JULIO AROSTEGUI

Views:
 
Category: Entertainment
     
 

Presentation Description

JULIO AROSTEGUI

Comments

Presentation Transcript

HOBSBAWN:

HOBSBAWN A PESQUISA HISTÓRICA: TEORIA E MÉTODO

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA 1. AUTOR E TRAJETÓRIA ACADÊMICA Júlio Aróstegui (1939-2013) foi um historiador espanhol especialista em Idade Contemporânea. Temas trabalhados em suas obras: – Violência política na História espanhola contemporânea. – Guerra Civil Espanhola. – Os carlistas, trabalho, conflitos traumáticos e memória coletiva. – Metodologia e História do mundo de hoje .

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Ele foi um dos historiadores espanhóis que dedicaram mais atenção aos problemas teóricos da história e seu método de investigação.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA 2. RESENHA O livro foi escrito por Júlio Aróstegui , lançado em 2006 . Aróstegui era um historiador especialista em Idade Contemporânea que estudou principalmente a Guerra Civil Espanhola. Trabalhou em bibliotecas, sendo responsável por várias obras de grande relevância. Seu nome tem destaque merecido na historiografia mundial.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A relação dos acontecimentos com apenas o ato de “contar historinhas” ganhou nova categoria. Desde Heródoto, considerado o pai da história, até a Idade Contemporânea , mais especificadamente até o século XIX, a cronologia dos fatos e seu modo de pronunciamento variava, destacando sempre a “história político-militar”.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Com as mudanças mostradas por autores, como o próprio Aróstegui , houve a criação de métodos discutidos nesse livro. Assim , na vontade de alcançar reconhecimento, alguns historiadores sentem necessidade de criar métodos para organizar seus estudos e para a ciência histórica. No entanto, a verdadeira historiografia apenas originou-se no século XIX, junto com os Estados nacionais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O pontapé inicial ocorreu na Alemanha, com uma corrente que considerava o processo de cientifização da história e a importância da documentação escrita. – Ficou conhecida como positivista. Nela constatasse que a história deveria ser imparcial, de total neutralidade, sendo apenas responsável por reproduzir o que diziam as fontes, opondo-se a filosofia .

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Desde a década de 70, a vida cotidiana e o mundo mental das personagens têm ganhado grande importância e experimentos. Uma visão mais científica sobre o assunto proporcionou uma consciência mais crítica e o limite das possibilidades de seu próprio trabalho . Nesse contexto, ao se definir história como ciência e ofício o enriquecimento e renovação exigiam um método . Esse tipo de estudo sobre a história se iniciou com a Escola dos Annales .

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Nessa se afirmava que a base do trabalho do historiador é tanto a erudição como a interpretação . Cada nova CONJUNTURA da história tem-se necessário renovar as investigações, quebrar os paradigmas metodológicos, as técnicas de procedimento e o estudo e observações do que a constrói.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O livro tem como objetivo abrir um espaço para criar-se uma discussão “teórica e metodológica” sobre o decorrer da investigação histórica e sobre a área norte americana desde sua grande presença na história das relações mundiais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O conteúdo pode ser dividido em três partes. A 1ª refere-se aos fundamentos e a disciplina e suas relações com a ciência (ciências sociais) e com a renovação contemporânea . A 2ª estuda a teoria própria da história, levando em consideração a natureza do historiador, seu objeto em questão de análise, a temporalidade, a explicação do fato dentro da história, e seu objetivo.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A 3ª e última parte refere-se ao estudos dos instrumentos que serão utilizados para a análise como : o processo de investigação, as informações, ou fontes, que serão colhidas e “julgadas” como relevantes.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O propósito do autor é contribuir para o progresso da historiografia e da história como disciplina. Com o exercício do pensamento e da reflexão podemos quebrar conceitos e verdades construídas pelos pós-modernistas. De acordo com o autor, essa ação de superar o estado atual que dita os fundamentos da historiografia exige concentrar o ataque e as duvidas desde a sua formação até a atualidade.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O método utilizado pela historiografia é uma parte dos estudos utilizados para descrever a história das relações sociais. Desse modo, o método utilizado pelo historiador é o mesmo que o utilizado pelas áreas como a economia, o da sociologia e o da antropologia. O que diferencia o trabalho do historiador com o trabalho dos estudiosos das demais áreas é a relação que os fatos ocorridos tem que ter com o espaço temporal. A ação ou o ocorrido é sempre “julgado” de acordo com a época em que ocorre. Isso significa que não é possível analisar um acontecimento “de modo direto” sem que se identifique o que aconteceu no passado e seu impacto na ação do presente.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O método que o autor se refere na obra, responsável pelo estudo da historiografia contemporânea, deveria ser constituído pelo acúmulo de experiências de vida e de relações com outros assuntos, mas focando sempre em seu objetivo. Os anos em que se seguiram o pensamento sobre a importância do desenvolvimento dos métodos, em meados da segunda metade do século XX, coincidiu, ou melhor dizendo, influenciou a criação de profissionais que visavam cargos como professores em universidades . Foi importante que tais dogmas fossem quebrados para que houvesse uma construção mais realista e compatível com questões do passado.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Ao analisar o livro percebemos como é importante para o historiador, independente da época em que viva, justificar o seu ofício e detectar sua função e sua contribuição para a sociedade. O trabalho do historiador ganhou maior importância. Ficou , também, mais complexo a questão do significado da palavra história, que em muitos países é designada como algo “acontecido” ou “passado”. Assim como afirma o autor Le Goff , o escritor dessa obra, Júlio Aróstegui , crê que haja dois significados: a história como disciplina, podendo ser ensinada em escolas e universidades e a realidade histórica , sendo a relação e coerência de uma determinada sequência de fatos.

