O império português e a concorrência internacional

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

By: floradouteiro (114 month(s) ago)

Por acaso, poderia possibilitar-me o respectivo download. O meu e-mail é floradouteiro@gmail.com Atenciosamente Flora douteiro

By: floradouteiro (114 month(s) ago)

Excelente, o seu ppt. Flora Douteiro

Presentation Transcript

Slide 1: 

O Império Português e a Concorrência Internacional

Slide 2: 

A crise do Império Português do Oriente e o apogeu do Império Espanhol Áreas dominadas pelos portugueses no final do século XVI Domínios territoriais da Espanha na Europa e na América Central e sul c. 1620.

Slide 3: 

começou a ser posta em causa por Holandeses, Franceses e Ingleses Em meados do século XVI… Estes defendiam o mare liberum e, por isso, apoiavam os ataques de piratas e corsários às embarcações e aos territórios portugueses. Portugal e o seu império entraram em crise. Esta situação deveu-se principalmente aos seguintes factores:  a política do mare clausum definida pelo Tratado de Tordesilhas

Slide 4: 

Movimento dos navios da “Carreira da Índia” Os naufrágios e os ataques piratas no Índico e no Atlântico contribuíram decisivamente para a crise do comércio da Rota do Cabo.

Slide 5: 

 o monopólio português do comércio das especiarias orientais também se foi perdendo… …por causa da recuperação das rotasdo Levante (mar Vermelho, Constantinopla e Mediterrâneo oriental) pelos Muçulmanos;  a população do reino de Portugal era escassa para povoar as tão vastas, dispersas e longínquas regiões do Império Português;  os fracos recursos financeiros de que os nossos reis dispunham e a corrupção dos altos funcionários encarregados do comércio tornaram a administração do império muito difícil.

Slide 6: 

CRISE DO IMPÉRIO PORTUGUÊS DO ORIENTE Dificuldades de manutenção Dificuldades na rota do Cabo Elevadas despesas com as armadas e protecção dos territórios coloniais. Administração deficiente e corrupta. Concorrência das rotas do Levante, controladas pelos Muçulmanos. Ataques da pirataria às armadas provenientes da Índia. Tentativas de solução (Coroa) Obtenção de grandes empréstimos no estrangeiro, pagos a juros muito elevados. Abertura do comércio com o Oriente a particulares.

Slide 7: 

…Portugal abandonou algumas terras conquistadas (praças militares e feitorias), sobretudo no reinado de D. João III. Na sequência destas dificuldades… ...descobriram e conquistaram gradualmente a América Central e do Sul (com excepção do Brasil). Entretanto os Espanhóis… …que haviam iniciado a expansão ultramarina com as viagens de Cristóvão Colombo (finais do século XV)… Fernão de Magalhães Sebastião D’Elcano …fizeram a primeira viagem de circum-navegação (1519-1522)…

Slide 8: 

…os Espanhóis conseguiram também a posse das ilhas Filipinas, no oceano Pacífico, estabelecendo, assim, a rota de Manila. Com isso… …o Império Espanhol passou a dispor: Através destas realizações… dos metais preciosos da América e das especiarias do Oriente ouro prata

Slide 9: 

Na segunda metade do século XVI… o Império Espanhol atingiu o seu apogeu e a Espanha tornou-se a maior potência colonial e comercial da Europa.

Slide 10: 

A crise dinástica e a União Ibérica

Slide 11: 

…o jovem rei D. Sebastião, motivado por um espírito de cruzada, resolveu organizar uma expedição militar ao Norte de África. Apesar da crise económica que se vivia em Portugal… Esperava, assim: Conquistar novas terras aos Mouros; aumentar o Império; continuar a difusão da Fé cristã.

