Algumas notas sobre a salvação

Views:
 
     
 

Presentation Description

Mensagem espírita

Comments

Presentation Transcript

Apresentação do PowerPoint:

Algumas notas sobre a Salvação Pesquisa e Formatação Música: The Caress-Aeoliah Transição manual dos Slides 06.02.20 17:57:34 HELIO CRUZ

Apresentação do PowerPoint:

Dentro do contexto religioso sempre houve acentuada preocupação sobre a tão desejada salvação. Há inúmeras citações na Bíblia sobre o tema, contudo, assim acredito, bem poucos sabem como de fato salvar-se ou mesmo por que salvar-se? O tema é de vivaz interesse entre os religiosos, obviamente, afinal, quem não almeja ser salvo para sentar-se à direita do Pai? A Soteriologia é o estudo da salvação humana. As religiões oferecem suas várias interpretações para a salvação humana, cada qual baseada em preceitos específicos. A Soteriologia é justamente o estudo que se faz sobre esses tipos de salvação, avaliando suas condições. O cristianismo, por possuir diversas ramificações, possui também diversas elaborações sobre a salvação do homem, embora o caminho básico seja a vida de Jesus Cristo.

Apresentação do PowerPoint:

Mas, além disso, está em questão também como Deus seleciona os condenados e os redimidos, considerando seus pecados. A partir daí, em cada vertente do cristianismo aparece um novo acréscimo do caminho percorrido para salvação humana. No caso do Catolicismo, a Igreja Católica é o grande canal condutor da salvação. O homem deve se unir a ela em sua busca de santidade e na prática de seus sacramentos na expectativa da salvação. Já os protestantes também possuem suas ramificações religiosas, o que os divide em novas formas de encarar a salvação humana. Alguns acreditam no amor incondicional de Deus e, por isso, bastaria a fé em Jesus Cristo para salvação. Aqueles que escolhem crer e suportam essa posição até o fim alcançam a salvação almejada. Outros acreditam que Deus não permite salvação a todos.

Apresentação do PowerPoint:

Além disso, seria condição inerente aos humanos serem pecadores em função do pecado de Adão e Eva no paraíso. Neste caso, o homem não tem poder nenhum sobre o processo de salvação, seria uma decisão unicamente de Deus. Há aqueles preconizando salvação pelo sangue de Jesus, contudo, se assim fosse, todos os cristãos já estariam salvos, em razão do sangue do Justo já ter sido derramado há bom tempo. O sacrifício do Mestre foi inigualável, contudo, apenas o sangue Dele não poderá nos conduzir à salvação. Se a salvação for certa e inquestionável, após a vida atual, religiosos e mesmo os materialistas serão salvos, mesmo se não o desejarem, portanto, perde-se tempo lidando com a matéria, seria uma questão de lógica: como todos se salvarão, por qual razão se preocupar precocemente com o assunto?

Apresentação do PowerPoint:

Por outro lado, se a salvação é incerta, precisamos descobrir como a conquistaremos, considerando evidentemente nosso desejo em sermos salvos. E mais, se existe a possibilidade de não nos salvarmos, é possível imaginar alguns sendo salvos enquanto outros não, desta forma, haverá integrantes dentre as famílias separados definitivamente pela eternidade afora, proposta pouco alentadora. Além disso, se almejamos ser salvos, como faremos para alcançar a salvação o mais rápido possível? Como se nota, são muitas as interrogações. Estudando a Doutrina Espírita, compreendemos que Jesus não morreu por ninguém ou para salvar alguém do Inferno. Sua morte não significa a nossa salvação, e nem o perdão “adiantado” dos erros que cometemos. Jesus, o Espírito mais evoluído que já esteve na Terra, encarnou e viveu neste Mundo por amor a nós, ...

Apresentação do PowerPoint:

... para exemplificar o amor, o perdão, a caridade, a fé, sendo “o modelo e guia, o tipo de perfeição moral a que se pode aspirar na Terra”, definição essa contida na questão 625 de O Livro dos Espíritos. “Pelas obras é que se reconhece o cristão”, pois se apenas a fé salvasse o indivíduo, de que valeria a caridade, a reforma íntima, o trabalho no bem? Qualquer um que se arrependesse de seus erros antes de morrer seria salvo e iria para o Céu, mesmo se tivesse sido um ladrão ou assassino? E onde estaria, nesse caso, a justiça de Deus, que oferece tempo para alguns se arrependerem, enquanto que a outros arrebata do corpo físico sem a oportunidade de repensarem suas atitudes? Quando tomamos consciência do cometimento de uma falta, o arrependimento é importante, porém, ele não necessita de um rótulo religioso, ...

