teodolitorestaura C3 A7 A3o

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

No description available.

Comments

Presentation Transcript

Slide 1: 

Restauração teodolito astronômico Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST Teodolito antes da restauração, década de 1990. Etapas do restauro: Pesquisa histórica Desmontagem das partes Diagnóstico Conservação de peças Restauração Remontagem

Slide 2: 

PESQUISA HISTÓRICA Objetivo: busca de informações sobre o fabricante (Brunner Fréres) e sobre a utilização do instrumento durante seu período de uso. Fontes primárias: - Arquivo histórico do MAST: Ofícios remetidos dos anos de 1890 a 1904, 1907 a 1921, 1923 e 1925 a 1931; Ofícios Recebidos dos anos de 1890 a 1896, 1901 a 1921 (Observatório Nacional); Documentação Lélio Gama entre 1923 e 1930; Arquivo Histórico do Ministério das Relações Exteriores, relatórios de atividades entre 1895 e 1900; Ministério da Agricultura, relatórios de atividades entre 1860 e 1960; Ministério do Império, relatórios de atividades entre 1832 e 1888, - Biblioteca Nacional, relatórios das comissões de limites; Arquivo Nacional. Fontes secundárias: Busca em bibliotecas especializadas (Istituto Museu di Storia della Scienza/ Florença, Fondazione Scienza e Tecnica/ Florença, Musée des Arts e Métiers/ Paris, Boerhaave Museum/ Leiden, Science Museum/ Londres, National Maritime Museum/ Londres, MAST/ RJ, Biblioteca Nacional/ RJ, Observatório Nacional/ RJ)

Slide 3: 

Pesquisa histórica - resultados Brunner Fréres - foi um dos principais fabricantes de instrumentos científicos da França no século XIX, tendo ganhado inclusive muitos prêmios e comendas. Importância histórica do instrumento - Teodolitos da Casa Brunner foram utilizados em vários eventos importantes da História da Ciência no Brasil como: - a Carta Geral do Império, formada em 1865 para levantar, organizar e elaborar a carta geral do império. Várias foram as expedições e os serviços de topografia necessários para a sua realização. - a Comissão Astronômica da Secretaria de Estado dos Negocios da Agricultura, Commercio e Obras, formada em 11 de fevereiro de 1876 pelo Imperial Observatório, está relacionada à implantação do prolongamento da estrada de ferro Santos – Rio Claro. - a Comissão de Olinda e a Comissão Punta Arenas-Estreito Magalhães, duas das três comissões instituídas pelo Imperial Observatório para observação da passagem de Vênus pelo disco sola,r em 06/12/1882. - a Comissão de Saneamento da Capital do Império, organizada em 14 de agosto de 1886 pelo Ministério do Império, visando o melhoramento sanitário da capital. - a Comissão de Limites Brasil / Guiana Francesa, estabelecida em 1900, pelo Ministério das Relações Exteriores, para definição dos limites com a Guiana Francesa.

Slide 4: 

DESMONTAGEM - ETAPAS 1 - Retirada dos parafusos recartilhados que fixam a parte superior do instrumento na haste central. 2 -Desmontagem do contrapeso da parte superior do instrumento. 3 -Retirada da parte superior do círculo horizontal através do cone central. 4 - Retirada da base do círculo horizontal 5 - Eixo central desmontado do tripé 6 - Haste central e a parte superior do disco horizontal. 7 - Liberação da parte superior do círculo vertical onde se situa a luneta e da parte inferior do círculo vertical. 8 - Separação da parte inferior do disco vertical do restante do eixo. 9 - Retirada da luneta.

Slide 5: 

OBSERVAÇÕES APÓS A DESMONTAGEM Foram realizadas intervenções anteriores no instrumento (adaptações na luneta, tampa). Foi identificada a marca do fabricante no círculo horizontal, com a seguinte grafia: Brunner Fres à Paris No 1 O teodolito apresenta peças marcadas com o número 2 e algumas peças marcadas com o número 5 (significando que vieram de outro teodolito idêntico ao de estudo) Estavam faltando as peças: nível de cavalete, lentes objetiva e ocular e vidros despolidos dos círculos graduados. O nível de bolha fixo não é original.

Slide 6: 

Conservação Limpeza das peças com algodão e óleo de mamona . Peças higienizadas: partes do círculo horizontal (base, alma da coluna central de latão, microscópios, sistema de chamada), partes do círculo vertical (suporte de sustentação, base do círculo vertical, eixo de aço, 1 - Higienização da base do círculo horizontal. 2 - Peças do eixo do círculo vertical separadas. 3 - Peça do suporte do círculo vertical apresentando camada depositada para sua provável proteção.

Slide 7: 

RESTAURAÇÃO Retirada mecânica da camada de produtos de corrosão da superfície das peças. Peças de formato circular foram fixadas no torno mecânico, as demais foram trabalhadas manualmente. Em algumas peças foi necessário adaptar outras, de forma a não danificar a superfície na fixação no torno. Foram utilizadas lixas d’água (granulometrias de 180, 320 e 400) e óleo. 1 - Finalização do trabalho com o suporte central no torno. 2 Início do trabalho de restauro do círculo horizontal. 3 - Restauro do contrapeso. 4 - Restauro do parafuso de freio. 5 - Restauro da luneta. 6 - Restauro do tubo de nível fixo. 7 - Restauro do tripé. 8 - Restauro de parafusos de nivelamento e recartilhados.

Slide 8: 

RESTAURAÇÃO Aplicação de verniz nas peças originalmente assim protegidas. - As peças foram limpas com álcool absoluto e desengorduradas com tricloroetileno, seguindo-se da aplicação da solução de verniz. Em seguida à aplicação, as peças eram aquecidas em estufa (60 a 80oC), a variação da temperatura não alterou a cor final. Técnicas de aplicação diversas, para obtenção da qualidade final desejada (testes com aerógrafo, aplicação manual). Enormes dificuldades para obtenção de camadas homogêneas.

Slide 9: 

RESTAURAÇÃO Aplicação de verniz nas peças originalmente assim protegidas. - As peças foram limpas com álcool absoluto e desengorduradas com tricloroetileno, seguindo-se da aplicação da solução de verniz. Em seguida à aplicação, as peças eram aquecidas em estufa (60 a 80oC), a variação da temperatura não alterou a cor final. Aplicação da solução de verniz no contrapeso, na luneta e no tripé e haste central, utilizando apetrechos diversos (algodão, espátula etc.).

Slide 10: 

RESTAURAÇÃO Substituição de peças ausentes por réplicas Lentes objetiva e ocular, nível de cavalete e vidros despolidos ausentes; Busca na coleção resultou na identificação do nível de cavalete; Réplicas das lentes não foram produzidas porque não existiam as informações técnicas necessárias para reprodução das peças; Réplicas dos vidros despolidos foram produzidas e as peças marcadas.

Slide 11: 

Resultado final Equipe Técnica Marcus Granato Coordenação Ricardo de Oliveira Dias técnico em conservação Imagens do instrumento em dezembro de 2003.

authorStream Live Help