A HISTÓRIA REPENSADA:

A HISTÓRIA REPENSADA Uma das preocupações do historiador ao realizar seu trabalho é o grau de convencimento que irá proporcionar as pessoas. Nesse contexto levantou-se dúvida sobre qual fonte seria mais propícia para análise e sobre qual o método de divulgação, normalmente utilizando a narrativa.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Um problema que pode ser levantado em relação ao conhecimento e estudo dos fatos históricos são os modos como são estudados, isto é, as fontes que são buscadas para sua conclusão. Como já diziam muitos autores, que complementam a tese do autor do livro, como Marc Bloch, a principal “arma” que levanta a dúvida em torno do acontecimento histórico é o fato de historiadores contemporâneos estudarem algo que não aconteceu em ser período, contando com depoimentos, muitas vezes orais, que acabavam por destorcer o verdadeiro significado e impacto na sociedade. O autor, ou historiador, acaba acatando, muitas vezes, uma única versão do fato, sendo essa por ser a única sobrevivente de um período ou mesmo por tradição.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Toma-se como exemplo as antigas batalhas em que se conhecem apenas as versões dos lados heroicos, muitas vezes nem citando os nomes dos perdedores. Outra característica levantada sobre a aquisição de provas orais, como os testemunhos, é que cada vivente conta a sucessão de fatos do seu modo, com seu olhar para tal assunto, podendo destorcer informações e criando uma história privada. Essa acabou passando de gerações para gerações até que se tornasse uma história tida como aceitável e inquestionável.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Essa noção de “ inquestionalidade ” dos fatos deve receber, de acordo com a obra, maior atenção. Através dos métodos alcançados e pré-determinados pelo historiador, esse torna-se responsável por desvendar os mistérios que existem por detrás dos dogmas e revelar algo mais palpável ou mais próximo do real.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Júlio ressalta em todo momento em seu livro os vários níveis de educação a que seu livro possa servir. Como cita : “não há para um escritor elogio mais belo do que saber falar, no mesmo tom, aos doutos e aos escolares” (2001, p.41). Nessa mesma linha de raciocínio, volta a remeter a não dependência da narração como forma de decimar a história. O ideal buscado é a capacidade de explicação e não apenas “fazer historiografia não é ‘contar histórias’ ”( 2006, p. 415).

