HISTÓRIA DE MATO GROSSO

Views:
 
Category: Education
     
 

Presentation Description

Saiba mais sobre a gloriosa História de Mato Grosso.

Comments

Presentation Transcript

HISTÓRIA DE MATO GROSSO : 

HISTÓRIA DE MATO GROSSO PROF.: MARCOS ANDRADE CARDOSO – CACO I

OS ESPANHÓIS CHEGARAM PRIMEIRO : 

OS ESPANHÓIS CHEGARAM PRIMEIRO PUERTO DE LOS REYS, EM PLENO PANTANAL MATO-GROSSENSE SANTIAGO DE XEREZ, NA BORDA DO PANTANAL, PRÓXIMO AO RIO MIRANDA

OS ESPANHÓIS CHEGARAM PRIMEIRO : 

OS ESPANHÓIS CHEGARAM PRIMEIRO INGREDIENTES QUE COLABORARAM PARA QUE OS ESPANHOIS NÃO AVANÇASSEM PARA LESTE: FIXARAM-SE NO EXTREMO OCIDENTE, ONDE ENCONTRARAM GRANDE QUANTIDADE DE PRATA; A PRESENÇA DE GRANDE CONTIGENTE INDÍGENA (FUGINDO DOS COLONOS E DOS JESUÍTAS).

PRIMEIRO POVOADO NA REGIÃO DO CUYABÁ : 

PRIMEIRO POVOADO NA REGIÃO DO CUYABÁ SÃO GONÇALO (1673-1682) MANOEL DE CAMPOS BICUDO BARTOLOMEU BUENO DA SILVA SÃO GONÇALO VELHO (1717) ANTÔNIO PIRES DE CAMPOS PASCOAL MOREIRA CABRAL

A DESCOBERTA DE OURO NO MATO GROSSO : 

A DESCOBERTA DE OURO NO MATO GROSSO 1718 – ANTÔNIO PIRES DE CAMPOS, APRISIONA ÍNDIOS COXIPONÉS NA REGIÃO DO COXIPÓ-MIRIM. 1719 – PASCOAL MOREIRA CABRAL FERNANDO DIAS FALCÃO ANTÔNIO ANTUNES MACIEL

A FUNDAÇÃO DE CUYABÁ : 

A FUNDAÇÃO DE CUYABÁ ATA DA FUNDAÇÃO DE CUIABA 08/04/1719 CERTIDÃO PARA NOTÍCIA DO DESCOBRIMENTO PASCOAL MOREIRA FOI ACLAMADO GUARDA-MOR CARGO CONFIRMADO SOMENTE EM 26/04/1723 FERNÃO DIAS FALCÃO – CAPITÃO-MOR REGENTE Fernão Dias Falcão - 1724 JOÃO ANTUNES MACIEL – SUPERINTENDENTE GERAL DAS MINAS

Slide 17: 

1754 - PADRE JOSÉ AYRES PROVÁVEL CONSTRUÇÃO 1730

IRMÃO LEME : 

IRMÃO LEME A influência dos irmãos Leme. João e Lourenço Leme Disputa Política pelo poder local. Embosca e Morte dos irmãos Lemes.

MONÇÕES : 

MONÇÕES SISTEMA ABASTECEDOR E DE TRANSPORTE DE PESSOAS, IMPLEMENTADO EXCLUSIVAMENTE ATRAVÉS DOS RIOS. ROUPAS, BEBIDAS, MEDICAMENTOS, FERRAMENTAS DE TRABALHO, ALIMENTOS VARIADOS(SAL) E PESSOAS. ABASTECIMENTO LOCAL ARROZ, FEIJÃO, MANDIOCA, MILHO, AÇÚCAR E CACHAÇA RIO ABAIXO SERRA ACIMA

A IMPORTÂNCIA DOS ÍNDIOS PARA AS BANDEIRAS E MONÇÕES : 

A IMPORTÂNCIA DOS ÍNDIOS PARA AS BANDEIRAS E MONÇÕES NO FABRICO DAS EMBARCAÇÕES COMO GUIAS NAS VIAGENS NA ALIMENTAÇÃO E NA MEDICINA COMO CONHECEDORES DE OUTRAS ETNIAS

Slide 28: 

01. Sobre o período da mineração em MT, julgue os itens. ( ) O ouro de aluvião foi descoberto pela bandeira de Antônio Pires de Campos em 1719, na região do rio Coxipó. ( ) O arraial de Cuiabá surgiu em decorrência do descobrimento do ouro por Miguel Sutil na região da prainha, e este passa a administrá-lo com o cargo de Guarda-Mor Regente. ( ) Monções de abastecimento eram expedições, que geralmente partiam da capitania de São Vicente, cujo objetivo era abastecer as regiões mineradoras com produtos, remédios e escravos. A monção responsável pelo abastecimento das minas de Cuiabá era a Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão.

Slide 29: 

02. Sobre o papel das monções de abastecimento, julgue os itens. ( ) O povoamento desta distante área colonial foi se efetivando através intenso fluxo migratório em direção às minas cuiabanas. Nesse período as monções tiveram importante papel pois traziam para esta região um grande contingente populacional. ( ) Foi através do tráfico monçoeiro que núcleos mineradores foram abastecidos com todas as espécies de mercadorias, medicamentos, escravos e ferramentas de trabalho. ( ) O trajeto utilizado pelas monções não trazia grandes dificuldades o que fazia com que seus produtos fossem de fácil aquisição. ( ) Trouxe como conseqüências a valorização do ouro das minas, a partir do momento que somente aceitavam este como pagamento pelos seus produtos.

