slides - leitores nas celebrações litúrgicas

Views:
 
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

ARQUIDIOCESE DE NATALPARÓQUIA DE SANTA CLARA : 

PALESTRANTE: WASHINGTON LUIS COORDENADOR DA PASTORAL LITÚRGICA ARQUIDIOCESE DE NATALPARÓQUIA DE SANTA CLARA LEITORES NAS CELEBRAÇÕES LITÚRGICAS 1

ASSUNTOS ABORDADOS : 

ASSUNTOS ABORDADOS Leitorado: um ministério O comentarista As leituras A hora dos “avisos” O corpo no espaço litúrgico O uso do microfone Técnicas de leituras 2

INTRODUÇÃO : 

INTRODUÇÃO Foi a partir de 1997, que a Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Natal foi incorporando e assumindo funções das mais diversas, todas porém, ligadas ao ato de comunicar de todos os que assumem funções na Igreja. O curso para Leitores da missa foi uma dessas atividades que surgiram a partir das solicitações e necessidades dos agentes pastorais. Ciente de sua missão no sentido de melhorar a comunicação no interior da Igreja, proporcionando aos agentes oportunidades de comunhão e capacitação, a PASCOM assumiu o compromisso de ministrar esses cursos. 3

LEITORADO: UM MINISTÉRIO : 

LEITORADO: UM MINISTÉRIO De acordo com o Pe. Serginho Valle, sjc, no livro: Autores da Celebração Litúrgica o leitor é “um ministro” e, assim sendo ele tem um ministério. É um ministério antigo na Igreja, chamado de Leitorado que era dado aos candidatos ao sacerdócio. Depois do Concílio Vaticano II, esse ministério continuou sendo obrigatório aos candidatos ao sacerdócio, mas com uma alteração; pode e deve ser dado a todos aqueles que fazem leituras nas celebrações litúrgicas. No Brasil, em 1972, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB oficializou o Ministério para Leitores. Em 1999, na 37ª Assembléia Geral dos Bispos, foi aprovado o Documento Missão e Ministério dos Cristãos leigos. 4

O COMENTÁRIO : 

O COMENTÁRIO O comentário nas missas, deve ser algo curto. Nada de comentário/sermão. Há inclusive, quem defenda que não há necessidade de um comentarista nas celebrações litúrgicas. Aristides Luís Madureira, no livro Formação para Leitores e Comentaristas, diz: “a celebração pode ser feita sem a presença de um comentarista, por não se tratar de uma obrigatoriedade litúrgica, contudo, com a necessidade em melhor acolher, animar, dinamizar a liturgia, essa função foi, aos poucos, sendo introduzida e, hoje, podemos dizer: é “imprescindível”. 5

FUNÇÕES DO COMENTARISTA : 

FUNÇÕES DO COMENTARISTA Animar a celebração litúrgica Preparar a assembléia para os ritos da missa Preparar as liturgias das celebrações 6

NÃO COMPETE AO COMENTARISTA : 

NÃO COMPETE AO COMENTARISTA Segundo o Pe. Serginho, não compete ao comentarista: Fazer saudações litúrgicas ou devocionais no início da missa Fazer longos comentários que mais parecem discursos ou sermões Comentar tudo como se fosse um locutor de rádio Fazer as leituras ou o salmo responsorial 7

CARACTERÍSTICAS DE UM BOM COMENTARISTA : 

CARACTERÍSTICAS DE UM BOM COMENTARISTA Ser discreto Ser objetivo Ser sereno Ser acolhedor 8

AS LEITURAS : 

AS LEITURAS As leituras, nas missas, devem ser muito bem proclamadas. Para bem proclamar a leitura, o ministro da palavra precisa ter alguns cuidados, mas trataremos disso mais adiante. 9

LUGAR DO LEITOR : 

LUGAR DO LEITOR Por enquanto, vamos tratar apenas do lugar do leitor, na assembléia. Para evitar “demoras” ou “ruídos” na liturgia, ou seja, o leitor que está sentado no final da Igreja ou para que não fique “desfilando” em frente ao presbitério, é interessante que ele fique próximo ao ambão(mesa da palavra ou “móvel” onde deve ficar o lecionário) e no presbitério. 10

