Desenvolvimento rural - Novas oportunidades para as áreas rurais

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

As áreas rurais em mudança :

As áreas rurais em mudança ESB – Geografia 11ºano – Professor: Joaquim Madruga As novas oportunidades para as áreas rurais

PowerPoint Presentation:

A VALORIZAÇÃO DAS ÁREAS RURAIS

As novas oportunidades para as áreas rurais :

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A delimitação da ruralidade no território continental As áreas rurais ocupam a maior parte do território nacional, nelas residindo cerca de 30% da população. À vasta área que ocupam corresponde uma grande riqueza e diversidade de recursos naturais, humanos e culturais. Todavia, a maioria destas áreas é afetada por dificuldades comuns, que acentuam os contrastes de desenvolvimento entre elas e os espaços urbanos. Freguesias Urbanas (629) Freguesias Periurbanas (627) Freguesias Rurais (2972)

As novas oportunidades para as áreas rurais :

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Os diversos tipos de áreas rurais Em Portugal continental existem diversos tipos de áreas rurais: Áreas rurais do litoral na área de influência das grandes aglomerações urbano-industriais. Alguns espaços ainda profundamente rurais na faixa litoral. Áreas profundamente rurais do Norte e Centro interiores. Extensa região do Alentejo.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Os diversos tipos de áreas rurais A leitura deste mapa permite-nos localizar a diversidade de espaços em Portugal continental: concelhos profundamente rurais, agroindustriais, não agrícolas e urbanos. Áreas urbanas Áreas agrícolas com indústria ou serviços Áreas não agrícolas Áreas rurais (pequena ou média exploração) Áreas rurais (grande exploração)

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A importância do desenvolvimento rural A evolução do setor agroflorestal e das indústrias a ele associadas foi bastante influenciada pela adesão à União Europeia e, consequentemente, pela Política Agrícola Comum (PAC). Apesar de se terem verificado progressos assinaláveis neste setor em termos tecnológicos e de aumento da produtividade do trabalho e do bem-estar dos agentes a ele ligados, o mundo rural português registou , igualmente, uma perda significativa de vitalidade demográfica e económica . Os problemas acentuam-se ao mesmo tempo que a atividade agrícola tem vindo a perder peso relativamente aos outros setores. Assim, as áreas rurais mais pobres têm-se tornado cada vez menos atrativas e o despovoamento dessas áreas intensificou-se. Há, pois, uma necessidade de valorizar as áreas rurais , tentando resolver os problemas do setor agroflorestal, de modo a aumentar o nível de vida da população rural e a travar o despovoamento do espaço rural. Importa, por isso, dar uma resposta adequada, na medida em que o desenvolvimento deste setor é importante para a sustentabilidade de muitos territórios , seja em termos de produção, emprego e rendimento, seja para preservar o ambiente, os recursos naturais, a paisagem e a biodiversidade. A valorização das áreas rurais deverá ser feita tendo sempre em conta o seu desenvolvimento sustentável . Desenvolvimento sustentável – capacidade de responder às necessidades das gerações atuais sem comprometer as gerações vindouras.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A (re) descoberta da multifuncionalidade do espaço rural A revitalização das áreas rurais pode ser feita através da diversificação de atividades nas explorações agrícolas e nos espaços florestais. A multifuncionalidade das áreas rurais implica, no geral, a pluriatividade ao nível das famílias agrícolas permitindo o pluri-rendimento através de atividades alternativas ou complementares. A multifuncionalidade implica, também, a possibilidade de preservar os valores, a cultura, o património e de potencializar os recursos locais. Esta é uma opção estratégica que poderá melhorar as condições de vida de muitas áreas rurais, afastando-as da situação de “desfavorecidas”. No entanto, tal só será possível com a fixação de população e o desenvolvimento de atividades economicamente sustentáveis. Muitas explorações apostam já hoje na valorização, através da produção e da comercialização de produtos tradicionais e regionais de qualidade , especialmente nos setores do vinho, azeite, frutas, produtos hortícolas, leite, queijo e outros laticínios, carne, enchidos, doces, conservas, compotas, etc. Noutros casos , tem-se verificado a aposta no desenvolvimento do turismo rural e na oferta de atividades que permitem a ocupação do território e, ao mesmo tempo, preservam e protegem o ambiente. Esta multifuncionalidade das explorações pode ser alargada às áreas envolventes com a implantação de indústrias, o desenvolvimento do artesanato e do turismo e a diversificação de serviços.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A importância das indústrias A instalação de indústrias nas áreas rurais reveste-se de grande importância porque: - aumenta a oferta de emprego permitindo a melhoria da qualidade de vida e aumento do rendimento das famílias; - permite o desenvolvimento de outras atividades complementares e de diferentes serviços (atrai outras indústrias e serviços); - contribui para a fixação da população (diminuição do êxodo rural invertendo o processo de desertificação demográfica e de envelhecimento da população; - contribui para a valorização dos recursos endógenos. Para as empresas as vantagens da sua presença nas áreas rurais prendem-se com: - a maior disponibilidade de espaço e a mais baixo preço; - a proximidade de mercados regionais com alguma importância; - as facilidades geralmente concedidas pelas autarquias na construção de infraestruturas; - a mão de obra disponível ser relativamente barata.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A importância das indústrias Todavia, a instalação de indústrias nas áreas rurais também tem as suas desvantagens, tais como: - o abandono de explorações agrícolas; - a desvalorização do património; - a construção de novas habitações e o abandono de habitações antigas; - a poluição ambiental e a desflorestação; - desequilíbrios no mercado de trabalho; - Continuação dos movimentos migratórios e dos desequilíbrios na estrutura demográfica.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