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Diz que cabe ao historiador decidir em que linha de raciocínio quer tomar, se for fazer romance através da história e da narrativa ou de comunicar através de estudo dos fatos. Desde que escolhido com ciência nada consta como errado, mas deve-se dedicar no assunto . Um problema levantado pela obra em que se relaciona narrativa com a historiografia é a localização de tempo e espaço, características comuns a narração, deixando, muitas vezes, de lado a “beleza, essência e explicabilidade ” da história.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Para analise do livro "A Pesquisa Histórica: teoria e método" dividimos em três partes. A parte a ser abordada neste resumo é a segunda. O livro foi escrito por Júlio Aróstegui , historiador espanhol especialista em Idade Contemporânea. Para começar com o estudo histórico, implantamos a noção de historiografia. Para ela a sociedade age como sujeito principal, sendo, então, responsável por estudar sua transformação e desenvolvimento. Ao realizar tal fato, deve-se sempre levar em consideração as demais ciências sociais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Para examinar a sociedade e suas ações o historiador deve ter em mente três principais características. A primeira é que o homem faz parte da sociedade e esta é composta, determinantemente por ele, sendo esse o responsável por tais mudanças. A segunda é de que os movimentos sociais têm como princípio mudanças ocorridas nas estruturas da sociedade, a qual não estão contentes. Em último lugar o historiador deve perceber que, ao passar por tais fases e se transformar, a sociedade ganha um caráter mais de sistema, com novas relações interpessoais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A sociedade está sempre em confronto com suas estruturas contraditórias, como as opressoras e oprimidas, as inovadoras e as arcaicas. Ao se colocar um indivíduo nela, ou ele tende a ficar homogêneo e englobar tais características, ou discorda completamente, originando, assim, os movimentos sociais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Os sistemas que regem a sociedade não precisam, necessariamente, ser fixos. Tais podem se modificar a qualquer momento, sendo, quase sempre, regidos por desencontros de opiniões que gerarão os movimentos sociais e futuras transformações.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Associado ao sujeito sociedade encontra-se o fato tempo, também essencial para a historiografia. Esse se divide em tempo histórico, que pode ser observado pela decorrência exata do tempo, e tempo social, cuja importância é descrever as transformações subjetivas de personagens ou de povos, relacionando-os com os acontecimentos históricos. Sendo assim, o tempo social é o estudo em si e o tempo histórico serve como base cronológica.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA De acordo com o historiador, a história deve ser considerada como indivisível, pois o processo histórico que permite sua compreensão necessita do entendimento do que aconteceu, do que está acontecendo e do que irá acontecer, ou seja, seu impacto. Desse modo, não se pode chamar de história aquela que abrange o maior número possíveis de acontecimento, mas sim o conteúdo por inteiro.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O elemento necessário para a história, ou seja, sua essência é o acontecimento, ou como chamam alguns historiadores, o evento. É através dele que pode-se modificar os fatos históricos e as estruturas sociais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O acontecimento é necessário para o processo histórico, sendo ele o ditador dos fatos. Os valores a esses atribuídos são de diferentes pesos e podem representar diferentes mudanças e impactos no estudo. De acordo com G.H. Von Wright, os acontecimentos e o estado formam um par de correlação. Isto significa que a existência de um depende diretamente da existência do outro.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Os movimentos sociais são exemplos de tais acontecimentos impactantes no processo histórico. Esses consistem de atuações coletivas que buscam atingir um determinado objetivo, gerando alguma modificação na estrutura existente, isto é, indo contrário a algum pensamento ou modo de vida já imposto. Como exemplos de movimentos sociais pode-se destacar o movimento feminista, os movimentos operários e o mais vigente hoje em dia: o movimento ecológico.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Os movimentos que são o produtor real dos acontecimentos merecem destaque por serem únicos, isto é, não habtuais , como a morte e o nascimento. Como a historiografia busca suas fontes de estudo em tais acontecimentos, e esses são a base das transformações sociais, podemos chegar a conclusão de que a historiografia tem por finalidade o estudo das ações humanas e suas transformações. A medida em que aumentam os acontecimentos históricos, aumentam também os movimentos sociais.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A mudança social pode ser entendida através de três características. Primeiro de que tal mudança é cumulativa, ou seja, a união de várias ações, sendo elas repetitivas ou não, geram os movimentos. Em segundo lugar o fato da duração dos fatos contribuir para sua maior disseminação e seu ganho de forças. Em terceiro ponto pode-se abordar a questão da conclusão em que o processo histórico não se responde por sua decorrência, e sim pelo que apresenta como modelo final. Tais mudanças, provindas de seus respectivos movimento sociais, fazem com que a sociedade não apenas troque sua estrutura, mas desenvolva-se, evoluindo.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Levando em consideração que o estudioso e o historiador levam em conta tudo que acontece na vida do homem, tomamos como exemplo a teoria marxista. Nela aplicou-se a teoria do contraste de uma sociedade burguesa existente com a classe oprimida, havendo, então, um desencontro nas ideias do certo modo de produção capitalista Através da cronologia o historiador pode se localizar, sabendo exatamente quando aconteceu o acontecimento e estabelecer seus precedentes e impactos no futuro. Desse modo, pode-se traçar a linha da cultura, mostrando os diferentes modos de viver.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA De acordo com o pensamento braudeliano , a escola dos Annales , a quantidade de movimentos históricos está diretamente associada ao nível de acesso e de evolução da sociedade As datações nada dizem sobre as mudanças comportamentais da sociedade, ou seja, não são as datas que vão determinar exatamente o fim do modo de vida regente na época. Pode-se acatar como exemplo a passagem da Idade Média para a contemporânea, onde predominam características religiosas. Não só a passagem dessas divisões históricas, mas das demais, pois sempre são carregados dogmas e costumes.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O discurso sobre os acontecimentos toma como base hipotéticas situações. Através dessas pode-se estipular o porquê dos movimentos e seus impactos na história de hoje. O conhecimento que temos sobre algo, ou seja, aquilo que conhecemos deve seguir a ordem de raciocínio de como houve e o porquê daquilo ter acontecido. Essas indagações básicas servem para completar o raciocínio do homem. No entanto, as respostas nem sempre vem acompanhadas de premissas rápidas, muitas vezes passando por outros acontecimentos que exigem as mesmas perguntas, fechando assim um ciclo