RODRIGO CÉSAR DE MENEZES : 

RODRIGO CÉSAR DE MENEZES Fiscalização e tributação das minas. Criação do Senado da Câmara (Câmara Municipal). Vereadores: Elite local, proprietários de terra, de minas e escravos.

Slide 35: 

03. Sobre a administração colonial das minas cuiabanas, julgue os itens. ( ) Rodrigo César de Menezes pretendia passar a residir em Cuiabá objetivando verificar, pessoalmente a real situação das minas, tanto no aspecto referente à arrecadação dos impostos pertencentes à Coroa Portuguesa como também desejava implantar um novo aparato fiscal na região. ( ) Durante sua administração criou-se o quinto, Cuiabá foi elevado à categoria de Vila, o comércio e o índice populacional cresceram grandemente. ( ) Apesar da rígida imposição fiscal, a Metrópole portuguesa tardou a chegar a esta região, ocasionando a esta um grande acúmulo de ouro entre os mineradores.

Slide 36: 

04. (UFMT) Em 1998 estão sendo comemorados os 250 anos da criação da Capitania de MT. Identifique algumas das razões dessa medida da Coroa Portuguesa, julgando os itens. ( ) A descoberta de ouro no rio Guaporé poderia atrair a atenção dos colonos espanhóis e então ameaçar os interesses lusitanos. ( ) O povoamento do extremo oeste da colônia deveria ser garantido e facilitado com a instalação de um aparato político-militar. ( ) Entre as atividades econômicas desenvolvidas na época, a extração da borracha era atrativa devido ao mercado externo. ( ) A presença das autoridades portuguesas impediria o desenvolvimento das idéias revolucionárias, especialmente abolicionista, muito comum naquele período.

CRIAÇÃO DA CAPITANIA DE MATO GROSSO : 

CRIAÇÃO DA CAPITANIA DE MATO GROSSO Garantir posse e ampliar domínios, povoando e militarizando; A política do povoamento garantia ao colono isenção de variados tipos de impostos e redução de outros. Alexandre de Gusmão contribuiu para as negociações de TRATADO DE MADRID, argumentando a teoria do “UTI POSSIDETIS”.

MT passa a comemorar data de aniversário : 

MT passa a comemorar data de aniversário O dia 9 de maio foi escolhido por ser o da fundação da Capitania de Mato Grosso com a assinatura da Carta Régia, pelo rei Dom João V, de Portugal, em 1748.

(UFMT) Em 1998 estão sendo comemorados os 250 anos da criação da Capitania de Mato Grosso. Indique algumas das razões dessa medida da Coroa Portuguesa, julgando os itens. Colocando C (certo) ou errado (E): : 

(UFMT) Em 1998 estão sendo comemorados os 250 anos da criação da Capitania de Mato Grosso. Indique algumas das razões dessa medida da Coroa Portuguesa, julgando os itens. Colocando C (certo) ou errado (E): ( ) A descoberta de ouro no rio Guaporé poderia atrair a atenção dos colonos espanhóis e então ameaçar os interesses lusitanos. ( ) O povoamento do extremo oeste da colônia deveria ser garantido e facilitado com instalação de um aparato político-militar. ( ) Entre as atividades econômicas desenvolvidas na época,a extração da borracha era atrativa devido ao mercado interno. ( ) A presença das autoridades portuguesas impediram o desenvolvimento das idéias revolucionárias, especialmente abolicionistas muito comuns naquele momento.

CAPITÃES-GENERAIS DA CAPITANIA DE MATO GROSSO : 

CAPITÃES-GENERAIS DA CAPITANIA DE MATO GROSSO GOMES FREIRE DE ANDRADE 1748-1751. D. ANTÔNIO ROLIM DE MOURA 1751- 1765. Povoamentos: Leomil Missão de São José Desafiou os espanhóis (margem Esquerda) Forte de Nossa Senhora da Conceição Flotilha armada – defesa do Guaporé Destruição da aldeia de São Miguel. MT tornou-se efetivamente português

JOÃO PEDRO CÂMARA 1765-1769 : 

JOÃO PEDRO CÂMARA 1765-1769 Chegou a Vila Bela pelo Madeira-Guaporé Continua a construção do Forte da Conceição Derrotou ao exército espanhol sem dar um único Tiro

D. LUIZ DE SOUZA COUTINHO (VISCONDE DE BALSEMÃO) 1769-1772 : 

D. LUIZ DE SOUZA COUTINHO (VISCONDE DE BALSEMÃO) 1769-1772 QUASE NADA REALIZOU Pagar dívidas; Trocar nomes de povoados.

LUIZ DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1772-1789 : 

LUIZ DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1772-1789 Construção de Forte Coimbra 1775 Início da construção do Forte Real Príncipe da Beira Fundação do Povoado de Albuquerque (atual Corumbá) 1778 Fundação de Vila Maria (Atual Cáceres) 1781 Fundação de São Pedro Del Rey (atual Poconé) 1781

FORTE COIMBRA : 

FORTE COIMBRA

REAL FORTE PRÍNCIPE DA BEIRA : 

REAL FORTE PRÍNCIPE DA BEIRA

LUIZ DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1772-1789 : 

LUIZ DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1772-1789 Povoação de Casalvasco 1783 Povoação de Viseu (margem esquerda do Guaporé) Ficou conhecido então como governador de Santa Cruz de La Sierra e tido como o mais ambicioso dos governadores portugueses.