- promove o desenvolvimento de outras atividades a montante ( ex : construção civil, transportes e indústria) e a jusante ( ex : artesanato, restauração e comércio); As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga O desenvolvimento do turismo nas áreas rurais O turismo pode ser um motor de desenvolvimento local, porque: - cria postos de trabalho; - contribui para o encontro de culturas e projeta a cultura portuguesa no mundo; - promove atividades de ocupação de tempos livres (lazer) ; - incentiva o desenvolvimento do artesanato e promove a qualidade dos produtos da região; - valoriza o património paisagístico e/ou cultural das áreas onde se desenvolve, pela recuperação e conservação desse património; - dinamiza as áreas pouco povoadas e em regressão, revalorizando-as; - contribui para a fixação da população, em especial a população jovem; - evita o despovoamento das áreas rurais; - melhora os rendimentos através da acumulação de atividades; - Minimiza as assimetrias (sociais, culturais, demográficas, etc.).

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Os diversos tipos de turismo : turismo tradicional O turismo balnear O termalismo O turismo de montanha e neve

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Os diversos tipos de turismo : as novas formas de turismo O Turismo em Espaço Rural ( TER ) É um tipo de turismo relativamente recente em Portugal. Teve a sua origem no Noroeste – Ponte de lima. É um turismo de grande qualidade, que aproveita um valioso património arquitetónico legado por uma antiga aristocracia rural. O TER proporciona um acolhimento familiar em casas rurais, que podem servir não só de residência aos proprietários como, simultaneamente, de divulgação do património familiar e local (tradições e histórias da família e da região).

