HANSENIASE

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

By: leonan6168 (35 month(s) ago)

muito 10!

Presentation Transcript

Slide 1: 

HANSENIASE

Slide 2: 

ASPECTOS CLÍNICOS Sinais e Sintomas: se manifesta principalmente através de sintomas dermato-neurológicos: lesões na pele e nos nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés. Agente Etiológico:causada pelo Mycobacterium leprae Modo de Transmissão:contágio dá-se entre uma pessoa doente e o contato. A principal via de eliminação do bacilo e a mais provável porta de entrada no organismo são as vias aéreas superiores- o trato respiratório. Período de incubação: Em média, dois a sete anos. O bacilo de Hansen leva de 12 a 14 dias para se multiplicar. HANSENIASE

Slide 3: 

Diagnóstico Clínico: Constitui-se das seguintes atividades: • Anamnese - obtenção da história clínica e epidemiológica; Avaliação dermatológica- identificação de lesões com alteração de sensibilidade; Avaliação neurológica- identificação de neurites, incapacidades e deformidades; Diagnóstico dos estados reacionais; Diagnóstico diferencial; Classificação do grau de incapacidade física. HANSENIASE

Slide 4: 

ASPECTOS CLÍNICOS Definição de um caso de Hanseníase: Um caso de hanseníase é uma pessoa que apresenta uma ou mais de uma das seguintes características e que requer quimioterapia: • Lesão (ões) de pele com alteração da sensibilidade; Acometimento de nervo (s) com espessamento neural; Baciloscopia positiva. HANSENIASE

Slide 5: 

Aspectos Clínicos HANSENIASE Indeterminada Tuberculóide Virchowiana Dimorfa

Slide 6: 

HANSENÍASE SINAIS E SINTOMAS DERMATOLOGICOS

Slide 7: 

HANSENÍASE SINAIS E SINTOMAS NEUROLÓGICOS Dor e espessamento dos nervos periféricos; Perda de sensibilidade nas áreas inervadas por esses nervos, principalmente nos olhos, mãos e pés; Perda de força nos músculos inervados por esses nervos principalmente nas pálpebras e nos membros superiores e inferiores.

Slide 8: 

HANSENIASE BRASIL, 2005 BRASIL E O.M.S.

Slide 9: 

HANSENIASE

Slide 10: 

HANSENIASE VACINAÇÃO DA BCG A aplicação da 1ª dose da vacina BCG está condicionada à realização do exame dermatoneurológico; se já existir a cicatriz por BCG-ID, essa deve ser considerada como primeira dose, independente da época em que foi aplicada. A aplicação da vacina BCG depende da historia vacinal, com as seguintes recomendações:* Sem cicatriz – prescrever uma dose.* Com uma cicatriz de BCG – prescrever uma dose.* Com duas cicatrizes de BCG – Não prescrever dose. A aplicação de duas doses da vacina BCG-ID a todos os contatos intradomiciliares dos casos de hanseníase, independentemente de serem PB ou MB.

Slide 11: 

HANSENÍASE Notificação de casos Portaria SVS/MS Nº. 5 de 21 de fevereiro de 2006, Notificação obrigatória de todo caso confirmado de hanseníase, Realizar investigação epidemiológica, Encerrar os casos no SINAN(Sistema de Informação de Agravos de Notificação) de acordo com a forma clínica, Aspectos epidemiológicos

Slide 12: 

HANSENIASE ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS A prevalência da hanseníase no Brasil é de 3,88 doentes para cada dez mil habitantes; A OMS estabelece que a redução do Coeficiente de Prevalência para menos de 1/10.000 hab. Representaria a eliminação da hanseníase como problema de saúde publica. A hanseníase tem alta prevalência nos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia e Roraima. Santa Catarina e Rio Grande do Sul já eliminaram a hanseníase; São Paulo, Rio Grande do Norte e Distrito Federal estão próximos de atingir a eliminação. (Brasil, 2004),

Slide 13: 

OBRIGADO!!