JOÃO DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1789-1796 : 

JOÃO DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES 1789-1796 Continuou o processo de medição de fronteiras de seu irmão Pacificação dos índios Guaicurus Faleceu em pleno exercício de seu governo em 1796 Assume junta governativa provisória

CAETANO PINTO DE MIRANDA MONTENEGRO 1796-1803 : 

CAETANO PINTO DE MIRANDA MONTENEGRO 1796-1803 Único Capitão-General não militar Fundação do povoada de Miranda 1801 – Tentativa espanhola de tomar Forte Coimbra

MANOEL CARLOS DE ABREU E MENEZES 1804-1805 : 

MANOEL CARLOS DE ABREU E MENEZES 1804-1805 Governou pouco mais de um ano vindo falecer de febre.

JOÃO CARLOS AUGUSTO D’OEYNHUSEN E GRAVENBERG 1807-1819 : 

JOÃO CARLOS AUGUSTO D’OEYNHUSEN E GRAVENBERG 1807-1819 Iniciou o processo de transferência da capital de Vila Bela para Cuiabá Realizava constantes e demoradas viagens a Cuiabá Criou o curso superior de anatomia Fundou a Santa Casa da Misericórdia Mandou fundar o Hospital São João dos Lázaros 17/09/1818 Cuiabá foi elevada à categoria de cidade

FRANCISCO DE PAULA MAGESSI TAVARES DE CARVALHO (BARÃO DE VILA BELA) 1819-1821 : 

FRANCISCO DE PAULA MAGESSI TAVARES DE CARVALHO (BARÃO DE VILA BELA) 1819-1821 Criou uma fábrica de pólvora Mudou para Cuiabá a Casa de Fundição Mudou o Desembargo do Paço, a Junta de Fazenda e importantes guarnições militares Face sua impopularidade, foi destituído em 20 de agosto de 1821

TRANSFERÊNCIA DA CAPITAL, DE VILA BELA PARA CUIABÁ : 

TRANSFERÊNCIA DA CAPITAL, DE VILA BELA PARA CUIABÁ Após a deposição de Magessi, assume o governo uma Junta Governativa Cuiabá X Vila Bela 1824 – Jose Saturnino da Costa Pereira foi nomeado primeiro Presidente da Província de Mato Grosso. (10/09/1825)

A REAÇÃO DOS DOMINADOS : 

A REAÇÃO DOS DOMINADOS O tratamento dado ao escravo –considerado uma mercadoria – era revestido de extrema violência, sendo, por qualquer motivo, espancado e, em caso de reincidência, era amarrado em tronco e açoitado, muitas vezes até a morte. Foi devido a esses mal tratos e ao desrespeito como eram tratados que surgiram reações: Assassinatos; Rebeliões a bordo dos navios; Suicídio; Infanticídio; Fugas.

O ESCRAVO : 

O ESCRAVO Assiento –Direito de explorar o tráfico negreiro cedido pelo rei, mediante pagamento. Os navios negreiros eram chamados de tumbeiros (mortalidade aproximada de 20%). Resistência: Tentativa de assassinato de feitores e senhores; Fuga e suicídio; Formação de Quilombos 20/11/1695 Morte de Zumbi

A REAÇÃO DOS DOMINADOS : 

A REAÇÃO DOS DOMINADOS Os negros africanos atuavam como trabalhadores dos engenhos de açúcar, das fazendas de lavoura e , sobretudo, junto aos trabalhos de mineração. Com a instalação da Companhia de Comércio Grão-Pará e Maranhão, o número de escravos , que já era significativo, dobrou. (Vila bela) Escravos de eito Escravos de ganho Escravos domésticos

A REAÇÃO DOS DOMINADOS : 

A REAÇÃO DOS DOMINADOS QUILOMBOS Nele se refugiava uma população variada que, fugindo à opressão sofrida, optavam por viver livremente. Negra; Índia; Branca pobre. A esses fugitivos dava-se o nome de QILOMBOLAS

QUILOMBOS : 

QUILOMBOS O Quilombo mais famoso foi o chamado PIOLHO ou QUARITERÊ, situado na região do rio Guaporé, próximo ao rio Piolho(1770/1771) Era constituído de uma aldeia composta de: NEGROS ESCRAVIZADOS ÍNDIOS CRIOULOS CABURÉS (mestiços)

QUILOMBOS : 

QUILOMBOS O s colonos desse território resolveram recapturar os escravos fujões; Motivo: Despovoamento Desabastecimento A bandeira, sob o comando do sargento-mor, após um mês de viagem, chegaram ao quilombo que, foi cercado e atacado de madrugada, facilitando sua destruição O Quilombo era governado pela rainha Tereza de Benguela.

QUILOMBOS : 

QUILOMBOS 1791 – João de Albuquerque recebe solicitação e envia forças legais e sob suas ordens o quilombo, dessa vez, e totalmente destruído. Preocupado com a formação de novos quilombos na região, o capitão-general de Mato Grosso, João de Albuquerque, criou a Aldeia Carlota. Outros quilombos também foram erguidos na região de Chapada. Quilombo Cansanção, localizado às margens do rio Manso. Formado por fugitivos, desertores e criminosos. População: entre 300 a 600 quilombolas. Outros quilombos: Mutuca, Pindaituba, Mata Cavalos.

Slide 74: 

“Os Quilombos eram comunidades de fugitivos que se formavam longe do mundo dos brancos, considerados símbolos de resistência negra. Fugindo dos maus tratos e dos castigos a que eram submetidos....” (MT e sua História – Else Cavalcante e Maurim Rodrigues) Sobre a escravidão e os quilombos em Mato Grosso, assinale a alternativa incorreta.