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural O turismo em espaço rural engloba diversas modalidades: Modalidades de alojamento Turismo de Habitação Turismo Rural Agroturismo Casas de Campo Turismo de Aldeia Atividades de Animação Turismo Ambiental Turismo Fluvial Turismo Cultural Turismo Gastronómico e Enoturismo Turismo Cinegético e Termal

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural Turismo de Habitação Casa das Obras, solar setecentista - Manteigas Casa das Torres (séc. XVIII) – Ponte de Lima É um serviço de hospedagem de natureza familiar, situado em casas antigas particulares que, pelo seu valor arquitetónico, histórico ou artístico são representativas de uma determinada época histórica, como é o caso dos solares e das casas apalaçadas.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural Turismo Rural Casa de Vilanova – Marco de Canavezes Casas da ilha do Pico - Açores É um serviço de hospedagem em casas rústicas particulares, utilizadas simultaneamente como habitação do proprietário, que dinamiza também a estadia dos visitantes, existindo em muitos casos atividades organizadas e a possibilidade de alugar o equipamento necessário. Utiliza materiais construtivos da região e mobiliário simples, integrando-se na arquitetura típica regional.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural Agroturismo Monte Horta do Cano; Santiago Maior - Beja É um serviço de hospedagem prestado em casas particulares integradas em explorações agrícolas permitindo aos hóspedes conhecer as práticas agrícolas e participar nos trabalhos do campo, de acordo com as regras estabelecidas pelos responsáveis das casas. Umas das atividades mais praticadas são a vindima, a apanha da fruta, a desfolhada, a ordenha, a alimentação de animais e o fabrico de queijo, vinho e mel.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural Turismo de Aldeia Casas de Casares - Vinhais Aldeia de São Gregório - Alentejo É um serviço de hospedagem prestado num empreendimento composto por, no mínimo, cinco casas particulares inseridas em aldeias que mantêm, no seu conjunto, as características arquitetónicas e paisagísticas tradicionais da região. Envolvendo toda a aldeia, esta modalidade é uma das que melhor poderá promover a conservação e valorização do património edificado.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga As modalidades do Turismo em Espaço Rural Casas de Campo Casa da Cisterna ; Figueira de Castelo Rodrigo Guarda Monte da Vilarinha ; Bordeira – Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina É um serviço de hospedagem prestado em casas rurais e abrigos de montanha, independentemente do proprietário lá residido. Integram-se na arquitetura e ambiente característicos da região, pela sua traça e pelos materiais de construção.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de Turismo em Espaço Rural Turismo Ambiental Parapente em Linhares da Beira – Festival Internacional de Parapente - Serra da Estrela Esta forma de turismo tem como principal objetivo associar a ocupação de tempos livres ao contacto com a Natureza, em áreas de paisagem protegida, parques e reservas naturais. Exemplos de atividades: canoagem, rafting, parapente, asa-delta, balonismo, bicicleta de montanha ou todo o terreno ( BTT ), marcha e/ou corrida de orientação, espeleologia, escalada, campismo, percursos pedestres, pesca, etc.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de Turismo em Espaço Rural Turismo Fluvial Praia fluvial de Ponte de Meitriz - Arouca Praia no rio Paiva O rio divide Meitriz do lugar do Barco, aldeia em xisto que preserva as características rurais. O Turismo Fluvial, valorizando a importância que a água assume como fonte de lazer, obtém cada vez mais adeptos, que preferem a calma dos espelhos de água do Interior ao rebuliço das praias do litoral. Este interesse tem sido acompanhado de programas de valorização das áreas ribeirinhas, para proporcionar espaços seguros à prática da atividade balnear, tal como a sua valorização ambiental e paisagística.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de Turismo em Espaço Rural Turismo Cultural Castelo de Sortelha – Concelho do Sabugal Serra da Estrela O Turismo Cultural tem também tido um grande incremento. Valoriza o património arqueológico, histórico e etnográfico local, nomeadamente através da participação das entidades locais. (Castelos, solares, templos, museus, romarias, recriação de atividades tradicionais, com roteiros próprios e organização de visitas guiadas).

