alcançar o ensino primário universal

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

Alcançar o ensino primário universal:

Alcançar o ensino primário universal Comunicação Gráfica e Audiovisual Trabalho elaborado por: Andreia Dias Nº4 2TC2

Alcançar o ensino primário universal:

Alcançar o ensino primário universal Ainda que em muitas partes do mundo tenha aumentado a taxa de escolarização das crianças, há que redobrar esforços se realmente quisermos alcançar o objectivo de uma escolarização universal plena. A falta de formação básica, quer nas comunidades, quer nos países, impede a qualificação profissional dos cidadãos, minando a estrutura económica e social e impossibilitando o fim da pobreza. Um sistema democrático também não se pode consolidar com uma percentagem tão elevada de população analfabeta e que , consequentemente, não pode exercer plenamente os seus direitos. O baixo índice de matrículas e, sobretudo, o abandono escolar precoce, estão fortemente relacionados com a pobreza. A sua erradicação depende, em boa medida , de uma educação básica para todos e do aumento do esforço de escolarização das raparigas, as quais apresentam maiores índices de exclusão e de abandono dos estudos .

No Mundo:

No Mundo Nos países em desenvolvimento, nunca houve tantas crianças a frequentar o ensino primário como agora: as taxas de escolarização básica aumentaram 88%. Deste modo, 570 milhões de crianças encontram-se escolarizadas em todo o mundo. A taxa de matrículas aumentou de 83% para 87% entre 1999 e 2005, enquanto que o número de crianças fora da escola desceu de 96 para 72 milhões. Em quase todas as regiões, a taxa de matrículas no ano 2006 excedeu os 90% - e muitos países estiveram perto de alcançar o acesso à educação básica universal.

Slide 4:

Na África Subsariana, contudo, a taxa de matrículas só recentemente atingiu os 71%. Nesta região, cerca de 38 milhões de crianças em idade de frequentar o ensino primário encontram-se, ainda, fora da escola. No Sul da Ásia, a taxa de matrículas subiu para os 90%. Porém, mais de 18 milhões de crianças com idade para frequentar o ensino primário ainda não se encontram matriculadas. Segundo as novas projecções, se não houver uma aceleração dos progressos, 58 dos 86 países que ainda não têm ensino primário universal não o alcançarão até 2015. Atingir o ensino primário universal significa mais do que o número de matrículas escolares. Engloba, também, educação de qualidade, o que significa que todas as crianças que frequentam a escola devem adquirir as aptidões básicas de alfabetização e de aritmética e completar o ensino primário dentro do tempo previsto. Na África Subsariana, por exemplo, existem mais crianças em idade de frequentar o ensino secundário matriculadas no ensino primário que no ensino secundário.

O que foi feito::

O que foi feito: Em África, com a ajuda mundial e novas medidas educativas, mais 42 milhões de crianças tiveram acesso à educação básica entre 1999 e 2007. O número total de crianças fora da escola baixou de 106 milhões em 1999 para 69 milhões em 2008. Metade destas crianças (31 milhões) encontram-se na África Subsariana e 18 milhões no Sul da Ásia. A abolição de propinas no Burundi permitiu que 99% das crianças frequentassem o ensino primário. A mesma medida foi aplicada na Tanzânia, Guatemala, Nicarágua e Zâmbia levando a um aumento exponencial de entradas de crianças na escola. A entrada das crianças nas escolas é fundamental, mas é necessário que continuem a frequentar as aulas para que a educação tenha efeitos positivos nas regiões desfavorecidas. Na África Subsariana há um abandono escolar de 30 % o que gera anualmente milhões de jovens iletrados e com poucas aptidões profissionais .

Mas é URGENTE::

Mas é URGENTE: Dedicar recursos e esforços para que a educação primária universal seja gratuita para todas as crianças do mundo. Acabar com o trabalho infantil forçado e assegurar que todas as crianças tenham acesso a uma educação acessível e adequada. Lançar uma Campanha Mundial pela Educação e fortalecer o movimento dos Professores Sem Fronteiras. Criar bolsas para que os países mais pobres possam contratar mais professore e criar condições mais dignas para professores e alunos.

Slide 7:

Os países desenvolvidos devem assegurar que os países em desenvolvimento dispõem dos recursos necessários à implementação de reformas no sector da educação. Para ajudar os países de baixo rendimento a alcançar este ODM, o Banco Mundial e os principais doadores para o sector educativo lançaram, em 2002, “Educação para Todos – Iniciativa Acelerada”(FTI).

Hiperligações:

Hiperligações http://www.youtube.com/watch?v=BPVaMOvasuk http://www.youtube.com/watch?v=TkMoDINN3_Q&feature=related

authorStream Live Help