Slide 75: 

a) O quilombo de maior expressão em Mato Grosso, durante o período colonial, foi o Quilombo do Piolho, dirigido pela Rainha Tereza de Benguela. b) Nos quilombos a vida era caracterizada pela inexistência de propriedade particular e a economia baseada na produção de gêneros agrícolas. c) Os quilombos foram característicos da região Guaporeana devido a grande quantidade de negros existentes naquela região, fruto do abastecimento feito Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão. d) A produção de gêneros agrícolas nem sempre foi suficiente para abastecer as necessidades de consumo da crescente população dos quilombos, assim, como por exemplo no Quilombo do Piolho, houve a necessidade de fazer comércio com as regiões próximas para suprir essa necessidade. e) Em MT, no século XVIII, com a descoberta das minas de ouro, o trabalho escravo foi amplamente utilizado nas atividades de extração. Posteriormente, o escravo africano passou a realizar outros tipos de tarefas junto às plantações de açúcar e em atividades urbanas.

Slide 76: 

Sobre a fundação da Capital e seus respectivos administradores, marque V ou F. ( ) Vila Bela, construída na região oeste, fronteira com as posses espanholas, foi sede do governo até o ano de 1821, quando a capital foi transferida para Cuiabá pelo governador Francisco de Paula Magessi. ( ) Para colonização da região de fronteira, região oeste, os governadores de MT tomara várias medidas, tais como: alforria aos negros com idade avançada que desejasse viver em Vila Bela, política de incentivos fiscais de quilombos, como por exemplo, a aldeia da Carlota. ( ) Na realidade, Vila Bela por ser uma região pobre, insalubre e com pouco ouro, contava com baixo índice populacional,, fazendo com que todos os governadores de MT, desde Antônio Rolim de Moura, passassem a viver e administrar a Capitania de MT diretamente de Cuiabá.

Slide 77: 

04. Capitão-General destituído do cargo em Cuiabá por comerciantes, militares e clero no período da independência: a) João Carlos A. D’Oeynhausen e Gravemberg b) Francisco de Paula Magessi c) Antonio Rolim de Moura d) Manuel Carlos de Abreu Menezes e) Luis Pinto de Souza Coutinho

Slide 78: 

Sobre a transferência da capital de Vila Bela para Cuiabá, julgue os itens: ( ) A administração de Oeynhausen, próximo à transferência da capital, foi de ostentação, realizando e camuflando a realidade social da capitania que era de miséria e fome. ( ) A administração de Magessi foi de austeridade, o que contrariava os interesses da elite regional, bem como da população. ( ) A elite cuiabana vai tomar o poder político através da formação de uma junta governativa instalada em Cuiabá, e obtêm o reconhecimento do imperador pois possuía um forte peso político nacional. ( ) A elite de Vila Bela nada fez para manter a capital da capitania em sua região, pois se sentia impotente frente a elite cuiabana.

RUSGA : 

RUSGA Em Mato Grosso, governava a Província Antônio Corrêa da Costa – Conservador, Sociedade filantrópica. Garantiu todos os privilégios aos estrangeiros, grandes comerciantes, submetendo os pequenos comerciantes e a população nativos aos preços por eles estabelecidos.

RUSGA : 

RUSGA Sociedade dos Zelosos da independência, Liberais Moderados, programam a eclosão de um movimento armado, partindo do Campo do Ourique, atual praça Moreira Cabral. Os Exaltados buscavam expulsar da Província todos os elementos que dominassem o grande comércio.

RUSGA : 

RUSGA Sabedor dos planos dos Zelosos da Independência abandona o cargo. A província de MT fica a cargo de um conselho de Governo, composto por elementos retirados da elite cuiabana, entre eles, João Poupino Caldas

RUSGA : 

RUSGA O movimento eclodiu na noite do dia 30/05/1834, tendo a frente a Guarda Nacional. Movimento de caráter pouco social em que grupos políticos se digladiaram pelo poder. O movimento perdurou até setembro de 1834, quando chegou a Cuiabá o novo Presidente de Província, Antônio Pedro de Alencastro.

GUERRA CONTRA O PARAGUAI : 

GUERRA CONTRA O PARAGUAI MOTIVOS: Disputas pelas estratégicas região do Rio da Prata Interesse econômico em torno da navegação do Rio da Prata Determinação do Paraguai em participar da disputa regional

A BATALHA DO RIACHUELO : 

A BATALHA DO RIACHUELO

MOTIVO : 

MOTIVO Como motivações para o conflito: o improvável conflito de interesses entre um Paraguai desenvolvido e independente do capital estrangeiro e uma Inglaterra ávida em submetê-lo ao seu imperialismo,. A historiografia atual demonstra que o conflito foi movido por questões geopolíticas na região, em especial a garantia da livre-navegação na Bacia do Prata.

A VARÍOLA - BEXIGA : 

A VARÍOLA - BEXIGA 13 de junho de 1867 – retomada de Corumbá Criação do Cemitério Nossa Senhora do Carmo “cai-cai” 15 de maio de 1867 – Criação de acampamento militar na margem direita do Rio Cuiabá (Atual Várzea Grande)

ECONOMIA : 

ECONOMIA Uma vez liberada a navegação pelo Rio Paraguai, MT abre-se para o capital internacional, surgindo casas de comércio de importação e exportação.

