educadores vulnerabilidade 2011

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

Slide 1:

EDUCAR PARA VIVER + SAúDE e PREVENÇão NaS ESCoLAS Grupo Gestor Municipal Uruguaiana Uruguaiana JUNHO /11

EDUCAR PARA VIVER + SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS :

EDUCAR PARA VIVER + SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS Temáticas propostas: Sexualidade Orientação sexual Gravidez na adolescência Drogas Prevenção DST/HIV/AIDS Violência Gênero

AVALIAÇÃO:

AVALIAÇÃO A avaliação será contínua,através de observação direta e auto-avaliação das atividades individuais e das realizadas em grupo. No final de cada tema abordado , a culminância do trabalho deverá ser através de relatórios,exposições dos trabalhos realizados, oficinas, mostra pedagógica entre outras atividades que deverão contar com a presença de toda comunidade escolar. Entrega de relatório nas reuniões com a equipe da coordenação GGM , com todas as ações desenvolvidas (público atingido, professor responsável,etc ) mensalmente. SEMESTRAL

CRONOGRAMA DE REUNIÕES Educadores Multiplicadores 2011:

CRONOGRAMA DE REUNIÕES Educadores Multiplicadores 2011 1- 07/04/2011 / SEMED 2- 14/04/2011 / SEMED Palestra Planejamento Familiar – Programa ATO da Schering 3- 05/05/2011 / SEMED 4- 09/06/2011 / SEMED 5- 07/07/2011 / 10ª CRE 6- 04/08/2011 / SEMED 7- 15/09/2011 / 10ª CRE 8- 13/10/2011 / SEMED ou 20/10 / 10ª CRE 9- 10/11/2011 / SEMED 10- 08/12/2011 / 10ª CRE - ENCERRAMENTO

Slide 5:

AÇÕES PONTUAIS ANO 2011: 17/maio:Dia de luta contra a Homofobia 18/maio:Dia de enfrentamento à violência e o abuso sexual 12/ junho:Dia dos Namorados – “Te Liga Gravidez tem hora ” 01/dezembro:Dia Mundial de Luta Contra a AIDS

MODELO FICHA DE AVALIAÇÃO 2011:

MODELO FICHA DE AVALIAÇÃO 2011 PROJETO SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS MARÇO A JULHO / 2011 URUGUAIANA/RS FICHA DE AVALIAÇÃO SEMESTRAL ESCOLA: PROFESSOR MULTIPLICADOR : 1- ABRIL /2011 REUNIÃO MULTIPLICADORES SPE; ( ) SIM ( ) NÃO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E NÚMERO DE PESSOAS ENVOLVIDAS: 1- 2- 3- 2- MAIO/2011 REUNIÃO MULTIPLICADORES SPE: ( ) SIM ( ) NÃO SEMINÁRIO ABUSO DO CREAS : ( ) SIM ( ) NÃO CAMINHADA DO CREAS : ( ) SIM ( ) NÃO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E NÚMERO DE PESSOAS ENVOLVIDAS: 1- 2- 3- 3- JUNHO/2011 REUNIÃO MULTIPLICADORES SPE: ( ) SIM ( ) NÃO DIA DO TE LIGA GRAVIDEZ TEM HORA: ( ) SIM ( ) NÃO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E NÚMERO DE PESSOAS ENVOLVIDAS: 1- 2- 3- 4- JULHO/2011 REUNIÃO MULTIPLICADORES SPE; ( ) SIM ( ) NÃO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E NÚMERO DE PESSOAS ENVOLVIDAS: 1- 2- 3- _ _______________________ MULTIPLICADOR SPE

VULNERABILIDADE Árvore do Prazer:

VULNERABILIDADE Árvore do Prazer

Menezes (2007) cita que o contexto do mundo atual impõe um grande desafio aos educadores: a formação de sujeitos com habilidades para transformar informação em conhecimento e conhecimento em ações geradoras de alguma forma de bem-estar para si mesmo ou para a sociedade num futuro que se mostra incerto. “Educar é substantivamente formar”.:

Menezes (2007) cita que o contexto do mundo atual impõe um grande desafio aos educadores: a formação de sujeitos com habilidades para transformar informação em conhecimento e conhecimento em ações geradoras de alguma forma de bem-estar para si mesmo ou para a sociedade num futuro que se mostra incerto. “Educar é substantivamente formar”.

Slide 9:

VULNERABILIDADE É a interação de fatores individuais e coletivos que faz com que diferentes pessoas e grupos estejam mais suscetíveis a infecções e adoecimentos do que outras, uma vez que dispõem de menores possibilidades de se proteger ou se prevenir. Significa dizer, então, que todas as pessoas estão suscetíveis a adquirir doenças ou a sofrer danos no dia a dia de suas vidas, mas algumas têm maiores condições de evitá-las porque dispõem de mais recursos (informações, emprego, renda, escolaridade) do que outras.

