A Arte no Egito Antigo

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

Saiba mais sobre as características da exuberante arte egípcia.

Comments

Presentation Transcript

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Pintura em túmulo no templo de Luxor, no Egito.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Desenvolvida às margens do Rio Nilo , na África. Uma das mais importantes civilizações da Antiguidade. Organização social complexa. Riquíssimas realizações culturais . A CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Refletiu profundamente cada momento histórico dessa civilização: - Antigo Império, Médio Império e Novo Império. - significativo desenvolvimento / arte papel de destaque. A EXPRESSÃO ARTÍSTICA

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Mais relevante aspecto da cultura egípcia . Tudo no Egito orientava-se pela religião: - para os egípcios as práticas rituais asseguravam a felicidade terrena e a existência após a morte . A religião permeava toda a vida no Egito: - justificava a organização social e política. - orientava a produção artística. A RELIGIÃO EGÍPCIA

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO A arte egípcia refletia suas crenças fundamentais: - para eles a vida humana sofria interferência dos deuses. - a vida pós-morte era considerada mais importante que a existência terrena. - caracterizou-se nos túmulos e nos objetos (estatuetas, vasos, etc.) deixados junto aos mortos. UMA ARTE DEDICADA À VIDA APÓS A MORTE

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO As tumbas dos primeiros faraós eram réplicas das casas em que moravam. Pessoas sem prestígio social eram sepultadas em mastabas : - construções retangulares simples. - construídas com pedra calcária ou tijolo de barro (adobe). - a câmara mortuária localizava-se abaixo da base.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO - ostentavam a imponência e a grandiosidade do poder político do faraó. - Pirâmide do faraó Djeser (talvez a 1ª de grandes proporções no Egito). A IMPONÊNCIA DO PODER RELIGIOSO E POLÍTICO No Antigo Império, Mênfis torna-se a capital e centro mais importante do reino. Nesse período são construídos importantes monumentos artísticos:

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Obras arquitetônicas mais famosas: Pirâmides de Gizé . - construídas por ordem de 3 grandes faraós do Antigo Império: Queóps, Quefren e Miquerinos . - a maior dessas três pirâmides era a de Queóps (146 m. de altura e 54 300 m. quadrados de área)

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Pirâmides de Queóps, Quefrem e Miquerinos, no deserto de Gizé, no Egito (séculos XVII – XVI a.C.).

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO - a construção das grandes pirâmides revelam o domínio de técnicas de arquitetura no Egito antigo. Também foram construídas esfinges (figuras fantásticas). - finalidade: guardar os túmulos. - mais conhecida: esfinge do faraó Quéfren. Esfinge que representa o faraó Quéfren, na planície de Gizé, no Egito (século XVII a. C.)

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO A arte egípcia intimamente ligada à religião : - veículo para a difusão dos preceitos e das crenças religiosas. - obedecia a uma série de padrões e regras. - limitavam a criatividade e a imaginação do artista. - o artista egípcio criou uma arte anônima, pois a obra deveria revelar o perfeito domínio das técnicas de execução e não o estilo de quem a executava. UMA ARTE DE CONVENÇÕES

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Entre as regras seguidas na pintura e no baixo-relevo, destaca-se a lei da frontalidade : - marca indelével da arte egípcia. - a arte não deveria apresentar uma reprodução naturalista. - figuras humanas retratadas frontalmente. - observador deveria reconhecer tratar-se de uma representação.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Características da Lei da Frontalidade : - troncos das figuras representados de frente. - a cabeça, as pernas e os pés vistos de perfil.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Gravuras do Vale dos Reis no Egito.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO No Antigo Império, a escultura foi a representação artística que ganhou as mais belas representações: - embora cheia de convenções, desenvolveu expressividade que surpreende o observador. - um bom exemplo, conhecida imagem que mostra um escriba no exercício de sua função. Escriba sentado (c. 2500 a.C.), obra encontrada em um sepulcro da necrópole de Sacará. Museu do Louvre, Paris.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Características da escultura egípcia durante o Médio Império (2000 a 1750 a.C): - convencionalismo e conservadorismo das técnicas. - produção de esculturas estereotipadas. - representação da aparência ideal dos seres e não seu aspecto real.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Novo Império (1580 - 1085): ponto alto do poder e da cultura egípcia. Período de reinício das grandes construções: - as mais conservadas construções dessa época são os templos de Luxor e Carnac , dedicados ao deus Amon. O APOGEU DO PODER E DA ARTE

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Templo de Amon, em Luxor, no Egito (século XIV – XII a.C.)

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Templo de Luxor : - Construído por determinação de Amenófis III , por volta de 1380 a.C. - esteticamente seu aspecto mais importante é o novo tipo de coluna, com capitel (arremate superior) trabalhado com motivos tirados da natureza, como o papiro e a flor de lótus. Templo de Luxor. Colunas do Templo de Amon com capitel com representação da flor de papiro.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Monumentos funerários de destaque : Templo da rainha Hatshepsut que reinou entre 1511 e 1480 a.C. - construção imponente e harmoniosa. - montanha que lhe serve de fundo parece fazer parte do conjunto. - profunda integração entre a arquitetura e o ambiente natural

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Templo da rainha Hatshepsut, em Deir el-Bahari no Egito.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO A pintura no Novo Império: - criações artísticas mais leves e cores mais variadas. - abandono da rigidez de posturas das figuras. Alterações artísticas decorrem das mudanças promovidas por Amenófis IV . - neutralização do poder dos sacerdotes. Com sua morte, os sacerdotes retomam o poder e passam a dirigir o Egito ao lado do novo faraó, Tutancâmon .

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Tutancâmon morre aos 18 anos de idade. O túmulo de Tutancâmon : - localizado no Vale dos Reis, margem ocidental do Nilo. - grande construção formada por um salão de entrada, “câmara do tesouro” e sala sepulcral. - tesouro constituído de vasos, arcas, rico trono, carruagens, esquifes e peças de escultura representando o jovem soberano.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Os reis da dinastia pós-Tutancâmon: - expansão do poderio político do Egito. - reinado de Ramsés II . Consequências da expansão militar: - toda arte de seu reinado foi uma demonstração do poder real. estátuas gigantescas e colunas comemorativas dos feitos políticos desse soberano.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO Utilização dos hieróglifos como elemento estético: - visava registrar os feitos de Ramsés II . - esculpidos nas fachadas e colunas dos templos. - ornamentação das obras arquitetônicas. Após a morte de Ramsés II, ouve o enfraquecimento do poder real: - Egito passa a ser governado pelos sacerdotes. - estabilidade apenas aparente. - invasões estrangeiras no Egito: etíopes, persas, gregos e, finalmente, romanos.

A ARTE NO EGITO ANTIGO:

A ARTE NO EGITO ANTIGO As invasões externa desorganizaram a sociedade egípcia e sua arte. - influenciada pela cultura dos povos invasores. - perda da identidade cultural refletindo a crise política do Império.