Apresentação do PowerPoint:

... mas sim ser complementado pela expiação e pela reparação do erro cometido. Expiação são os sofrimentos físicos e morais consequentes do erro; e a reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal, apagando assim os traços da falta e suas consequências. A Doutrina Espírita elucida que a salvação de cada um, entendida como evolução espiritual, que é destino de todos os Espíritos criados por Deus, depende exclusivamente de si mesmo, e ocorre a partir da transformação moral, pois “fora da caridade não há salvação”. Assim, somente através da reforma íntima é possível salvar-se do comodismo, da indiferença, da omissão, da descrença, transformando a fé e a confiança em Deus em obras de amor e paz. Sendo o Céu um estado íntimo, construído pela consciência tranquila, e não um lugar de ociosidade e contemplação, ...

Apresentação do PowerPoint:

... o Céu de cada um só pode ser construído por ele mesmo, através de pensamentos, palavras e atitudes que revelem seu estado íntimo de constante aprimoramento espiritual, esforçando-se por tornar-se cada vez mais solidário, mais caridoso, mais parecido com Jesus. A interpretação espírita da salvação existe, e é voltada a orientar o Espírito a bem se conduzir na vida, do ponto de vista ético e moral, garantindo assim um futuro melhor nas muitas existências vindouras. Não obtendo sucesso nesta empreitada, o Espírito colherá os frutos amargos de suas escolhas, passando por sofrimentos e apreensões intermináveis, do seu ponto de vista, sendo estas, contudo, totalmente dispensáveis, pois só surgem pelo mal proceder. Entretanto, este conceito espírita não se baseia no entendimento do inferno ou do céu como aceitam algumas tradições religiosas, ...

Apresentação do PowerPoint:

... porquanto, segundo a ótica espírita, o inferno e o céu podem realmente existir, porém, dentro de cada um de nós, em função de como vivemos, não contemplando a existência de um local no Universo onde todos os não salvos seriam enviados, sem direito a de lá sair, e, por oposição, outra localidade no Universo onde todos os salvos permaneceriam, convivendo com Deus pela eternidade afora. A salvação espírita ocorre quando o Espírito observa os preceitos morais contidos nas leis divinas, assim agindo, não haverá temor no pós-morte, tampouco haverá vergonha, inquietação, nem ranger de dentes. Por outro lado, mesmo se o Espírito não seguir na totalidade os mandamentos morais, ele não será irremediavelmente condenado, sofrerá as temporárias consequências, voltará e prosseguirá a sua jornada até alcançar a perfeição.

Apresentação do PowerPoint:

A propósito, na nossa faixa evolutiva, não há qualquer Espírito em condições de observar rigorosamente todos os preceitos morais de forma continuada, só Espíritos de elevadíssima evolução podem fazê-lo, como estamos muito distantes desta condição, todos nós ainda oscilaremos entre o cumprimento e o descumprimento dos deveres morais, uns mais, outros menos. Ainda dentro da visão espírita, como dito anteriormente, ninguém se perderá definitivamente, todos alcançarão uma relativa perfeição, contudo, este trilhar será diverso, uns chegando à meta primeiro, outros mais tarde, mesmo considerando dois Espíritos criados ao mesmo tempo, pois cada qual agirá por si mesmo, acertando e errando em momentos diversos de suas caminhadas.

Apresentação do PowerPoint:

Estes sucessos e insucessos da jornada determinarão o tempo necessário para se conquistar o galardão definitivo de Espírito puro, contudo, é certo, mais cedo ou mais tarde, todos alcançarão esta meta. Conclui-se ser esta proposta eminentemente consoladora, possibilitando a qualquer Espírito terminar a sua jornada evolutiva com aproveitamento e, ao final, “sentarem-se” todos à direita do Pai. Desta forma, a salvação espírita é uma realidade, mas enquanto não alcançamos a condição de pureza, representa uma salvação provisória. Para um determinado período na longa existência, é necessário sempre agir no bem para sempre se “salvar”, a cada nova existência, não é uma salvação definitiva, esta só ocorrerá ao final da jornada.