A ERVA-MATE : 

A ERVA-MATE 1878 TOMÁS LARANJEIRAS – COMPAINHA MATE LARANJEIRA/LARANJEIRA MENDES E COMPANHIA CHEGOU A CONSTITUIR UM ESTADO DENTRO DO ESTADO UTILIZAVA PRINCIPALMENTE TRABALHADORES GUARANI PASSOS DO PROCESSO DE EXTRAÇÃO DA ERVA-MATE PODA DA ÁRVORE REUNIÃO DOS GALHOS EM FEIXES TORREFAÇÃO RUDIMENTAR DOS GALHOS DE ERVA-MATE VARGAS LEVA AO DESATIVAMENTO DA COMPANHIA

A POAIA : 

A POAIA NOME CIENTÍFICO – CEPHAELES IPECACUANHA RAIZ DE UM PEQUENO ARBUSTO MEDICAMENTO: COQUELUCHE, BRONQUITE E DISENTERIAS PRESENTE ENTRE AS BACIAS DO PARAGUAI E GUAPORÉ, DESTACONDO: CÁCERES, BARRA DO BUGRES, T. DA SERRA, VILA BELA E CUIABÁ.

PROCESSO DE EXTRAÇÃO : 

PROCESSO DE EXTRAÇÃO EXTRAÇÃO: DURANTE O PERÍODO DAS CHUVAS INSTRUMENTOS: SARAQUÁ SAPIQUÁ BORNAL TRABALHADORES PATRÃO FEITOR RESPOSÁVEL PELO ARMAZÉM COSTUREIROS EMBARCADOR

A EXTRAÇÃO DO LÁTEX : 

A EXTRAÇÃO DO LÁTEX ÁRVORES DE EXTRAÇÃO: SERINGUEIRA E MANGABEIRA UTILIZAVA O TRABALHO LIVRE DE MUITOS TRABALHADORES MIGRADOS DO NORDESTE

AS USINAS DE AÇÚCAR : 

AS USINAS DE AÇÚCAR

USINA RESSACA/RIO PARAGUAI – 1872FRANCISCO VILANOVA : 

USINA RESSACA/RIO PARAGUAI – 1872FRANCISCO VILANOVA

USINA DE ITAÍCI : 

USINA DE ITAÍCI

Slide 109: 

USINA ITAÍCI LOCALIZAÇÃO: MARGEM DIREITA DO RIO CUIABÁ PROPRIETÁRIO: ANTÔNIO PAES DE BARROS FUNDAÇÃO: 1896

AS USINAS DE AÇÚCAR : 

AS USINAS DE AÇÚCAR TRABALHADORES NAS USINAS TRABALHO ESCRAVO ATÉ 1888 TRABALHADOR LIVRE TRATADO COMO ESCRAVO A SITUAÇÃO COMEÇA A MUDAR COM AS LEIS TRABALHISTAS DE GETÚLIO VARGAS

PECUÁRIA : 

PECUÁRIA DESTAQUE PARA A ATUAL REGIÃO DE MS. NO ATUAL MT, A INDÚSTRIA DESCALVADOS, MUNICÍPIO DE CÁCERES PRODUTOS CHARQUE CALDO DE CARNE CURTUMES

Slide 112: 

(Mackenzie) Sobre o contexto histórico responsável pela proclamação da República NÃO se inclui: a) a insatisfação dos setores escravocratas com o governo monárquico após a Lei Áurea. b) a ascensão do exército após a Guerra do Paraguai, passando a exigir um papel na vida política do país. c) a perda de prestígio do governo imperial junto ao clero, após a questão religiosa. d) a oposição de grupos médios urbanos e fazendeiros do oeste paulista, defensores de maior autonomia administrativa. e) o alto grau de consciência e participação das massas urbanas em todo o processo da proclamação da República.

Slide 113: 

(Ufrn) O movimento militar chefiado pelo marechal Deodoro da Fonseca, em 1889, proclamou a República no Brasil, implantando um modelo de governo que se declarava democrático. Décio Saes, ao estudar posteriormente esse movimento, afirma que a democracia nascente definia-se desde logo como uma democracia elitista e limitada, que correspondia a um refinamento da dominação de classe dos proprietários de terras no plano das instituições políticas, configurando um novo modelo de exclusão política. SAES, Décio. Classe média e sistema político no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

Slide 114: 

Pode-se afirmar que a democracia da República Velha foi um novo modelo de exclusão política na medida em que, nesse período, a) implantou-se o federalismo, em que cada estado-membro ganhava autonomia para eleger o governador do estado e os deputados, que deveriam ser grandes proprietários rurais. b) adotou-se como sistema de governo o presidencialismo, em que o presidente da República deveria escolher seus ministros entre os grandes cafeicultores paulistas. c) garantiu-se o direito de voto aos brasileiros do sexo masculino, maiores de 21 anos, excetuando analfabetos, mendigos, soldados e religiosos sujeitos à obediência eclesiástica. d) proclamou-se a independência entre o Estado e a Igreja, pondo fim ao regime do padroado, vigente no Império, embora fosse vetado o acesso de protestantes aos cargos públicos.

Slide 115: 

"Glória à pátria!", dizia a "Revista Illustrada", um dia após a proclamação da República no Brasil, numa comemoração que representava o desejo de mudanças que trouxessem ampliação dos direitos políticos e da cidadania. No que se refere ao exercício dos direitos políticos, a primeira Constituição republicana - de 1891 - tem como uma de suas características: a) o direito de cidadania às mulheres, pela introdução do voto feminino b) a exclusão das camadas populares, com a instituição de sistema eleitoral direto c) o aumento do colégio eleitoral, pela atribuição do direito de voto aos analfabetos d) a possibilidade do controle dos eleitores pelos proprietários rurais, através do voto aberto

Slide 116: 