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O exemplo tomado, pelo livro, para explicar tal conceito é a Revolução Francesa de 1989. Tal fato demonstra que, diferentemente dos fatos científicos, as indagações históricas não recebem respostas diretas. Essas apresentam pontos de vista diferenciados e numerosos para explicar cada caso. De acordo com Aristóteles, a explicação poderia se dar pela "genética", pela finalidade" e pela "causa".

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A hermenêutica aparece no campo da história, desde o século 19, de duas maneiras. Por ela pretende-se chegar a uma "verdade" sobre o fato, não englobando aspectos e acontecimento de diferentes áreas. Alguns historiadores de perspectiva clássica utilizaram as "causas", ou o que levou ao fato ocorrido, como base para o estudo.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A escola francesa, assim como a escola dos Annales , segue o esquema de "operações sintéticas". Nela consiste o agrupamento e estudo dos fatos que compõem o acontecimento, tirando dele as chamadas "causas" para chegar a uma conclusão.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A partir do século 20, a pesquisa e teoria históricas ganharam novas raízes. Exemplos delas pode-se citar: a neo-positivista e a analítica. Através dela foi-se possível englobar as ciências sociais ao estudo da história. Tudo servia como utilidade. Como exemplo faz-se uma analogia entre um crime e a história, em que os historiadores são os detetives e as provas são os acontecimentos que complementam e interferem no fato.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Aborda-se a visão do escritor G. H. Wright no texto de acordo com suas ideias nomeadas "leis de subsunção". Ela leva como luz ideias, além de sociais, teológico, realizando uma abordagem mais ampla e completa. O uso da teologia limitou-se no uso do historiador, devido a sua subjetividade e o fato de procurar explicar o inexplicável.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Outro modo de explicar os acontecimento é a "eleição racional" ou "lógica da situação", citada nos trabalhos de K. Arrow e dos sociólogos Olson e Boudon . Ela parte do pressuposto que se conhece as ações tomadas pelo homem e seu propósito , sendo sempre elas racionais. Pode ser vista também no ponto de vista individualista, em que se analisa a ação feita por um indivíduo e não o seu impacto na coletividade.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Voltando a teoria hermenêutica, originada na Alemanha, deve-se ressaltar que "As ações humanas e históricas não podem ser objeto de explicação, mas sim de compreensão" (Pág. 374 ). Nela tende-se a analisar casa ato do homem, afim de relaciona-lo com o ocorrido. Insere-se também na hermenêutica a noção de ação humana associada com a racionalidade proposta pela teoria da lógica da situação, em que toda ação realizada pelo homem teria um porquê ou um plano.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA O método para estuda-la seria a lógica e não psicológica, pois deve seguir e estabelecer as relações necessárias. Outro fato abordado é a escrita. O historiador não pode limitar-se aos documentos apenas escritos na hermenêutica, mas sim atentar-se a tudo que ocorre ao seu redor, interligando os fatos.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA A visão de Max Weber é apontada no texto como a fase final e mais importante da hermenêutica. Ele foge da visão individualista e afirma que os acontecimentos são produtos das transformações culturais de cada povo.

A PESQUISA HISTÓRICA:

A PESQUISA HISTÓRICA Ou seja, analisa os fatos, sem levar em consideração a vontade das pessoas, e qualquer outra manifestação não materializada. Para finalizar o pensamento de teoria e método da pesquisa histórica, conclui-se que a historiografia é um texto assertivo. De acordo com o texto ela não pode ser caracterizada como um texto narrativo comum, e sim com cautela, para se julgar o campo social que abrange.

authorStream Live Help