Apresentação do PowerPoint:

Enfatizamos uma vez mais, mesmo trilhando o caminho do mal, não há destinação perpétua de sofrimento, de fato, no próprio texto sagrado, a Bíblia, há pelo menos duas passagens opondo-se por completo à base de sustentação do conceito de inferno eterno, e foi o nosso Maior Mestre quem as formulou: 1. Eu te digo, não sairás de lá antes de pagares o último centavo. Esta passagem confirma sermos nós mesmos a quitar as nossas próprias dívidas, e também ser perfeita a justiça divina, permitindo ao devedor pagar integralmente o seu débito. Observa-se ainda nessa afirmação do Nazareno a certeza de que, ao quitarmos o último centavo, nós estaremos livres das obrigações a pagar, não nos restando mais nada a saldar, derrubando por completo a tese das penas eternas, e quanto mais rápido pagarmos, mais rápido sairemos da “prisão”, pode-se também inferir do texto;

Apresentação do PowerPoint:

2. Que vos parece? Se um homem possui cem ovelhas e uma delas se extravia, não deixa ele as noventa e nove nos montes e vai à procura da extraviada? Se consegue achá-la, em verdade vos digo, terá maior alegria com ela do que com as noventa e nove que não se extraviaram. Assim, também, não é da vontade de vosso Pai, que está nos céus, que um destes pequeninos se perca. Ora, se nenhuma ovelha se desencaminhará para a perdição eterna, pode-se entender “extraviar-se” desta forma, não há também como imaginar um local ou região de sofrimentos perpétuos, abrigando todos os faltosos que não quitaram as suas respectivas dívidas. Ressalta também deste ensino não haver falta irremissível, ou seja, não existem pecados capitais.

Apresentação do PowerPoint:

Esclarece ainda a Doutrina sobre a existência de um mecanismo sábio e justo viabilizando a caminhada para a salvação plena: a reencarnação. Segundo esta lei, viveremos em mundos materiais até não existir mais nenhum resgate, após estas muitas vidas encarnados, só reencarnaremos em missões significativas em prol do progresso da Humanidade. Esta lei dá plena sustentação na afirmação de Jesus: todas as ovelhas serão salvas, sem exceção. Por outro lado, a salvação espírita não nos conduzirá a um céu de contemplação, onde passaremos a eternidade escutando melodiosas harpas e saboreando frutas frescas ao lado do Criador; esta concepção é infantil e irreal, nos salvaremos para trabalhar mais junto a Deus, cumprindo as Suas deliberações que, nesta fase das nossas existências, serão perfeitamente entendidas, aceitas e desejadas.

Apresentação do PowerPoint:

São muitos os que estão ligados à preguiça ou à acomodação, transferindo deveres que apenas eles podem cumprir. A religião é um dos alvos mais comuns desses transferidores de responsabilidades. Por desconhecerem o verdadeiro papel da religião, transformam-na em uma instituição paternalista, com o poder de intermediar junto ao Criador um tratamento diferenciado para os seus seguidores: isenção do compromisso de lutar para evoluir. Tal ilusão, tornada realidade, feriria frontalmente as afirmativas de Jesus contidas em João 5:17. Estas verdades, sem sombra de dúvida, descartam qualquer mérito para os que aderem à lei do menor esforço, inoperantes, à espera de desmerecidos privilégios, como se as leis divinas fossem espelhadas nas leis humanas.

Apresentação do PowerPoint:

A religião tem muito a oferecer para a nossa formação espiritual, mas podemos compará-la muito bem a uma luz que se acende iluminando o caminho que devemos seguir; todavia, é necessário que nos submetamos ao esforço da caminhada. Ainda que muitos busquem na religião a fórmula mágica para a salvação, não podemos esquecer que a salvação nada mais é que a libertação da criatura com relação às forças deprimentes dos vícios que a aprisionam. De forma que, sem desconsiderar a importância da religião como coadjuvante desse processo de libertação, o êxito depende exclusivamente do firme propósito da vítima para se libertar. Ou seja, a religião influencia, porém a libertação (salvação, como é conhecida por algumas religiões), é determinada pelo esforço de quem deseja libertar-se.

Apresentação do PowerPoint:

Todo processo de libertação do Espírito realiza-se de dentro para fora, sendo, então, um processo de autolibertação. O bom senso nos conduz a este raciocínio e tomamos como referencial as inolvidáveis lições contidas nos Evangelhos. Destaquemos as lições de vida que nos foram transmitidas por Judas e Pedro. Ambos beberam da água especial que Jesus prometera à samaritana: “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna”. Judas, escravizado à sede de poder e a resultados imediatos, entregou Jesus, e, atormentado pela culpa, aniquilou-se através do suicídio. Todavia, Pedro agiu de forma diferente; incitado pelo medo, negou ser discípulo do Mestre; reconhecendo, entretanto, o equívoco cometido, entre escravizar-se à culpa e reparar o erro, ...