(Fatec) "Cabo de enxada engrossa as mãos - o laço de couro cru, machado e foice também. Caneta e lápis são ferramentas muito delicadas. A lida é outra: labuta pesada, de sol a sol, nos campos e nos currais (...) Ler o quê? Escrever o quê? Mas agora é preciso: a eleição vem aí e o alistamento rende a estima do patrão, a gente vira pessoa." Com base no texto é correto afirmar que, na República velha, a) o predomínio oligárquico, embora vinculado à manipulação do processo eleitoral, estava longe de estabelecer qualquer compromisso entre "patrão" e empregados. b) a campanha eleitoral levada a cabo pelos chefes políticos locais visava a atingir, principalmente, os trabalhadores urbanos já alfabetizados e menos embrutecidos pela "labuta pesada". c) a transformação operada no trabalhador durante o período eleitoral representava a marca de um sistema político que estendia o poder dos grandes proprietários rurais, dos "campos e currais", aos Municípios e, daí, à capital do Estado. d) o predomínio oligárquico, baseado em favores pessoais, buscava, sobretudo, dissolver os focos de tensão social e oposição política, representados nas diversas formas de organização dos trabalhadores rurais naquele momento. e) o período eleitoral era o único momento em que os chefes locais se voltavam para os seus subordinados, impondo-lhes seus candidatos e dispensando-os dos trabalhos que "engrossavam as mãos".

Slide 117: 

(Fuvest) "Voto de cabresto", "curral eleitoral", "eleição a bico de pena", "juiz nosso", "delegado nosso", "capangas" e "apadrinhamento" são expressões que lembram em nosso país o: a) liberalismo. b) totalitarismo. c) messianismo. d) coronelismo. e) comunismo.

REPÚBLICA : 

REPÚBLICA O último Presidente da Província de Mato Grosso foi o Coronel Ernesto da Cunha Matos, que deixa o cargo e viaja para o Rio de Janeiro em 11/12/1889, após receber a notícia da proclamação da república, que somente chegou a Cuiabá, trazida pelo Vapor Coxipó, 09/12/1889.

REPÚBLICA : 

REPÚBLICA 16/08/1891 – assume o 1º presidente constitucional da província – Manoel José Murtinho. É deposto durante o Governo de Floriano Peixoto. (01/01/1892) A “contra-revolução” fica a cargo de Generoso Ponce, que toma o poder em 07/05/1892. 20/07/1892 – Manoel Murtinho reassume o governo.

MASSACRE DA BAÍA DO GARCEZ : 

MASSACRE DA BAÍA DO GARCEZ Disputa pelo governo do Estado em 1898. Partido Republicano João Félix Peixoto de Azevedo (Ponce) José Maria Metelo (Murtinho) Legião Campos Sales força novas eleições para colocar no poder Metelo. O comando da Legião coube a Antônio Paes de Barros (totó Paes). Antônio Pedro Alves de Barros vence novas eleições. Antônio Pedro cria Divisão Patriótica, para sufocar rebeldes. 1901 – 17 opositores são localizados na Usina Conceição e são assassinados no local chamado Baía do Garcez.

GOVERNO DE TOTÓ PAES : 

GOVERNO DE TOTÓ PAES Política de Modernização: Participação em exposição internacional (Saint Louis-França); Financiamento de expedições científicas; Revista “O Archivo”; Ponce e Murtinho forma a Coligação e a Legião de Patriotas unido-se a Divisão Sul. Totó Paes é morto na região do coxipó.

CAETANADA – 1916 : 

CAETANADA – 1916 Para proteger a Cia Mate Laranjeira, o grupo Murtinho pede a Assembléia: Prorrogação do arrendamento até 1930; Autorização para criar uma força policial. 1915 – O PRC elege para o governo Caetano de Albuquerque. Caetano alia-se ao PRMT. D. Aquino Corrêa é nomeado interventor.

AS USINAS DE AÇÚCAR : 

AS USINAS DE AÇÚCAR TRABALHADORES NAS USINAS TRABALHO ESCRAVO ATÉ 1888 TRABALHADOR LIVRE TRATADO COMO ESCRAVO A SITUAÇÃO COMEÇA A MUDAR COM AS LEIS TRABALHISTAS DE GETÚLIO VARGAS

PECUÁRIA : 

PECUÁRIA DESTAQUE PARA A ATUAL REGIÃO DE MS. NO ATUAL MT, A INDÚSTRIA DESCALVADOS, MUNICÍPIO DE CÁCERES PRODUTOS CHARQUE CALDO DE CARNE CURTUMES

República : 

República O partido republicano Mato-grossense foi fundado, oficialmente, no dia 12/08/1888. Fundação do jornal A República. 1º. Presidente do Estado – Antônia Maria Coelho.(PNR) Criação da Bandeira do Estado – Decreto n 2, de 31/01/1890. Partido Nacional Republicano X Partido republicano. 1ª. Eleição após a Constituição mato-grossense: Presidente do Estado Manuel Jose Murtinho, Vice-Presidente: Generoso Paes Leme de Souza Ponce.

República : 

República Os habitantes do Sul do Mato Grosso são contra o governo e o depuseram mesmo a distância. Legião Floriano Peixoto, composta por civis, gente dos coronéis, contra-golpe.

REPÚBLICA : 

REPÚBLICA Foi convidado para assumir o governo, o General Antônio Maria Coelho. Os membros do Partido Conservador fundaram o Partido Republicano Nacional. Os correligionários do Partido Liberal, liderados por Generoso Ponce, fundaram o Partido Republicano.

República : 

República O partido republicano Mato-grossense foi fundado, oficialmente, no dia 12/08/1888. Fundação do jornal A República. 1º. Presidente do Estado – Antônia Maria Coelho.(PNR) Criação da Bandeira do Estado – Decreto n 2, de 31/01/1890. Partido Nacional Republicano X Partido republicano. 1ª. Eleição após a Constituição mato-grossense: Presidente do Estado Manuel Jose Murtinho, Vice-Presidente: Generoso Paes Leme de Souza Ponce.