A HORA DOS AVISOS : 

A HORA DOS AVISOS O final da missa é um momento complicado para informações. Quando o padre diz: “por favor, sentem um pouco para ouvir os avisos paroquiais”, logo se ouve o cochicho rolando. São as pessoas reclamando, por terem que esperar cinco ou dez minutos, até que acabem os intermináveis e confusos avisos. Se forem dados apenas três avisos, muito bem elaborados, o fiel conseguirá memorizar, pelo menos, um. Ao sair da igreja, provavelmente, já não se lembrará dos outros dois avisos. 11

LEITURAS DOS AVISOS : 

LEITURAS DOS AVISOS Não basta somente dar uma redação simples, objetiva e clara aos avisos. É fundamental, também, apresentá-los bem. Isto significa saber “entrar bem”, “ser simpático”, “ter boa dicção” e “ter ritmo de leitura adequada aos aviso”. 12

O CORPO NO ESPAÇO LITÚRGICO : 

O CORPO NO ESPAÇO LITÚRGICO O nosso SER é o melhor instrumento de comunicação do mundo. Nenhum equipamento, por mais sofisticado que seja, seria capaz de substituir o nosso ser no processo comunicacional. Os meios são frios, desprovidos de sentimentos e inumanos. As pessoas pensam, interagem com as mais diversas situações, sentem e transmitem sentimentos, têm senso crítico, amam, expressam-se e são imagens e semelhança de Deus porque são dotados de espírito. 13

O CORPO : 

O CORPO O corpo é a manifestação concreta do SER, a exteriorização do que somos e o cartão de visita; é a morada do espírito, da essência humana e o sacrário da mente(inteligências, memória, capacidade de criar). O corpo deve estar sempre bem cuidado, asseado, são e em forma. A saúde do corpo é importante para a saúde do espírito, assim como a saúde do espírito é importante para a saúde do corpo. 14

COMUNICAÇÃO DO CORPO : 

COMUNICAÇÃO DO CORPO Para que o corpo comunique bem, precisa: Estar livre das tensões Ser bem colocado em eixo Inteligir(conscientizar) o mais possível todos os gestos Valorizar a comunicação facial Utilizar as mãos Os olhos Cuidar da aparência 15

FUNÇÃO EVANGELIZADORA DO LEITOR : 

FUNÇÃO EVANGELIZADORA DO LEITOR Toda atividade de evangelização é, atividade de comunicação. Isto quer dizer que tudo o que fazemos na Igreja exige comunicabilidade. A Celebração Eucarística é o ponto mais alto da comunicação, pois é o momento da Comunhão, do encontro com Jesus Eucarístico e com os irmãos e irmãs. Só existe comunhão, quando há profunda comunhão dos fiéis, entre si, e destes com Deus. Somos uma comunidade comunicativa, como um corpo feito de partes que se comunicam e formam um todo harmonioso e integrado: o Corpo Místico de Cristo.’ 16

FUNÇÃO EVANGELIZADORA DO LEITOR : 

FUNÇÃO EVANGELIZADORA DO LEITOR O Rito da Palavra, ou seja, o momento das leituras bíblicas, na missa, é um momento especial. Toda a assembléia está reunida para escutar e se alimentar da Palavra de Deus. Por isso, precisa ouvi-la, entendê-la, acolhê-la em seu coração, para praticá-la quando voltar ao cotidiano. A Celebração Eucarística tem um sentido coletivo, pois a Igreja de Jesus Cristo é profundamente comunitária: é a Igreja da fração do pão, do “comer juntos”, como Jesus fez tantas vezes com os seus discípulos, instituindo a Eucaristia, na última ceia. A escuta da leitura também é um ato coletivo, na missa. 17

PERFIL DE UM LEITOR (A) : 

PERFIL DE UM LEITOR (A) Que saiba ler corretamente Que tenha postura diante da assembléia Que estabeleça relação com a assembléia Que creia e esteja cheia(o) da Palavra 18

ETAPAS DA LEITURA : 

ETAPAS DA LEITURA Preparar-se Entrar bem Proclamar com desembaraço 19

ESPIRITUALIDADE E MÍSTICA DO(A) LEITOR(A) : 