Apresentação do PowerPoint:

... optou pela reparação, transformando-se em um dos baluartes do Cristianismo. Por que essa diferença de resultados? Será que Jesus salvou Pedro e desprezou Judas? De Jesus jamais poderíamos imaginar um tratamento diferenciado, que nos fizesse concluir que Ele amava Pedro mais que a Judas. No entanto, Jesus já havia oferecido lições importantes, para compreendermos este aparente paradoxo, a parábola do semeador: “ E o que foi semeado entre os espinhos, este é o que ouve a palavra; mas os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e ela fica infrutífera. Mas o que foi semeado em boa terra, este é o que ouve a palavra, e a entende; e dá fruto, e produz cem, outro, sessenta, e outro, trinta”. ...

Apresentação do PowerPoint:

... Judas representou muito bem a terra invadida pelos espinheiros e Pedro a boa terra, que produziu frutos. Sem que desconheçamos a excelente semente plantada por Jesus, como Judas não se dispôs à autolibertação, Jesus não usou do seu poder para violentar-lhe o processo natural de evolução. O Mestre já fizera referência ao conhecimento da verdade, como instrumento indispensável para a libertação. Porém, o conhecimento da verdade não acontece repentinamente, ou por imposição: é um processo que se vai completando através das sucessivas reencarnações. Sob a ação do tempo e o esforço de aprender, Judas não poderia ser diferente; conheceu a verdade e através dela libertou-se. Ante o exposto, por que nos iludirmos com o canto de sereia da salvação gratuita sem esforço e, consequentemente, sem mérito?

Apresentação do PowerPoint:

Não podemos olvidar o perigo que representa a porta larga das facilidades. Fé improdutiva e salvação gratuita não constam nos ensinamentos do Mestre, que deixou claro que cada um receberia de acordo com as suas obras. Fuja da infantil ilusão da salvação pela graça. Conta o vulgo popular, que determinado indivíduo, avesso a qualquer ideia espiritualista, espera se esquivar da justiça divina com as mesmas artimanhas que tem usado para ludibriar a justiça terrena. Com este objetivo, para que Deus perdoe suas falcatruas, subornos e adultérios, imagina em se converter a uma das várias religiões tradicionais que aceitam e pregam a ideia da salvação pela graça. Imagina que, ao entrar na velhice, basta se arrepender, pedir perdão, encomendar algumas orações e pronto:

Apresentação do PowerPoint:

... se não for para o céu, pega no máximo um purgatoriozinho transitório. Afinal, Jesus teria morrido na cruz para pagar pelos pecados de todos nós, incluindo os bilhões de criaturas que viveram há dois mil anos e, de lá para cá, até os dias de hoje. Quer dizer, o justo paga pelo pecador, até por antecipação, e Deus ingenuamente aceita essa troca de papéis com toda a indiferença. Quanta simploriedade nessa crença! Até faz lembrar um outro costume vigente quando Jesus andava na Terra. Naquele tempo, Deus perdoaria os erros humanos através do sacrifício de animais pelos sacerdotes de Jerusalém. Se o pecado fosse grande, a oferenda tinha que ser um animal de grande porte, como um boi, para que Deus se desse por satisfeito. Entretanto, se o pecado fosse de porte médio, um desfalque nas finanças públicas, por exemplo, o sacrifício de um carneiro já resolveria a situação.

Apresentação do PowerPoint:

E se fosse um roubozinho menor, aí o abate de uma pomba-rola era o suficiente para aplacar a suposta ira de Deus. Todo o questionamento era então proibido e considerado heresia, os homens estavam impedidos de raciocinar e de expressar a sua desconformidade. A fé era imposta pelo medo, sem maiores explicações, ou crê ou morre. Naturalmente, com o decorrer dos séculos, todos esses absurdos, dogmas e contradições foram enfraquecendo as religiões que antigamente exerciam poderosa influência sobre a sociedade. E agora, ao perderem terreno, elas se voltam contra o Espiritismo, o consolador prometido por Jesus, que no tempo previsto vem explicar tudo o que o Evangelho apresenta sob a forma de alegorias, já que a humanidade de então, rude e ingênua, não estava apta a compreender toda verdade.

