e dragas sonolentas. Jarbas Martins É topônimo que recorda a estada do corsário Jacques Riffault no rio Potengi. Guardava sua nau, na curva do rio lento. Nada restou do domínio francês senão insofismável e claro o nome aportuguesado do aventureiro: Riffault, Refoles... Luis Câmara Cascudo Durante todo o século XVI a Capitania ou as terras que deviam formar foi um campo aberto a constantes assaltos desses corsários franceses. Fixam-se no litoral norte-rio-grandense, mantendo relações amistosas com indígenas; não só contrabandeando pau-brasil, mas também cereais, peles, minerais, âmbar, plantas medicinais, algodão, pimenta, em troca de gado vacum, alimentos, ferramentas, estabelecendo feitorias. Pedro Moura Primeira construção em território Potiguar Foto: Plínio Sanderson

Que rio inconcebível é este? : 

Que rio inconcebível é este? Os índios potiguares,apelidados “comedores de camarão”, tinham sua aldeia à margem esquerda do Potengi. O nome vem de poti-gí, rio dos camarões. Tal denominação passou de capitania, província e estado. COLONIZAÇÃO PORTUGUESA Quando as necessidades de ordem militar e econômica forçaram os portugueses a expulsar os franceses do território potiguar, a fim de tornarem mais efetivo seu domínio sobre a terra conquistada, surge o Rio Grande como fator geográfico de acentuada importância. Por constituir uma magnífica via de penetração, que permitia aos lusos estenderam o seu domínio terra adentro. Luis da Câmara Cascudo Foto: Fernando Chiriboga

Potengi: visão Holandesa : 

Potengi: visão Holandesa Botou o ovo que gorou a ema. No mapa do elefante e na bandeira hasteada não na fortaleza do Reis Magos mas no Castelo Keulen. Homero Homem Homenagem batava ao tapuya Janduí, Frans Post

Slide 10: 

O Rio Grande não tem povo mais, do que dez ou doze léguas do rio Potengi, tem uma cidade denominada Natal, sita à légua e meia rio acima, a qual mui decaída. Conde Maurício de Nassau “Prospectto Della Fortezza Di Rio Grande, Frei Santa Tereza, 1642

Guarapes: o apogeu da província : 

Guarapes: o apogeu da província Macaíba ficou sendo a capital econômica da Província do Rio Grande do Norte, e não Natal que, ainda em 1871, era uma vila insignificante e atrasadíssima do interior. Em Guarapes tudo era furor, vida, agitação, interesse e atividade. Luis da Câmara Cascudo Guarapes entreposto propulsor da economia in província. Em Macaíba adjacências do Ferreiro Torto ouviver no “Horto” os lampejos tímidos da “cotovia mística das rimas”. Plínio Sanderson Foto: Giovanni Sérgio Foto: Plínio Sanderson

Ponte de Igapó : 

Ponte de Igapó Ponte de Igapó sucata de extintas viagens. Escultura fantasma que liga a cidade ao manguezal do tédio. Divisa dos teus limites cartográficos. Jarbas Martins Ponte inscrição metálica incrustada nas entranhas salobras do grande rio. Espicha e esvai-se nas marés rumo ao Jundiaí encontro de benditas águas estuárias. Plínio Sanderson Elo entre as margens do rio, construída em 1916.

Encontro do Potengi e Tiuru(Paço da Pátria) : 

Encontro do Potengi e Tiuru(Paço da Pátria) Rio da Bica onde beberam as bocas coloniais e os holandeses imponentes, indígenas, soldados, capitão-mor, padre vigário, escravos, todos tiveram o humilde Tissuru, Rio do Baldo (Rio de Beber), como fonte da cidade. Luis da Câmara Cascudo Espelho da cidade, suja, turva, fio-de-merda a escorrer melancólico, para boca gulosa do mar. Quem assim te vê, não sabe da saudade Rio-taba Rio-aldeia idéia que a memória, te clareia em rio só Água? Diva Cunha Fotos: Alexandro Gurgel Foto: Plínio Sanderson

Pedra do Rosário : 

Pedra do Rosário 21 de novembro 1753 Imagem encalhada num caixote na faixa envolvendo o vulto, lia-se: “Onde esta Santa parar nenhuma desgraça acontecerá” (Chico Bilro). Luis da Câmara Cascudo O Potengi onde bóiam as esperanças perdidas. Joanilo de Paula Rego Foto: Giovanni Sérgio Foto: Carlos Lira

Canto do Mangue : 

Canto do Mangue Tal nau tal por te porto posto Potengi rio arrimo fluimina ocasos. Plínio Sanderson E esse odor de maresia, de cachaça, sêmen e sangue que sobe quando o sol desce barcos de canto do mangue. Joanilo de Paula Rego Os barcos do Potenginavegam meu olhar. Fitar você é transetrance de olhares em flamas, é transa, corpos em trança. Alma cheia de braços e mangues, me navega pros teus ondesO Potengi, amor, pois é, ele me tange. Civone Medeiros Foto: Fernando Chiriboga Foto: Alexandro Gurgel