ESPIRITUALIDADE E MÍSTICA DO(A) LEITOR(A) Leio por missão - Proclamo Leio para os outros – Evangelizo Conheço a leitura – Interpreto Sou audiovisual – Comunico Creio na palavra - Testemunho 20

O USO DO MICROFONE : 

O USO DO MICROFONE O microfone é um instrumento de comunicação fundamental em nossos dias. Ele amplia a voz permitindo que falemos para um grande grupo como se estivéssemos falando para um pequeno público à nossa frente. Porém, é preciso ter cuidado, não só com o microfone, mas com todo o conjunto, isto é, a mesa e as caixas de som. Estes, se não estiverem montados e funcionando corretamente, podem se transformar em “ruídos”, numa celebração litúrgica, por exemplo, tirando a atenção da assembléia. 21

USO DO MICROFONE : 

USO DO MICROFONE Vamos, então, nos ater ao “microfone”. Para começo de conversa, vamos conhecer os tipos de microfones 22

TIPOS DE MICROFONES : 

TIPOS DE MICROFONES De lapela(multidirecional) De pedestal De mesa 23

CUIDADOS ANTES DE USAR O MICROFONE : 

CUIDADOS ANTES DE USAR O MICROFONE A Posição A Distância Prova de nível Evitar arrastar o microfone Evitar tossir Evitar respirar 24

COMO FALAR AO MICROFONE : 

COMO FALAR AO MICROFONE Falar em tom coloquial Ser íntimo A voz deve ter presença Respirar corretamente Colocar bem a voz Evitar ruídos Colocação dos papéis de maneira correta Articular bem e claramente as palavras Não cair no final das palavras ou frases Ritmo 25

TÉCNICAS DE LEITURA : 

TÉCNICAS DE LEITURA Lê bem não significa apenas ter uma voz bonita, de “locutor de FM”. Todo proclamador da Palavra de Deus deve ter a consciência de que precisa ler bem. Antes de tudo, é importante destacar ter noção de como acontece a produção da voz. Para que consigamos produzir o som através da nossa voz, recorremos a vários órgãos do nosso corpo, que trabalham conjuntamente para viabilizar este processo. Veremos estes órgãos mais adiante. 26

TÉCNICAS DE LEITURA : 

TÉCNICAS DE LEITURA A produção do som acontece quando o ar ao ser expirado, passa pelas pregas vocais, fazendo-as vibrar. Neste momento, entram em ação os articuladores, cuja função, neste contexto, é levar o som para as cavidades de ressonância. Outro ponto importante é a respiração. Para uma boa projeção da voz, na hora de falar em público, ler ou cantar, é necessário observar o controle da respiração. Para uma respiração correta, devemos estar numa postura adequada, pois a postura e a respiração andam juntas. A inspiração(entrada de ar) deve ser sempre pelo nariz, pois este funciona como um filtro de ar. Então, devemos inspirar pelo nariz e canalizarmos o ar em direção ao abdômem(como se estivéssemos enchendo a barriga de ar. Depois, devemos deixar que o ar seja expelido lentamente. É uma forma de economizarmos o ar e termos fôlego até o final das frases. 27

TÉCNICAS DE LEITURA : 

TÉCNICAS DE LEITURA Òrgãos do corpo que contribuem para produção da voz: O aparelho respiratório A laringe As pregas vocais Os ressonadores(cavidade nasal, cavidade craniana, cavidade toráxica, cavidade bucal e a faringe) Os articuladores(língua, lábios, palato duro, palato mole, dentes e mandíbula). 28

TÉCNICAS DE LEITURA : 

TÉCNICAS DE LEITURA Para ter uma boa voz, é preciso estar atento aos seguintes componentes: voz, dicção, articulação e entonação. Tudo isso junto, de forma harmoniosa, nos possibilitará transmitir, com segurança, o que precisamos. É fundamental, através de nossa fala, transmitir credibilidade, confiança e simpatia. Ninguém gosta, por exemplo, de ouvir alguém pigarreano o tempo todo no microfone, tossindo, completamente rouco ou falando estridentemente. Portanto, são fundamentais alguns cuidados com nossa voz. 29

TÉCNICAS DE LEITURA : 