República : 

República Os habitantes do Sul do Mato Grosso são contra o governo e o depuseram mesmo a distância. Legião Floriano Peixoto, composta por civis, gente dos coronéis, contra-golpe.

O massacre da Baía do Garcez : 

O massacre da Baía do Garcez Campos Sales (política dos governadores) Ministro do STF Manoel José Murtinho. 1898 – O P. Republicano João Félix Peixoto de Azevedo.(G. Ponce)* José Maria Metelo (J Murtinho) (Legião Campos Sales) Antônio Pedro Alves de Barros. Divisão Patriótica. 1901 – Oposicionistas na Usina Conceição.

O Governo de Totó Paes : 

O Governo de Totó Paes Exposição Internacional de Saint Louis; Editou a primeira revista cultural, O Archivo; Editou Vias de Comunicação de Augusto Leverger (descreve principais Rios) Financiou expedições cientificas no Estado; Estimulou o comércio. No Paraguai, Generoso Ponce publicava a reação, (por falta de garantias no Estado) Legião de Patriotas(norte) e a Divisão do Sul (Sul). A fuga para a Fabrica de Pólvora onde é morto antes da chegada das tropas do Presidente Rodrigues Alves.

A Caetanada : 

A Caetanada 1916 Generoso Ponce e Pedro Celestino (PRC) Acabar com a Mate Laranjeira X Os murtinhos Aprovação para mais 22 anos de arrendamento Autorização para criação de leis internas Caetano M.d e Faria Albuquerque PRC-PRMT (acusado de favorecer os produtores de borracha). Caetano norte X Manuel Escolástico Sul

DOM AQUINO CORREA : 

DOM AQUINO CORREA Membro da Academia Brasileira de Letras Inspirou a criação do IHGMT Inspirou a Academia Mato-Grossense de Letras Sua gestão foi de tranquilidade Festa do bicentenário da fundação de Cuiabá Inauguração da luz elétrica Primeiro automóvel em Cuiabá Instalado o observatório meteorológico e sismográgico D. Aquino conferiu a Cuiabá a alcunha de Cidade Verde

Morbeck & Carvalhinho : 

Morbeck & Carvalhinho A retomada do minério na região do Araguaia; José Morbeck – Bahia (Chefe político local “coronel”) 1926 – Pedro Celestino busca dominar o poder político na região 1925 – Permissão para realização de baile Manuel Balbino de Carvalho (carvalhinho) Reginaldo e o baile fracassado Carvalhinho de Celestino no RJ

Delegado Carvalhinho : 

Delegado Carvalhinho A recepção de Morbeck a Carvalhinho Morcego e cai na água O retorno da Bahia e a fuga para o RJ Morbeck pede ajuda ao governo federal (combater Coluna Prestes) Mario Correa e a pacificação Valdomiro Correa assumi o posto de delegado do Araguaia e Garças Carvalhinho pede indenização ao governo Prisão de Carvalhinho e desfile pelas ruas de Cuiabá.

ESTRADA DE FERRO MADEIRA-MAMORÉ : 

ESTRADA DE FERRO MADEIRA-MAMORÉ A primeira tentativa de construção de uma ferrovia na região foi datada em 1872, sem sucesso devido às grandes dificuldades da execução da obra civil, como várias mortes por doenças tropicais, principalmente a malária, endêmica na região. A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré é uma ferrovia construída entre 1907 e 1912 para ligar Porto Velho a Guajará-Mirim, no atual estado de Rondônia, no Brasil. Ficou conhecida à época como a "Ferrovia do Diabo" devido às milhares de mortes de trabalhadores ocorridas durante a sua construção devido às doenças tropicais, complementar à lenda de que sob cada um de seus dormentes existia um cadáver.

MOVIMENTO DO TANQUE NOVODoninha do Caeté : 

MOVIMENTO DO TANQUE NOVODoninha do Caeté Foi na região de Poconé, precisamente em um localidade denominada de Tanque Novo, onde residiu a família Lacerda e Cintra que, com inúmeros filhos, vivia modestamente da agricultura e da criação de animais, A nona filha do casal, chamada de Laurinda Lacerda Cintra, mais conhecida como Doninha, em 1931, aos 22 anos de idade, mãe de 2 filhos e grávida de um terceiro, começou a Ter visões de uma Santa, inicialmente chamada de "Maria Da Verdade" e, que posteriormente passou a ser chamar "Jesus Maria José". A partir dessas aparições, Doninha passou a ser solicitada, uma vez que a Santa, não só lhe aconselhava sobre doenças mas também fazia algumas previsões sobre o futuro. Após uma série de curas, as quais originaram romaria, a região de Tanque Novo tomou outra paisagem, de um arraial pacato, transformou-se numa pequena vila, relativamente populosa, pois muitos que procuravam Doninha, passaram a residir ali

ERA VARGAS 1930-1945 Governo Provisório 1930-1945 : 

ERA VARGAS 1930-1945 Governo Provisório 1930-1945 Centralização do poder: Suspendeu a constituição de 1891; Fechou o Congresso Nacional: Fechou as Assembléias Estaduais; Nomeou pessoas de sua confiança para governo dos estados (Interventores). Adotou medidas econômicas para diminuir os efeitos da crise econômica de 1929. Programa de substituição das importações.