Vulnerabilidade :

Vulnerabilidade Estou vulner á vel quando acho que nada vai acontecer comigo. O conceito de vulnerabilidade foi desenvolvido por uma equipe de cientistas norte-americanos coordenada por Johnattan Mann, com o prop ó sito de articular os variados aspectos que estão em jogo quando se trata da dissemina ç ão do HIV.

Ampliando horizontes: do risco à vulnerabilidade:

Ampliando horizontes: do risco à vulnerabilidade Origens: anos 90 - Coalizão Global de Políticas contra a aids / UNAIDS Definição: conjunto de aspectos individuais e coletivos, relacionado a maior exposição de indivíduos e populações à infecção e ao adoecimento pelo HIV e, de modo inseparável, a maior ou menor disponibilidade de recursos de todas as ordens para se protegerem de ambos.

Análises de vulnerabilidade:

An á lises de vulnerabilidade

Slide 13:

Não ter conhecimento sobre as formas de transmissão e prevenção das DST e não usar camisinha VULNERABILIDADE INDIVIDUAL Ter dificuldade de acessar a escola ou os serviços de saúde Ser discriminado em função da orientação sexual Não conseguir negociar o Preservativo com o parceiro (idade, situação socioeconômica, gêner o) Não receber informação na escola Ser impedido de realizar o teste no serviço de saúde Inexistência de campanhas de conscientização VULNERABILIDADE SOCIAL VULNERABILIDADE PROGRAMÁTICA

Componentes de vulnerabilidade:

Componentes de vulnerabilidade Individual: informação, valores, crenças, afetos, pulsões, etc. Social: condições de vida e trabalho, cultura, situação econômica, ambiente, relações de gênero, relações de classe, relações geracionais, etc. Programático: acesso a serviços, existência e sustentação de programas, qualidade da atenção, etc.

Slide 15:

Atuar na perspectiva das vulnerabilidade significa levar em consideração o contexto de vida das pessoas e suas singularidades: Sexo e relações de gênero Geração Orientação Sexual Condição socioeconômica Escolaridade Estilos de vida

Adolescência e vulnerabilidade:

Adolescência e vulnerabilidade Há informação, mas pouca comunicação efetiva sobre o assunto Há importantes barreiras ao livre acesso a meios de proteção , de ordem material e cultural Há, especialmente entre as camadas mais pobres, marcante carência de alternativas , isto é, a distância entre satisfazer necessidades fundamentais e correr riscos tem se estreitado.

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens?:

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens? Resposta social – sujeitos e intersubjetividades favoráveis: indivíduos capazes de buscar as informações de que precisam para se proteger, de identificar as barreiras sociais para acessar e colocar em prática essas informações e de superar coletivamente essas barreiras

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens? :

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens? Sermos interlocutores, não doutrinadores Agir intersetorialmente Trabalhar em perspectivas de curto, médio e longo prazo

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens? Estratégias:

Como reduzir a vulnerabilidade dos jovens? Estrat é gias Ir onde o jovem está Associar a prevenção à vida e ao prazer, não à morte e à dor Vincular sempre informação a reflexão Possibilitar a educação entre pares Buscar dar o máximo suporte material e institucional às suas demandas concretas para se defender do HIV e da aids.

Gravidez na Adolescência / 2005 – 2010 20,44 % - 2009 Menor índice desde 1993 – 413 mães adol. (2030 ) 22,18 % - 2010 Aumento do índice - 433 mães adol. (1952) :

Gravidez na Adolescência / 2005 – 2010 20,44 % - 2009 Menor índice desde 1993 – 413 mães adol . (2030 ) 22,18 % - 2010 Aumento do índice - 433 mães adol . (1952) Fonte SINASC Sistema Nacional de Informação Nascidos Vivos

A cada 14 segundos, um jovem entre 15 e 24 anos é infectado pelo HIV e, de todas as novas infecções, cerca da metade ocorre nessa faixa etária.:

A cada 14 segundos, um jovem entre 15 e 24 anos é infectado pelo HIV e, de todas as novas infecções, cerca da metade ocorre nessa faixa etária.

Slide 25:

Popularizar, entre adolescentes e jovens brasileiros , o conhecimento e a utilização de critérios para avaliar sua vulnerabilidade à infecção pelo HIV. Buscar o fortalecimento de uma cultura de valorização da vida e proteção à saúde. Foto © UNICEF/Brasil/Claudio Versiani

Jovens se testam pouco, principalmente os do sexo masculino:

Jovens se testam pouco, principalmente os do sexo masculino

Slide 27:

“A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.” Albert Einstein Foto © UNICEF/Brasil/Claudio Versiani

authorStream Live Help