Apresentação do PowerPoint:

Aliás, foi o próprio Jesus quem assegurou: conhecereis a verdade e a verdade vos libertará (Evangelho de João, 8:32). Libertará de quê? Do erro, da ignorância e das vidas sucessivas, pois, uma vez resgatadas as nossas faltas e aprendida a lição do perdão e do amor ao próximo, não teremos mais a necessidade de reencarnar no plano material. Alguém sem religião pode se salvar mais fácil do que o beato? A Igreja dizia que fora dela não havia salvação, o que era fruto do seu atraso evolutivo da época. Esse erro e outros, como o absurdo inferno imaginado por Dante Alighiere na sua “Divina Comédia”, eram aceitos pela Igreja até princípios do século XX. Mas alguns desses ensinos errados ainda são aceitos até hoje por parte de evangélicos e católicos de pouco esclarecimento sobre a verdade, os quais estão frontalmente contra os postulados cristãos verdadeiros, ...

Apresentação do PowerPoint:

... pois discriminam e, às vezes, até ofendem quem não comunga com suas ideias religiosas “vencidas”, o que é lamentável! O inferno bíblico figurado, como o é o purgatório da Igreja, é elogiado por Kardec por ser temporal. De fato não podemos pecar “eternamente” e, consequentemente, não podemos também pagar “eternamente”, o que seria injusto. Nós seremos medidos, mas na mesma medida com que tivermos medido (Mateus 7: 2). E Jesus diz que temos que pagar tudo até o último centavo (Mateus 5: 26), mas, pago o último centavo, estaremos quites com os nossos pecados, o que joga por terra, totalmente, as tais de “penas eternas”. A justiça divina é perfeita. E, assim, ninguém paga mais do que deve. E o pagamento ou carma de sofrimento não é castigo de Deus, mas disciplina, para que entendamos que,

Apresentação do PowerPoint:

... de acordo com essa lei inexorável de causa e efeito, nós colhemos o que semeamos (Paulo em Gálatas 6: 7). Se quisermos, pois, um destino feliz, pratiquemos, então, o bem e o amor incondicional evangélico, que nos recomenda a prática desse amor até para com os nossos inimigos (Mateus 5: 44). E é só assim que, um dia, poderemos conseguir passar pela difícil “porta estreita”, símbolo de nossa salvação ou libertação que nos foi dado pelo próprio Mestre dos Mestres que veio, exatamente, para nos ensinar a verdade que nos liberta, tirando-nos, pois, da nossa atual escravidão do mal. As pessoas que ainda vivem o cristianismo medieval, que, oficialmente, vai até princípios do século XX, não foram e não são cristãos verdadeiros, embora os seus adeptos pensassem e pensem ainda o contrário.

Apresentação do PowerPoint:

E os erros do cristianismo do passado são justificados pela ignorância e o atraso evolutivo da humanidade da época. Mas hoje, não se justificam mais, pois as portas da verdade esclarecedora do evangelho estão aí escancaradas, e só não entra por elas quem não quiser! A crença numa religião exclusivista, ou seja, aquela que considera como verdadeira e salvadora somente a nossa e que as outras levam à condenação é completamente errada, pois o que nos salva mesmo é a prática do amor a Deus sobre tudo e ao nosso semelhante no mesmo grau em que nos amamos. E esse amor está presente em todas as religiões e é o que nos ensina com maestria o excelso Mestre: Conhecereis meus discípulos por se amarem uns aos outros (João 13: 34 e 35), e não, pois, por terem ou deixarem de ter uma determinada religião, o que lembra a conhecida frase de Kardec: “Fora da caridade não há salvação”.

Apresentação do PowerPoint:

Muita Paz! Visite o meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br A serviço da Doutrina Espírita; com estudos comentados, cujo objetivo é levar as pessoas a uma reflexão sobre a vida, buscando pela compreensão das leis divinas o equilíbrio necessário para uma vida feliz. Leia Kardec! Estude Kardec! Pratique Kardec! Divulgue Kardec! O amanhã é sempre um dia a ser conquistado! Pense nisso! Visite também o meu Site: compartilhando-espiritualidade.webnode.com Agora, Compartilhando Espiritualidade formou um Grupo para troca de mensagens. Compartilhando-espiritualidade@googlegroups.com

authorStream Live Help