Slide 148: 

Os habitantes de Tanque Novo foram identificados com o partido oposicionista a Vargas. Se Ben Rondon havia apoiado Tanque Novo, o novo prefeito, também conhecido como "Nho Tico", agiu de forma contrária, perseguindo os moradores do arraial, uma vez que sua missão, naquele momento, seria a de desestabilizar as forças oposicionistas. Desta forma enviou para Tanque Novo um contingente policial que, sob pretexto de anarquia na localidade, tinha ordem de prender seus habitantes e principalmente Doninha, responsável primeira pelo aglomerado humano ali existente. A alegação de desordem de Tanque Novo não procedia, uma vez que Doninha proibia, terminantemente, aos habitantes do lugar, ingestão de bebidas alcoólicas, assim como a prática de jogos de azar, desta forma a vida em Tanque Novo era bem pacata.

A Marcha para o Oeste : 

A Marcha para o Oeste 1943 – Expedição Roncador-Xingu Territórios Federais: Ponta-Porã Guaporé

GOVERNO – EMÍLIO GARRASTAZU MEDICIGOVERNO – ERNESTO GEISEL : 

GOVERNO – EMÍLIO GARRASTAZU MEDICIGOVERNO – ERNESTO GEISEL

PIN – PLANO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL : 

PIN – PLANO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL Nos 470 anos iniciais da colonização da Amazônia brasileira, apenas 1% da área foi desmatada. Porém, nos últimos 35 anos (1970-2005) o desmatamento já atinge 17% da região e a população aumentou de dois milhões para mais de 20 milhões de habitantes. O governo como indutor do desenvolvimento foi substituído pela iniciativa privada cujas atividades econômicas tornaram-se lucrativas.

PIN – PLANO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL : 

PIN – PLANO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL A partir da década de 1970, para tentar diminuir a demanda por uma reforma agrária, o governo federal, por meio do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), criou alguns programas de colonização e desenvolvimento regional, incentivando a ocupação territorial das regiões Centro-Oeste e Norte, por meio da expansão das fronteiras agrícolas. Dentre eles, destaca-se o Programa de Integração Nacional (PIN), o qual se apoiou na abertura de grandes rodovias e na instalação de agrovilas em meio à Floresta Amazônica, e cuja estratégia publicitária se estruturava basicamente o slogan: “Integrar para não entregar”.

JÚLIO CAMPOS (PDS) GOVERNOU DE 1983 A 86 : 

JÚLIO CAMPOS (PDS) GOVERNOU DE 1983 A 86 Em 1982 se elegeu, VOTO DIRETO, governador do Estado com apenas 35 anos de idade. Em quatro anos de mandato como governador, Júlio Campos asfaltou mais de 3 mil quilômetros de rodovias. No governo de Júlio Campos foi construído o asfalto entre Várzea Grande e Sinop (BR-163). Também foi foram pavimentadas a estrada para Cáceres e Porto Velho, a BR-070 até Barra do Garças e a BR-158 de Barra a Nova Xavantina.

MUNICÍPIOS DA BR-163 : 

MUNICÍPIOS DA BR-163 ALTA FLORESTA APIACÁS CARLINDA CLÁUIDIA COLÍDER FELIZ NATAL GUARANTÃ DO NORTE ITAÚBA JUARA LUCAS DO RIO VERDE MARCELÂNDIA MATUPÁ NOVA BANDEIRANTES NOVA CANAÃ DO NORTE NOVA GUARITA NOVA MARINGÁ NOVA MONTE VERDE NOVA MUTUM NOVA SANTA HELENA NOVA UBIRATÃ NOVO HORIZ. DO NORTE NOVO MUNDO PARANAÍTA P DE AZEVEDO P DOS GAÚCHOS SANTA CARMEM SANTA RITA DO TRIVELATO SÃO JOSÉ DO RIO CLARO SINOP SORRISO TABAPORÃ TAPURAH TERRA NOVA DO NORTE UNIÃO DO SUL VERA

A decisão de dividir o Estado : 

A decisão de dividir o Estado A decisão de dividir o Estado foi tomada em abril de 1977, seis meses antes da assinatura da lei. A divisão efetivamente aconteceu em janeiro de 1979. O medo de Geisel é de que Mato Grosso crescesse e decidisse brigar pela independência com relação ao restante do país, qual tentara estados do sul do Brasil.

José Garcia Neto 1975-1978 : 

José Garcia Neto 1975-1978

José Garcia Neto 1975-1978 : 

José Garcia Neto 1975-1978 A posse de Garcia Neto aconteceu no dia 15 de março de 1975. Foi em abril de 1977 que o general chamou Garcia Neto para tratar da divisão. "Ele disse que queria começar a pensar na divisão de Mato Grosso.

José Garcia Neto 1975-1978 : 

José Garcia Neto 1975-1978 Argumentos contrários a divisão: Suas receitas correntes são maiores que as despesas correntes; O alto custo da divisão: cerca de Cr$ 380 milhões, a preços de 1977, quando neste mesmo ano o orçamento de Mato Grosso apresenta um superávit de Cr$ 70 milhões“; O que fazer com os 5.318 funcionários públicos do Estado.

José Garcia Neto 1975-1978 : 

José Garcia Neto 1975-1978 Eleito de forma indireta, indicação do General Ernesto Geisel. Tomou posse em 13/03/1975. Durante seu governo, por determinação do presidente Ernesto Geisel, foi dividido o estado de Mato Grosso, através da lei complementar nº 31 de 11/10/1977. Diante da imposição federal, José Garcia Neto proferiu apenas as seguintes palavras: vesti a camisa do presidente. Para se candidatar ao senado deixa o governo em 1978. Cássio Leite de Barros 14/08/1978 – 15/03/1979 Com a divisão MT fica com 38 Municípios. Em 4 de janeiro de 1979, pouco mais de um ano após a edição da lei complementar, é efetivado o processo de divisão. 15/03/1979 – assume o governador eleito Frederico Carlos Soares Campos.

authorStream Live Help