Os hidroaviões descansam das viagens gigantescas de continente a continente. Jorge Fernandes : 

Os hidroaviões descansam das viagens gigantescas de continente a continente. Jorge Fernandes Foi trampolim da vitória. Mas antes da guerra e dos americanos, outros cá tiveram descendo no Potengi: Italianos, franceses, portugueses, espanhóis, alemães, ingleses. Eram os pioneiros da aviação, os heróis das primeiras travessias do Atlântico Sul. A cidadezinha imprensada pelo mar, pelo rio e pelas dunas oferecia aos novos heróis o primeiro pouso deste lado do mundo. Woden Madruga A localização da Cidade fez com que Natal ocupasse uma posição de relevo na história da aviação mundial: 1922 - Pinto Martins e Walter Hinton chegava a Natal, o "Sampaio Correia II" amerissa nas águas do Rio Potengi, no "raid" Nova Iorque-Rio de Janeiro; 1927- Del Prete e Ferrarim (italianos) chegaram no "Santa Maria". "Natal será a mais extraordinária estação da aviação mundial“ – fato que deixou como homenagem a Coluna Capitolina; 1930 - Jean Mermoz (francês) pousa na cidade com um “Latè 28” inaugurando o correio aéreo sobre o Atlântico Sul; 1936 - Hangar da Condor, companhia de aviação alemã que fazia Berlim/Natal; 1938 - Os hidroaviões da Pan Air (Boring Clipper), 1942 - A base aeronaval da Rampa/Limpa, pipe line para conduzir gasolina a óleo para s bases aéreas. os catalinas dominavam os ares e o rio. Tarcísio Medeiros Novecentos cavalos suspensos nos ares Besouros roncando: zum..zum...umumum.. Aonde irá aquele rola-titica parar? Jean Mermoz pousando no rio

Redinha Arredia : 

Redinha Arredia O Potengi de proporções largas fluvialmente, verde sexuado sem gigantismo nenhum verde profundo. É de uma boniteza crespa e tão mansa que a gente não percebe logo a simpatia dele. Oculta nessa monotonia, da banda do mar fica a Redinha praia de verão, bairro em que ninguém sonha pela preguiça do pensamento atravessar o rio com este sol. Mário de Andrade Fotos: Alexandro Gurgel

É ontem, será hoje, foi amanhã?Um o rio que passou em nossas vidas? : 

É ontem, será hoje, foi amanhã?Um o rio que passou em nossas vidas? Teus mangues banguelas à língua do cobre tua liga de merda e óleo. Em tuas margens a vida é pasto de urubus e ratos Adriano de Souza Peixes Pássaros Vísceras Rio Poente Rio Doente: Perigo Substantivo Em desabrigo. Franklin Capistrano Natal é capital brasileira com menor percentual de saneamento básico 31%, dos quais apenas 14% tem tratamento, o restante é jogado “in natura no Potengi. Mais de 40 mil quilos/dia é a descarga no estuário. Rio sujo do hoje sem amanhã, sem nada, sem. Sem ter quem lhe conceda a extrema-unção de um beijo. Augusto Luis Para isso ele não foi feito, para ser bojo sanitário da cidade. Para que serve o meu rio se a ele reservam a missão de esconder as amebas dos olhos dos homens e mulheres vaidosos? O rio que era refugio de amantes se transforma num imenso depósito de lixo onde despejam até restos de amor. Vicente Serejo Fotos:Plínio Sanderson Fotos: Giovanni Sérgio

Urge Potengi : 

Urge Potengi A capital potiguar, literalmente, dá as costas para o potencial turístico e ambiental do rio. Não há estrutura para os pontos turísticos que permitam contemplar o rio Potengi, a maioria das casas é de costas para o leito e, o pior, a poluição do manancial está crítica. O Estuário do rio Potengi é constituído de manguezal, Ecossistema Litorâneo de grande importância ambiental e socioeconômico para a cidade por ser, fonte de alimentos e local de reprodução de espécies da fauna marinha, refúgio natural de peixes e crustáceos, propiciador da indústria de pesca e atividades de aqüicultura, portuária e de recreação, como também provedor de alimento para a população ribeirinha.Urge a sociedade civil lutar na defesa intransigente do Rio, comungando com o artigo 225 da constituição, que impõe ao “Poder Público e à coletividade defender e preservar o meio ambiente equilibrado, bem como o uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida”, resgatando assim, o potencial econômico, paisagístico e turístico do Rio Potengi, e todos os seus ecossistemas: fluviais, mangues, dunas e lagoas. Foto: Giovanni Sérgio

Em tuas margens lama é alma de vida... Adriano de Souza : 

Em tuas margens lama é alma de vida... Adriano de Souza Felizes são as cidade nascidas à beira de uma cais onde os seus poetas sonham e traçam roteiros de impossíveis viagens. Deífilo Gurgel Ancoradouro de viagens enfurnadas num tempo perdido nas lonjuras do passado. Newton Navarro Quando se vai por mar não se leva bagagem mapa, lembrança recordação da terra e nenhuma dor. Marize de Castro Fotos: Alexandro Gurgel