TÉCNICAS DE LEITURA Então, ler bem significa ter: Entusiasmo Clareza Ênfase Modulação e entonação Naturalidade Ritmo 30

EXERC ÍCIOS DE DICÇÃO : 

EXERC ÍCIOS DE DICÇÃO Para ter uma voz com boa dicção, entonação, ritmo, modulação, articulação, é importante fazer exercícios, diariamente. Segue alguns exercícios de dicção. 31

EXERC ÍCIOS DE DICÇÃO : 

EXERC ÍCIOS DE DICÇÃO Inspire pelo nariz – pausa – expire lentamente pela boca(repetir 5 vezes) Encha a boca de ar e exploda com o som P Assobie Faça caretas colocando a língua fora da boca Vibre a ponta da língua – trim, trim, trim. Pronuncie forçando a musculatura facial – a, i, u – a, i, u – a, i , u Repita em voz alta os fonemas, forçando a consoante final. 32

EXERCÍCIOS DE CORREÇÃO : 

EXERCÍCIOS DE CORREÇÃO Agora, conheça alguns exemplos de exercícios para corrigir problemas de articulação: 33

EXERCÍCIOS DE CORREÇÃO : 

EXERCÍCIOS DE CORREÇÃO baR –baR – baR deR – deR – deR muR – muR – muR quiR – quiR – quiR Terê...Terê...Trê...Trê...Trê Fara...Fara...Fara...Fra...Fra...Fra Coró...Coró...Coró...Cró...Cró... Bla-Ble – Bli – blo - Blu 34

EXERCÍCIOS DE TRAVALÍNGUAS : 

EXERCÍCIOS DE TRAVALÍNGUAS Num jarro há uma aranha./ Tanto a aranha arranha o jarro como o jarro arranha a aranha./ Se a aranha arranha a rã, se a rã, arranha a aranha, como a aranha arranha a rã?/ Como a rã arranha a aranha? 35

EXERCÍCIOS DE TRAVALÍNGUAS : 

EXERCÍCIOS DE TRAVALÍNGUAS Dê o trigo para os três tigres no prato de prata Paga o pato, dorme o gato, foge o rato, paga o gato, dorme o rato, foge o pato, paga o rato, dorme o pato, foge o gato. Olha o sapo dentro do saco, o saco com o sapo dentro, o sapo batendo papo e o papo soltanto vento. O tempo perguntou ao tempo, quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu pro tempo, que o tempo tem tanto tempo, quanto tempo o tempo tem. 36

CUIDADOS COM A VOZ : 

CUIDADOS COM A VOZ Além dos exercícios que vimos, que só surtirão efeito se forem realizados sempre, é importante outros cuidados com a voz: Beber bastante água Comer maçã Beber suco de frutas Evitar roupas apertadas Não dormir de estômago cheio Evitar choques bruscos de temperaturas Evitar bebidas geladas 37

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS : 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MACHADO, Sirley e VELASE, Rui. Apostila Comunicação e Expressão Oral, Curitiba/PR. MADUREIRA, Aristides Luís. Formação para Leitores e Comentaristas. Editora A Partilha, Uberlândia-MG, 2006 MIKA, Lourenço. O Aviso na Missa.www.maikol.com.br Mini-curso Básico de Técnica Vocal. www.mvhp.com.br/canto7.htm, acesso em 01/09/2006 VALLE, Serginho (Pe.). Autores da Celebração Litúrgica. Edições Loyola, São Paulo, 1999 38

ORAÇÃO DOS LEITORES : 

ORAÇÃO DOS LEITORES Senhor, Vós me chamastes para o serviço de vossa Palavra como leitor. Vossa Palavra caiu como semente no chão de nossa vida e não resistimos. Por isso, aqui estamos. Acolhemos com alegria e fé a missão que nos confiais. Bendito sejais, Senhor, por vossa Palavra inspirada que somos chamados a anunciar a nossos irmãos e irmãs. Fazei que expressemos em nossas vidas aquilo que anunciamos com nossos lábios. Maria, geradora e servidora da Palavra encarnada, ajudai-nos a testemunhar com vida aquilo que anunciamos a nossos irmãos e irmãs. Amém! 39

authorStream Live Help