PALESTRA

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

portugues

Comments

Presentation Transcript

Slide 1: 

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES NO HRS

Slide 7: 

CONCEITO DE SEGURANÇA ELÉTRICA EM EAS

Slide 8: 

TODOS SEM EXCEÇÃO UTILIZAM ENERGIA ELÉTRICA; A MAIORIA POSSUEM ALGUMA PARTE EM CONTATO COM O OPERADOR OU PACIENTE; TODOS EM ALGUM MOMENTO NECESSITARÁ DE CONSERTO.

Slide 9: 

FUNDAMENTO ELÉTRICO LEI DE OHM: (em função de ‘I’) I= V/R ONDE: - V = TENSÃO ELÉTRICA (V); R = RESISTÊNCIA ELÉRICA (); I = CORRENTE ELÉTRICA (A). GRANDEZAS: I = 1 mA (miliamperes) = 0,001 A I = 1 A (microamperes) = 0,000001 A

Slide 10: 

Efeito fisiológico de uma corrente elétrica de 60 Hz em uma pessoa NORMAL de 70 kg, durante 1 a 3 s. (Dalziel, 1973: Rooth et. Col. 1975) 10 mA < I < 30 mA 0,001 A < I < 0,003 A PERDA DE CONTROLE MOTOR EFEITOS DE CORRENTE ELÉTRICA ALTERNADA E FREQUÊNCIA DE SINAL Efeito fisiológico de frequência de sinal de 1000 Hz, gerado por corrente elétrica de 60 Hz em uma pessoa NORMAL. (Webster. 1992) I  30 mA 0,003 A NORMAS APLICÁVEIS: IEC 479, NR 10 E NBR 5410 CHOQUE ELÉTRICO

Slide 11: 

NORMA: NBR IEC 60601-1-1 DESCREVE: As prescrições gerais para segurança de equipamentos eletromédicos CORRENTE DE FUGA ATRAVÉS DO PACIENTE: (considerando sistema de corrente alternada e aterrado) I(máx.)  100 A 100 A = 0,0001 mA SIGNIFICADO DA CORRENTE DE FUGA: É a corrente elétrica que flui pelas partes metálicas, gabinetes e acessórios dos equipamentos eletromédicos através das fiações devido a defeitos de isolação. Esta é dita como residual, sendo normal por motivos de fabricação do equipamento, porém limitada através de normas técnicas (os valores destas correntes são dadas em microamperes).

Slide 12: 

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS MÉDICOS ENVOLVIDOS EM ACIDENTES. Equipamentos de Anestesia e Sistemas Respiratórios: Problemas com a linha de tubos, cilindros e equipamento; falha de absorção ou do absorvente; Hipo e Hiperventilação; pressão excessiva; aspiração de substâncias estranhas; overdose/subdose de agente anestésico; fogo e explosões. Unidades Eletrocirúrgicas: Choque elétrico, incêndio e explosões; O paciente, por sua vez, além destes, está sujeito a queimaduras e paradas cardíacas (quando portador de marca passo cardíaco). Unidades de Eletrocardiografia: Os riscos químicos incluem aqueles relacionados com toxicidade e reações alérgicas; Riscos mecânicos incluem pressão epunção, os quais podem causar oclusão vascular ou lesões de pele; transmissão de infecção de uma pessoa para outra; queimaduras da pele; As altas voltagens empregadas na desfibrilação causam consideráveis correntes elétricas através dos eletrodos. Desfibrilador: Choque elétrico, incêndio e explosões; fio solto ou movimentação excessiva do "artfact" pode parecer um caso de fibrilação ventricular; queimaduras de pele; corrente de fuga através do paciente; Fogo ou explosão devido a formação de arcos elétricos; Incubadoras para Recém-Nascidos: Choque elétrico; Falhas em termostatos que causam sobreaquecimento e hipertermia; ruído no interior da câmara provocado pelo ventilador e motor; contaminação da água.

Slide 13: 

FINALIDADES DO GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS PROMOVER A SEGURANÇA DE PACIENTES E EQUIPE MÉDICA; PROMOVER A CONTINUIDADE DOS SERVIÇOS MÉDICOS; CONTROLAR A ENTRADA E SAÍDA DOS EQUIPAMENTOS; IDENTIFICAR A LOCALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS NO HOSPITAL; CONTROLAR OS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS EQUIPAMENTOS, REALIZADAS POR EMPRESAS CONTRATADAS; ELABORAR ROTINAS INTERNAS DE VERIFICAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS; PROMOVER A ATUALIZAÇÃO TÉCNICA DA EQUIPE MÉDICA NA UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ELETROMÉDICOS. MINIMIZAR OS CUSTOS OPERACIONAIS ;

Slide 14: 

METOLOGIA DE APLICAÇÃO DO GERENCIMENTO DE EQUIPAMENTOS ELETROMÉDICOS COMPUTADOR E IMPRESSORA PARA LANÇAMENTO DOS DADOS NO MÍNIMO 02 SERVIDORES PARA REALIZAR O LEVANTAMENTO GERAÇÃO DE PLANILHAS PARA CONTROLE DOS DADOS LEVANTADOS

Slide 15: 

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

Slide 16: 

CONCLUSÃO METODOLOGIA A SER APLICADA   O método para implantação deste gerenciamento será realizado pela equipe da NCIH/HRS, sendo necessário no mínimo 02 (dois) servidores para levantamento continuado da situação destes equipamentos, com visitas nos locais de instalação. A NCIH/HRS deverá dispor de uma mesa com computador e impressora exclusivos para lançamento de todos os dados, documentação de controle e elaboração de treinamento continuado. Disponibilização pela SES dos contratos de manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos instalados no Hospital.

Slide 17: 

DADOS OBTIDOS DOS EQUIPAMENTOS INSTALADOS NO HRS NOS ÚLTIMOS 02 MESES

BIBLIOGRAFIA BOLETIM INFORMATIVO DE TECNOVIGILÂNCIA, BIT: 04-2004 - ANVISA/MS; Equipamentos médico-hospitalares e o gerenciamento da manutenção – Capacitação a distância, Ministério da Saúde, projeto REFORSUS-2002;

authorStream Live Help