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de Turismo em Espaço Rural Turismo Gustativo ou Gastronómico e o Enoturismo Estas formas de turismo valorizam as potencialidades das áreas rurais e as dinamizam, aproveitando a grande diversidade e qualidade da gastronomia e dos vinhos regionais. Têm vindo a ser constituídas as rotas dos vinhos, numa região vinícola demarcada com interesse turístico.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de Turismo em Espaço Rural Turismo Cinegético e o Termalismo O Turismo Cinegético, ligado à caça, e o Turismo Termal são das formas mais antigas de turismo em áreas rurais. Aproveitando a grande diversidade da composição química e as características terapêuticas associadas às águas subterrâneas, as estâncias termais têm sido elementos importantes na fixação do emprego e na dinamização turística das regiões onde se localizam.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga A sustentabilidade do Turismo em Espaço Rural Só será possível desenvolver um turismo de qualidade se se evitar: - o alargamento excessivo das capacidades de acolhimento; - o subaproveitamento do solo agrícola; - a especulação fundiária e imobiliária; - a falta de formação profissional; - a perda do elemento humano e das relações personalizadas; - a massificação das formas de turismo mais acessíveis; - a degradação dos recursos naturais e o desrespeito pelos valores socioculturais.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de valorização das áreas rurais Desenvolver a silvicultura As áreas florestais são uma parte essencial das áreas rurais em Portugal, podendo constituir um fator fundamental do seu desenvolvimento sustentado. As áreas de floresta desempenham várias funções: - a função económica, produzindo matérias-primas e frutos, fornecendo emprego e gerando riqueza; - a função social, fornecendo ar puro e espaços de lazer; - a função ambiental, sendo fundamental na conservação dos solos, contribuindo para conservar a água e regularizar o ciclo hidrológico, armazenando carbono, preservando a biodiversidade. Problemas : - a fragmentação da propriedade florestal; - frequente desconhecimento dos seus limites por parte dos proprietários; - difícil organização e gestão da floresta; - a baixa rendibilidade devido ao ritmo de crescimento lento das espécies; - o elevado risco da atividade associado aos incêndios florestais. Soluções : - a promoção do emparcelamento, através de incentivos e da simplificação jurídica e fiscal; - a criação de instrumentos de ordenamento e gestão florestal; - a simplificação dos processos de investimento, no âmbito da candidatura aos programas de apoio à floresta; - a promoção do associativismo, da formação profissional e da investigação florestal; - a prevenção de incêndios.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de valorização das áreas rurais As culturas energéticas Entende-se por « culturas energéticas » as culturas destinadas à produção de produtos energéticos, nomeadamente, biocombustíveis e energia elétrica e térmica produzida a partir de biomassa . Os biocombustíveis concorrem diretamente com os combustíveis fósseis (derivados do petróleo – Gasóleo e Gasolina), ou misturados com estes, e reduzem significativamente a emissão de dióxido de carbono para a atmosfera, contribuindo, assim, para a diminuição do efeito de estufa. A diminuição das emissões deste gás para a atmosfera com a utilização de biocombustíveis é um dos objetivos para a implementação de uma ajuda à produção de culturas energéticas e uma medida necessária para dar cumprimento ao Protocolo de Quioto . Por outro lado, a montante desta indústria, as culturas energéticas são consumidoras de dióxido de carbono. Dos biocombustíveis destaca-se o Biodiesel, produzido a partir de oleaginosas como o girassol, a colza ou a soja e o Bioetanol (combustível renovável que não produz cheiro nem fumo), produzido a partir de amiláceas – culturas onde é possível extrair amido, tais como, o trigo, o milho, a batata, etc. O apoio às culturas energéticas consistiu até hoje na possibilidade de produzir culturas industriais em terras retiradas da produção;  o designado Pousio não Alimentar. Cultura de Colza no Alentejo