Slide 12: 

..o jovem rei desembarcou com o seu exército em Marrocos mas sofreu uma grande derrota na Batalha de Alcácer Quibir, tendo desaparecido em combate. Em 1578…

Slide 13: 

A BATALHA DE ALCÁCER QUIBIR – PARTE 1, POR MANOEL DE OLIVEIRA

Slide 14: 

A BATALHA DE ALCÁCER QUIBIR – PARTE 2, POR MANOEL DE OLIVEIRA

Slide 15: 

Como D. Sebastião era solteiro e não tinha descendentes directos… …sucedeu-lhe no trono o seu tio-avô cardeal D. Henrique.

Slide 16: 

…pelo que a sua morte, em 1580, gerou uma crise dinástica que teve importantes consequências políticas. Porém… …este também não tinha descendentes, nem designou sucessor…

Slide 17: 

Surgiram, então, três candidatos ao trono de Portugal: D. Catarina, duquesa de Bragança, D. António, Prior do Crato  e Filipe II, rei de Espanha …apresentando-se como legítimos sucessores de D. Sebastião, por serem netos de rei D. Manuel I.

Slide 18: 

 Apoiado pelas classes populares, ainda foi aclamado rei pelo povo, em algumas cidades. Prior do Crato …o candidato mais poderoso… No entanto… Filipe II  Apoiado:  e pela burguesia portuguesas.  pela nobreza

Slide 19: 

Estas esperavam que este apoio lhes fosse favorável:  no acesso a novos cargos, tanto em Portugal como na Espanha;  bem como nos negócios com as colónias espanholas...

Slide 20: 

Sentindo-se apoiado desta forma, Filipe II invadiu Portugal com um poderoso exército… Desembarque das tropas de Filipe II na ilha Terceira

Slide 21: 

…derrotou as frágeis tropas do Prior do Crato e… …em 1581… …nas Cortes de Tomar, …fez-se aclamar rei de Portugal, com o título de Filipe I de Portugal.

Slide 22: 

Consumava-se, assim, a União Dinástica ou União Ibérica. Entre 1581 e 1640 Portugal viveu, pois, sob domínio filipino. Portugal e Espanha passaram a ser governados por um mesmo rei. “Monarquia Dualista". 1581 - 1598 1598 - 1621 1621 - 1640

Slide 23: 

PORTUGAL E AS PROMESSAS DE FILIPE II Sua Majestade fará juramento de manter todos os direitos, usos, costumes, privilégios e liberdades concedidos a estes reinos pelos reis dele. Que, quando se fizerem Cortes tocantes a estes reinos, seja dentro de Portugal. Que havendo de se pôr neste reino vice-rei ou outra pessoa que o haja de governar seja português. Que todos os cargos superiores e inferiores, assim da justiça como da fazenda e do governo dos lugares sejam para portugueses e não para estrangeiros. Que as guarnições de soldados que tiverem de lá estar nas fortalezas sejam portugueses. Que os negócios da Índia e da Guiné e de outras partes pertencentes ao reino de Portugal não se tirem dele nem haja qualquer mudança. Que o ouro e a prata que se cunharem em moeda neste reino se cunhem apenas com as armas de Portugal. Lopes Praça, Colecção de Leis

Slide 24: 

Nas Cortes de Tomar, Filipe I de Portugal fez vários juramentos solenes aos Portugueses. Prometeu a autonomia de Portugal, reconhecendo o país como Estado soberano, com direitos próprios. Assim, Portugal: mantinha a língua portuguesa como língua oficial; continuava a poder cunhar e usar moeda própria; mantinha nos altos cargos da justiça, da Igreja, da administração pública e do Império Ultramarino funcionários portugueses.

Slide 25: 

Durante o reinado de Filipe I… …as promessas feitas nas Cortes de Tomar foram mais ou menos cumpridas… …e em Portugal até se verificou alguma prosperidade económica.

Slide 26: 

…o Império Espanhol (que englobava o Império Português)… Nos cerca de 60 anos que durou a União Ibérica… …conheceu o seu apogeu, não só em extensão, mas também através do domínio do ouro e da prata, do açúcar e das especiarias orientais.

authorStream Live Help