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de valorização das áreas rurais As culturas energéticas: a biomassa A biomassa representa, segundo a Diretiva Comunitária 28/2009, a “fração biodegradável” de produtos, resíduos e detritos de origem biológica provenientes da agricultura (incluindo substâncias vegetais e animais), da exploração florestal e das indústrias afins, incluindo a da pesca e da aquicultura, bem como a fração biodegradável de resíduos industriais e urbanos. No âmbito do aproveitamento energético, a biomassa direta da floresta é aquela que, em Portugal, tem suscitado maior interesse quer pelo potencial energético que representa quer pela quantidade produzida. A biomassa florestal constitui assim um dos maiores recursos endógenos de que o país dispõe. A utilização energética da biomassa representa assim, no contexto florestal, uma forma de aumentar a eficiência dos recursos disponíveis: - promovendo o desenvolvimento do setor agroflorestal; - permitindo a viabilidade económica dos sistemas agroflorestais pelo associativismo e emparcelamento, contrariando e penalizando o seu abandono; - constituindo mais um ponto a favor do ordenamento e da gestão florestal sustentável imprimindo-lhe coerência e a integração desde a floresta até à indústria e simultaneamente garantindo a conservação dos recursos. No contexto energético, o uso da biomassa permite contribuir para a diminuição da forte dependência energética. Portugal importa 83% da energia que consome, interessa pois reduzir o desequilibro das contas externas que as importações de energia geram e contribuir para o cumprimento dos compromissos internacionais assumidos pelo governo, nomeadamente as metas do Protocolo de Quioto .

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Outras formas de valorização das áreas rurais A agricultura biológica A Agricultura Biológica é um modo de produção que visa produzir alimentos e fibras têxteis de elevada qualidade, saudáveis, ao mesmo tempo que promove práticas sustentáveis e de impacto positivo no ecossistema agrícola. Assim, através do uso adequado de métodos preventivos e culturais, tais como as rotações, os adubos verdes, a compostagem, as consociações e a instalação de sebes vivas, entre outros, fomenta a melhoria da fertilidade do solo e a biodiversidade. Em Agricultura Biológica, não se recorre à aplicação de pesticidas nem adubos químicos de síntese, nem ao uso de organismos geneticamente modificados. Desta forma, garante-se o direito à escolha do consumidor e é salvaguardada a saúde do consumidor, ao evitar resíduos químicos nos alimentos. Neste tipo de agricultura é salvaguardada a saúde dos produtores, que evitam o contacto com químicos nocivos e preserva-se o ambiente da contaminação de poluentes, cuja atual carga sobre os solos e as águas é, em grande parte, da responsabilidade de sistemas intensivos de agropecuária. A produção animal biológica pauta-se por normas de ética e respeito pelo bem-estar animal, praticando uma alimentação adequada à sua fisiologia e facultando condições ambientais que permitam aos animais expressar os seus comportamentos naturais e não recorre ao uso de hormonas nem antibióticos como promotores de crescimento. Em Portugal, a agricultura biológica aumentou 20 vezes a área em apenas década e meia. A agricultura biológica ocupou, em 2011, quase 220 mil hectares de terra em Portugal, o valor mais alto desde 2007. E o número de produtores dedicados a produzir alimentos ou pastagens neste modo de produção disparou de uns escassos 234 em 1994 para 5938 no ano de 2011, o número mais elevado dos últimos 17 anos. Atualmente, em termos globais a área já representa 5,5% da superfície agrícola utilizada, "situando-se um pouco acima da média europeia". De nicho de mercado, a agricultura biológica espalhou-se à grande distribuição e generalizou-se nos formatos especializados, supermercados e mercados de rua. Mas ainda há muito por explorar. Os portugueses procuram cada vez mais este tipo de produtos mas, para ganhar dimensão, são precisos "mais agricultores e área plantada" e ações de divulgação sobre os benefícios para a saúde destes alimentos, defende.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Estratégias de desenvolvimento rural O desenvolvimento rural tem vindo a ser alvo de crescente preocupação das políticas de desenvolvimento regional. O desenvolvimento rural tem vindo a ser alvo de crescente preocupação das políticas de desenvolvimento regional. Desde a Agenda 2000, têm vindo a ser aprofundadas medidas de apoio ao desenvolvimento rural, o qual foi consagrado como 2º pilar da PAC. Entre essas medidas financiadas pelo FEDER ( Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rura l), no âmbito do QREN ( Quadro de Referência Estratégica Nacional ) e do PRODER ( Programa de Desenvolvimento Rural ), contam-se:

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Estratégias de desenvolvimento rural - as medidas agroambientais, que incentivam os métodos de produção agrícola que visam a proteção ambiental; - as indemnizações compensatórias para as zonas desfavorecidas, que contribuem para a manutenção de uma agricultura sustentável do ponto de vista ambiental; - os apoios à silvicultura, para a sua gestão sustentável; - a iniciativa comunitária LEADER.

As novas oportunidades para as áreas rurais:

As novas oportunidades para as áreas rurais ESB – Geografia 11º ano Prof. Joaquim Madruga Estratégias de desenvolvimento rural: a iniciativa LEADER Pela sua importância no apoio comunitário ao desenvolvimento rural, salienta-se a Iniciativa LEADER ( Ligação Entre Ações de Desenvolvimento da Economia Rural) , que incentiva projetos-piloto de desenvolvimento rural integrado. A aplicação desta iniciativa, de 1991 a 1994 ( LEADER I ), e de 1994 a 1999 ( LEADER II ) teve efeitos positivos nas Zonas de Intervenção que cobrem quase todas as áreas rurais do país. No QCA (Quadro Comunitário de Apoio) III (2000 - 2006), passou a designar-se LEADER+, continuando a abranger os mesmos territórios no período de 2007-2013, mas com evolução a nível dos projetos de desenvolvimento. Esta iniciativa, pelos seus objetivos e medidas, pode envolver as comunidades locais na definição de estratégias de desenvolvimento de forma sustentável e integrada. Os objetivos específicos da iniciativa LEADER + para Portugal são: - mobilizar, reforçar e aperfeiçoar a iniciativa, a organização e as competências locais; - incentivar e melhorar a cooperação entre os territórios rurais; - promover a valorização e a qualificação das áreas rurais, transformando-se em espaços de oportunidades; - garantir novas abordagens de desenvolvimento, integradas e sustentáveis; - dinamizar e assegurar a divulgação de saberes e a transferência de experiências ao nível europeu. O LEADER+ desenvolve-se a partir dos Grupos de Ação Local - GAL , em parceria com o sector privado, que, refletindo sobre as potencialidades endógenas, se candidatam à iniciativa e se encarregam de elaborar e aplicar uma estratégia de desenvolvimento para a área rural que representam, através dos Planos de Desenvolvimento Local – PDL. A Política de Desenvolvimento Rural definida para 2007-2013 continua a valorizar a sustentabilidade das áreas rurais, promovendo a sua competitividade e a melhoria do ambiente e da qualidade de vida. A finalidade da estratégia nacional para a agricultura e o desenvolvimento rural consiste em promover a competitividade do sector agroflorestal e dos territórios rurais de forma sustentável. Para isso, foram definidos três eixos fundamentais, expressos nos Objetivos Estratégicos , complementados com dois desígnios nacionais, definidos como Objetivos Transversais . Objetivos Estratégicos : - aumentar a competitividade dos setores agrícola e florestal; - promover a sustentabilidade dos espaços rurais e dos recursos naturais. Melhorar o ambiente; - revitalizar económica e socialmente as zonas rurais. Melhorar a qualidade de vida. Objetivos Transversais : -reforçar a coesão territorial e social; - promover a eficácia da intervenção dos agentes públicos, privados e associativos na gestão setorial e territorial. Um quarto eixo, denominado « eixo LEADER », baseado na experiência adquirida com as iniciativas comunitárias LEADER, introduz a possibilidade de abordagens locais de desenvolvimento rural.

PowerPoint Presentation:

FIM

authorStream Live Help